EDITORIAL 
O GLOBO - 09/08/201

A adulteração difamatória dos perfis no Wikipedia de Míriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, feita de dentro do Palácio, tem de ser investigada com seriedade

O termo foi lançado com propriedade pelo próprio presidente Lula, quando, na campanha para a reeleição, em setembro de 2006, petistas foram presos pela Polícia Federal, em São Paulo, quando se preparavam para comprar um dossiê falso contra a candidatura de José Serra ao governo paulista. Um bando de “aloprados”, tachou Lula, até como forma de manter distância daquela operação atrapalhada de sabotadores incautos. Entre os “aloprados”, estavam pessoas próximas a ele e de sua campanha.

O tempo correu, o PT ampliou o exército de militantes na internet, e cresceu, também, o número de sites/blogs chapas-brancas, bancados com dinheiro público, até que, na campanha presidencial seguinte, em 2010, soube-se de nova operação aloprada. No ano anterior, o sigilo fiscal do candidato tucano, adversário de Dilma Rousseff, José Serra, fora quebrado na agência da Receita Federal em Mauá, na Grande São Paulo. Arquivos com informações pessoais, sigilosas, sob a guarda do Estado, haviam sido invadidos. E também de familiares do candidato.

A atuação do PT na internet é ponto forte do partido. Mérito dele. O problema é a atuação criminosa na rede de computadores a serviço de interesses partidários.

A mais recente ação aloprada foi cometida a partir do Palácio do Planalto, de onde acessaram-se os perfis no Wikipedia dos jornalistas Míriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, para difamá-los. Por uma dessas irônicas coincidências, trabalha hoje no Planalto, como ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, presidente do PT em 2006, e acusado por Lula, na época, de ter escolhido aqueles “aloprados” para trabalhar na sua campanha.

A seriedade do fato, agravada pelo local em que ocorreu, exige investigação profunda, séria. O governo, pela secretaria de Comunicações do Planalto, lamentou o uso da rede do Palácio para o ataques aos profissionais, porém alegou ser impossível localizar-se os registros dos acessos, feitos em 2013, para se identificar o(s) culpados(s).

Há controvérsias. Técnicos garantem que as informações podem ser resgatadas dos servidores de Palácio. E, se lá não estiverem, a identidade de quem as retirou terá ficado gravada.

Mais este escândalo reafirma a incapacidade de militantes que chegaram ao poder em 2003 de conviver com a independência e diversidade de pensamento. Portanto, com o jornalismo profissional. Na sua intolerância, agem como fascistas. Por isso, constituem ameaça à democracia.

O fato denuncia, também, o fácil trânsito em palácios desses agentes do autoritarismo. Nada surpreende, nem a constatação de que este é mais um ataque de aloprados mantidos nas cercanias dos poderosos do turno, como ferozes cães de guerra. Tudo faz parte de uma mesma cultura política, partidária e ideológica que não tem pudor de mobilizar todos os meios para se manter nos aparelhos instalados dentro do Estado.

Comentários  
#3 Roberto Albernaz 11-08-2014 05:38
Vale relembrar mais um ditado: Diga-me com quem andas e te direi quem és!Essa cambada petista,não importa os meios para conseguir denegrir as imagens dos semelhantes,bas ta divergir de seus atos para eles começarem....no s tempos dos militares hoje diremos:Éramos felizes e não sabíamos,ou melhor sabíamos!!
#2 Jonas Lisiero 09-08-2014 16:58
Dona Miriam Leitão continua dando espaço aos mentirosos canalhas que atacam diuturnamente os militares, agora está provando do próprio veneno. Ela que foi ligada a subversão no passado e que defende certas figuras proeminentes como o FHC, agora sente na pele o com é lidar com gente desse naipe.Como diz o dito popular: "Araruta também tem o seu dia de mingau".
#1 Francisco Cioffi 09-08-2014 14:39
Lamento pelo Sardenberg, mas, por Dona Mirian, bem ela esta colhendo o que plantou, quem anda e defende esquerdistas como ela o fez no passado colhe os frutos.
Dane-se !
Adicionar comentário