A fala dos generais 
Por Ruy Fabiano - O Globo
Há muito não se ouvia falar em “efervescência nos quartéis” - há precisamente 32 anos, desde o advento da assim chamada Nova República, em 1985. Mas ei-la que volta.
A fala do general Hamilton Mourão, há uma semana, não deflagrou, apenas expôs uma situação há muito instalada.
Militares da reserva, entre os quais os generais Augusto Heleno e Paulo Chagas, de grande prestígio no Alto Comando – e cujas falas refletem, com clareza, o que lá se passa -, vêm difundindo pelas redes sociais o ambiente de indignação e inconformismo do estamento militar.

CHAMA O EXÉRCITO
Por Alexandre Paz Garcia (Ex-Cadete do Exército Brasileiro, )hoje civil
Sexta-feira, dia em que uma boa parcela do funcionalismo público sequer dá o ar da graça no trabalho, todo mundo planejando o fim de semana, uns comprando carne, outros cerveja, alguns carregando o carro pra uma bela viagem. 
Aí vem uma ordem à lá João Kleber: para, para, para, para! Coloca o equipamento e prepara pra passar um tempo na favela da Rocinha!

Fala do general foi um aviso que mostrou indignação e revolta com a impunidade
Francisco Bendl
A posição de um general de Exército – 4 estrelas – equivale-se a de um integrante do Supremo Tribunal Federal. Se o ministro precisa ter, em tese, notáveis conhecimentos jurídicos, o militar precisa ter om profundos conhecimentos sobre o Exército que comanda: Infantaria, Artilharia, Blindados, Intendência, Engenharia … haja vista a variedade das Armas que um Exército contém e seus milhares de homens que o completam.
Portanto, o general Hamilton Mourão, ao criticar nosso sistema jurídico com respeito à impunidade que gozam os ladrões parlamentares, presidente da República e ministros, todos corruptos, indistintamente, livres, leves e soltos, tomou esta atitude com relação à sua autoridade nacional, que não mais suporta os desmandos e descalabros de que temos sido alvos permanentemente.

O papel das Forças Armadas para solucionar crises, segundo Ives Gandra Martins
Tribuna da Internet- 23/09/2917
Gandra elogia a Constituição de Ulysses e Cabral
Celso Serra
A respeito da polêmica envolvendo a importantíssima palestra do general Hamilton Mourão no Grande Oriente de Brasília, que congrega mais de 2 mil lojas da Maçonaria, é bom recordar um artigo recentemente publicado no Estado de S. Paulo, em 9 de junho deste ano, sobre as disposições constitucionais que regulam a atuação dos militares. No texto, o respeitado constitucionalista Ives Gandra Martins assinala que a mera presença simbólica do Exército serviu para estancar a desordem que vinha se instaurando em Brasília, nos protestos organizados pelo PT e pelas centrais sindicais.