Imprimir
Categoria: Notícias
Acessos: 1833

Carro suspeito de ter sido usado no assassinato de Mariele apreendido em MG
Polícia de Ubá aguarda chegada de equipe da perícia do Rio de Janeiro.
Por Daniela Ayres e Marlan Kling, G1 Zona da Mata e MGTV - 18/03/2018
Carro que pode ter sido usado por suspeitos de envolvimento em morte de Marielle Franco no RJ foi encontrado em Ubá

A Polícia Civil de Ubá apreendeu no final da noite deste sábado (17) um carro suspeito de ter sido usado no assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. A parlamentar foi atingida por quatro disparos na cabeça após sair de um evento no Centro do Rio.

De acordo com o delegado Alexandrino Rosa de Souza, uma denúncia anônima feita à Polícia Civil do Rio de Janeiro indicou a localização do veículo na cidade da Zona da Mata. Uma equipe da polícia do Rio estava a caminho da cidade por volta das 13h30.

Ainda conforme o delegado, o veículo foi encontrado na Rua Rio Grande do Sul que fica no Bairro Distrito Industrial e é sem saída. A via é próxima ao cruzamento com a Rua Nossa Senhora Aparecida.

A suspeita é que o carro, com placas da cidade do Rio de Janeiro, tenha sido abandonado na última quinta-feira (15), mas, como a denúncia só chegou até a polícia no sábado, o veículo foi apreendido por volta das 21h.

Veículos seguiram carro de vereadora
No sábado, novas imagens exclusivas obtidas pela TV Globo mostram parte do trajeto do carro onde estavam a vereadora Marielle o motorista Anderson antes de serem mortos na rua Joaquim Palhares, no Estácio, no Centro do Rio, na quarta-feira (14). Às 21h07, o vídeo de uma câmera na Av. Salvador de Sá mostra o carro branco onde estava Marielle passando e sendo seguido por dois veículos de cor prata.

A Polícia Civil confirmou que a avenida faz parte das vias percorridas por Marielle na noite do crime. A Divisão de Homicídios já tem todo o trajeto registrado por imagens de câmeras de segurança. A polícia investiga também se os assassinos de Marielle começaram a monitorar a vereadora pelas redes sociais, já que ela fez uma convocação na internet um dia antes do evento da Rua dos Inválidos, de onde saiu antes de ser assassinada.