Assim como grande parte de brasileiros, passei a semana  numa  constante  luta interna entre a RAZÃO e o SONHO.  O “sonho” insistia em rigogizar-se com os acontecimentos inesperados e agradavelmente vividos por uma semana, com a Sessão do STJ para apreciar as peraltices das “excelências” do Legislativo.  A figura calma, lúcida e quase “luminosa” do Ministro Joaquim Barbosa,  insistia em permanecer no meu vídeo  inter-cerebral. A razão, por muitas vezes, insistia com o “sonho”  que voltasse à realidade.

Texto completo  

            Mas, como minha “razão” é impiedosa,  tem ainda “bom faro” para a realidade das coisas, não permitia que o “sonho” desse largas à  sua teimosa esperança de estar vivendo um Brasil novo. Seria querer muito? Foi. Pois junto com esse acontecimento, outro  apresentou-se   para provar que  a REALIDADE estava com a “razão”.

            Um acontecimento há muito  prometido, e guardado para aparecer na hora mais conveniente,  veio à luz.  Os brasileiros comprometidos com a ideologia espúria, que lhes garantiu o PODER   e não permitia esquecer a mágoa da derrota sofrida no movimento de 31 de março de 1964, provocaram a ressurreição dos que chamam de HERÓIS  da história política  do país.

            Quando o Coronel Carlos Brilhante Ustra – um exemplo ainda vivo  do que foi  REALMENTE  aquele momento nacional – no lançamento de seu livro  A VERDADE SUFOCADA, quase foi levado às barras do TRIBUNAL DO ÓDIO , não houve UMA voz no Comando das FFAA  que o apoiasse.  Mas, sua força de espírito, a solidariedade  dos companheiros de farda ajudando na divulgação, tornou o livro um sucesso em termos de leitores.   O livro é narrado com a fidelidade e hombridade do SOLDADO, que vive a paz do DEVER cumprido.

            Esta semana, para minimizar o terreno ganho pelo Judiciário junto a população, o Executivo  patrocinou com solenidade no Palácio do Planalto, com convidados escolhidos “a dedo” o lançamento do livro/ relatório “Direito  à  Memória e à Verdade”,  que os derrotados de 64 vêm reclamando há muito tempo.  O livro exalta  as atrocidades e traição  dos traidores da Pátria, que desde aquele tempo querem hastear a bandeira da FOICE  e  MARTELO,  no lugar da  NOSSA  que pede apenas ORDEM E PROGRESSO.

            Os Comandantes das  FFAA foram “acintosamente” convidados  mas, não compareceram.  Diante do não comparecimento  dos Comandantes e  respondendo aos  jornalistas,  o MINISTRO da DEFESA  disse que se houver reação  da parte dos militares,  estes NÃO  FICARÃO SEM RESPOSTA.

            Amigos, o meu “sonho” e o de muita gente viraram pesadelo.  Mas, a “razão” não se rigogiza, porque sábia como sempre, sabe que o adágio popular termina com as palavras: “ NEM MAL QUE NUNCA SE ACABE”.

 

                                               Glacy Cassou Domingues – Grupo Guararapes.

                                               Fort. 30/ 08/ 2007

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar