Coberto pelo PT, continuou a rapina, com roubos mais elaborados e em maior volume....
Observação do site www.averdadesufocada.com  : Fernando Pimentel esteve sempre ligado às mesmas organizações de Dilma Rousseff e depois de anistiados continuaram aliados na política. Ele fazendo parte de seu governo , inclusive como, como conselheiro, coordenador de suas campanhas e ministro.
Governador FERNANDO PIMENTEL :CODINOME no TERRORISMO: "JORGE".


Por Bruno Braga.
Em 1970, FERNANDO da MATTA PIMENTEL – hoje Governador PETISTA do estado de Minas Gerais - participou da fracassada ação TERRORISTA orquestrada pela Vanguarda Popular Revolucionária (VPR): sequestrar Curtis Carly Cutter, cônsul dos Estados Unidos em Porto Alegre. O objetivo era realizar uma ação de impacto para consagrar a unidade de combate junto ao Comando Nacional, libertando - em troca da autoridade sequestrada - cinquenta "companheiros" presos.



"O sequestro foi marcado para o dia 21 de março, um sábado. Na tarde desse dia, estando tudo pronto, já com o carro para a ação roubado, o sequestro fracassou pela primeira vez, em virtude de erro no planejamento. Nova tentativa foi marcada para semanas depois.

No dia 4 de abril (também um sábado), o 'Comando do TERRORISTA Carlos Marighella' foi assim constituído: no carro da ação, um Volks azul, estava o comandante da operação, Félix Silveira Rosa Neto, com pistola calibre 45, o motorista Irgeu João Monegon, com revólver.38, FERNANDO da MATTA PIMENTEL, com revólver .38, e Gregório Mendonça, do MR-26, com metralhadora INA .45; no carro da cobertura, ia o motorista, Reinhold Amadeo Klement, com revólver .38, e Luiz Carlos Damatta, com metralhadora INA .45. Além das armas, algumas granadas completavam o arsenal formado para o sequestro.

 


Na manhã desse dia, o cônsul saiu sozinho de sua residência, com sua caminhonete Plymouth azul-marinho. Pelo excesso de tráfego nos caminhos percorridos, nada foi tentado. À tarde, novamente, o cônsul saiu em direção à Vila Hípica. Em Vila Assunção, tentaram encostar-se ao seu carro, mas, por mais uma vez, o tráfego impediu a ação. Às 16 horas, o americano encontrava-se numa rua sem saída, no bairro Tristeza. Montaram o esquema de bloqueio da rua, que fracassou por imperícia de Irgeu: em vez de fechar, seu carro emparelhou com o do cônsul. Este, pensando que os rapazes queriam fazer um 'pega', arrancou a sua potente Plymouth, deixando para trás os surpresos TERRORISTAS .  Combinaram, então, nova tentativa para essa mesma noite, marcando um ponto de encontro, ao qual Luiz Carlos Dametta não compareceu. Apesar do desfalque, resolveram agir assim mesmo. Os frequentes fracassos irritavam e açodavam os militantes do 'Comando Carlos Marighella".Às 20 horas, o cônsul, acompanhado de sua esposa, saiu para visitar uns amigos, estacionando na Avenida Independência nas proximidades do Teatro Leopoldina. Às 22h30min, saiu o casal acompanhado de um amigo. Tomando o carro, foram seguidos até a Rua Vasco da Gama, quando, logo após a Rua Ramiro Barellos, foram ultrapassados e fechados pelo Volks dirigido por Irgeu, ocorrendo uma batida. Os três militantes desse carro, Félix, FERNANDO PIMENTEL e Gregório desceram, cercando a caminhonete do cônsul. Este não titubeou, ao ver as armas, arrancou violentamente e atropelou FERNANDO PIMENTEL , abalroando o Volks. Félix atirou com sua pistola .45, acertando o omoplata da vítima, que, mesmo ferida, conseguiu escapar.
O Volks, batido, foi abandonado na Rua Dona Laura. O outro carro foi guardado para futuras ações. De madrugada, reunidos no 'aparelho' em que o cônsul deveria ser guardado, analisaram as causas do fracasso.
Até hoje, não se sabe o que fizeram  naquele momento, com o "Comunicado Número Um" (trecho extraído do livro "ORVIL: tentativas de tomada do poder", Schoba, 2012, pp. 539-40 - os destaques no texto para Fernando Pimentel são meus) O "Comunicado Número Um" - citado acima - era um aviso que deveria ser entregue às autoridades com a consumação do sequestro. Porém, ele não propunha somente a troca do cônsul pelos cinquenta "companheiros" presos. O comunicado, previamente redigido, já trazia a "confissão" do prisioneiro, que assumia "ligações com a CIA", e a condenação dele à morte, julgado sumariamente pelo "tribunal de justiça revolucionária" - execução que seria evitada apenas se as autoridades aceitassem as condições do resgate (Idem, p. 538).Em 2011, João Carlos Bona Garcia - juiz militar aposentado, e ex-integrante da VPR - contou como ele e FERNANDO PIMENTEL ROUBARAM Cr$ 89.500,00 (R$ 415 mil reais em 2011) do BANCO do BRASIL, de São Paulo - dinheiro que pertencia ao grupo Ultragás.

Com um Gordini, os TERRORISTAS fecharam o fusca que estava a serviço do banco em Porto Alegre, rendendo o motorista e seu acompanhante: "Eu estava com uma 45 e o FERNANDO PIMENTEL com um revolver 38", contou Bona Garcia. Cabia-lhe render o motorista, mas este inicialmente resistiu, com um atrevido "não saio!". O TERRORISTA disse: "Sai, se não vou ter de te matar". Ele saiu. "O FERNANDO teve mais sorte, porque o dele saiu logo. Mas a ação foi um sucesso". Sanches, subgerente do Banco do Brasil em Porto Alegre, disse à polícia que os dois assaltantes usavam um emplastro na altura do nariz e da boca (Revista Época, 18 de Março de 2011 - os destaques no texto para Fernando Pimentel são meus). Mas não foi só com a VPR que Fernando Pimentel - empunhando armas e promovendo atividades criminosas - tentou fazer do BRASIL um país SOCIALISTA-COMUNISTA.

Em Belo Horizonte - antes de integrar a VPR -, Fernando Pimentel fez parte do COLINA (Comando de Libertação Nacional), ORGANIZAÇÃO TERRORISTA que tinha DILMA ROUSSEFF em seus quadros como membro ativo e de muita truculência.

Fernando Pimentel - PETISTA governador do Estado de Minas Gerais - tem o DEVER de esclarecer os termos dos contratos SECRETOS multimilionários firmados com as ditaduras SOCIALISTAS-COMUNISTAS de CUBA e ANGOLA. Fernando Pimentel, enquanto Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio da Presidente DILMA Rousseff, foi o responsável por assiná-los (Cf. vídeo). DILMA e PIMENTEL que, durante os Governos dos Militares, pretendiam - empunhando ARMAS e promovendo ATENTADOS TERRORISTAS - transformar o Brasil em um país SOCIALISTA-COMUNISTA, de mesmo modelo de CUBA.

OBS: Nesta última semana de maio/16, em face de investigações na OPERAÇÃO ACRÔNIMO, o Ministério PÚBLICO denunciou o governador FERNANDO PIMENTEL ao STF por CRIMES de ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, CORRUPÇÃO PASSIVA e LAVAGEM de DINHEIRO