O que é a Lei?                           
 Por  Carlos I. Azambuja - Publicado no Alerta Total                                        
      Claude Frédéric Bastiat (Baiona, 30 de junho de 1801 — Roma, 24 de dezembro de 1850) foi um economista e jornalista francês. A maior parte de sua obra foi escrita durante os anos que antecederam e que imediatamente sucederam a Revolução de 1848. Como deputado, teve a oportunidade de se opor vivamente às idéias socialistas, fazendo-o através de seus escritos, vazados em estilo cheio de humor e sátira.
     Entre os economistas franceses, Frédéric Bastiat ocupa um lugar de destaque. Sua obra completa se compõe de sete volumes. Um princípio domina sua obra: A Lei deve proteger o indivíduo, a liberdade e a propriedade privada. É desta forma que Bastiat analisa o funcionamento do Estado, esta "grande ficção através da qual todos se esforçam para viver à custa dos demais". Para ele, protecionismo, intervencionismo e socialismo são as três forças de perversão da lei.
 
Relator está demolindo Gilmar Mendes, que demonstra não ter argumentos sólidos
Acuado, Gilmar recorre à ironia e à provocação
Carlos Newton - Tribuna da Internet - 8/06/2017
Já era esperado o confronto entre o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, e o ministro Herman Benjamin, relator das ações do PSDB para cassar a chapa Dilma Rousseff/Michel Temer por abuso de poder econômico e outras irregularidades na campanha presidencial de 2014. Aqui na “Tribuna da Internet” chegamos a prever que seria um “Duelo de Titãs”, no estilo do faroeste americano. Mas ninguém poderia imaginar que houvesse tamanha disparidade de forças entre o presidente e o relator, que está conseguindo sobressair sem maiores dificuldades.
Nessas sessões iniciais do julgamento, Herman Benjamin mostrou ser um adversário fortíssimo, como jurista eminentemente técnico, que conhece em profundidade a lei e a jurisprudência, enquanto Gilmar até agora não apresentou nenhum argumento verdadeiramente sólido, que possa impedir a cassação da chapa de Dilma e Temer.
 
Eliane Cantanhêde: - Estadão - 31/01/2017 
Judiciário, Executivo e Legislativo, cada qual com sua agonia e indefinição
Publicado no Estadão - 31/01/2017
Se janeiro já foi assim, com massacres, morte do relator da Lava Jato, AVC de ex-primeira-dama, febre amarela e prisão do homem que já foi o mais rico do País, imagine como vai ficar com o fim do recesso do Judiciário apressando a Lava Jato, o fim do recesso do Legislativo aumentando o pavor da Lava Jato e o Executivo fazendo de tudo para trocar a pauta real pela ideal – a da reforma da Previdência.
Os três Poderes chegaram estressados ao fim de 2016, entraram perplexos em 2017 e vão se arrastando com os nervos à flor da pele. A presidente do Supremo, Cármen Lúcia, sofre para definir o novo relator da Lava Jato. O presidente Michel Temer sofre para nomear o novo ministro do Supremo. E a sucessão nas presidências da Câmara e do Senado, que parecia tão definida, ganhou pitadas de tensão nas últimas horas.
ESQUERDA SOCIALISTA - MESTRA DA FALSIDADE E HIPOCRISIA
Por General da Reserva Luiz Eduardo Rocha Paiva
Os socialistas condenam o Movimento Civil-Militar de 31 de Março de 1964, dizendo que teria sido imposto pelos EUA, e acusam os regimes militares por suposto conluio com países do Cone Sul na chamada Operação Condor[1]. No entanto, aceitam sua própria submissão a matrizes internacionais do socialismo revolucionário ou se calam quando o governo petista devolve refugiados cubanos à ditadura castrista, o ícone da liderança socialista tupiniquim.
Segundo a esquerda, os EUA planejaram e desencadearam o Movimento Civil-Militar de 31 de Março de 1964, sendo o cidadão brasileiro, as instituições nacionais e os soldados da Pátria meros coadjuvantes.
 
Nenhum partido escapa da lista da Odebrecht
Carlos Chagas -  29/01/2017
Tudo indica não passar desta semana a divulgação da lista da Odebretcht, elaborada a partir da delação premiada de 77 executivos e ex-executivos da empreiteira. Serão perto de 100 parlamentares e políticos envolvidos nos esquemas de corrupção do tipo recebimento de propina, doação de dinheiro irregular, negociação de projetos de lei e medidas provisórias e outras ilegalidades.
Na dependência da aceitação das denúncias, do comportamento do Ministério Público, das investigações da Polícia Federal e da abertura de processos pelo Supremo Tribunal Federal, estarão em perigo os mandatos de muitos deputados e senadores. Coisa para um tempo razoável, mas capaz de interromper a carreira política de muita gente.