Imprimir
Categoria: Contra Revolução de 1964
Acessos: 1979

 50 ANOS DA CONTRARREVOLUÇÃO DE 31/03/1964
DOCUMENTÁRIO – ARTIGO XI
            É o mínimo que você precisa saber para não estar fazendo papel de idiota, sendo levado de roldão pela política desastrosa do atual Governo Federal.
            Por Aluísio Madruga de Moura e Souza
            Os críticos ao Movimento Cívico-Militar  de 1964  dos quais já falei, certamente estão esquecidos, por conveniência, razão pela qual devemos lembra-los que Luta Armada  é uma das formas de luta de classes, que consiste no emprego de meios violentos para a solução de conflitos sociais. Segundo os marxistas – leninistas, os trotskistas e demais seguimentos de esquerda, nunca é uma iniciativa dos revolucionários, sendo sempre uma resposta do “proletariado” às ações do governo burguês que não quer se deixar depor. Assim, empregando a violência revolucionária a Luta Armada tem como objetivo “derrubar a Burguesia, tomar o Poder e implantar a ditadura do Proletariado”.             Hoje, com muita insistência, a mídia infiltrada anuncia que os atos de terrorismo tiveram início após o AI-5, o que nada mais é do que uma deslavada mentira como já ficou claro e os que assim agem sabem disso. O AI-5 não foi, volto a insistir, causa da Luta Armada empregada pelas organizações radicais e, sim , consequência. Em verdade, ele foi decretado visando impedir que a violência revolucionária continuasse perturbando a ordem pública e fazendo vítimas inocentes. Ele foi sem sombra de dúvida, necessário e importante para a defesa e o prosseguimento da Contrarrevolução, quando muitas ações terroristas tinham sido realizadas e  provocado muitas mortes e ferimentos graves como já citamos.

            Foram fatores preponderantes para a decretação do AI-5.

            - a realização até então  de 84 atos terroristas, vários assaltos como já citado, assassinatos e outros;

            - o elevado índice de violência urbana no mês de setembro de 1968, que fugia ao controle das autoridades como queima de viaturas da Polícia Militar(PM), Policia Civil, ataques a órgãos públicos e muito mais;

            - o discurso do Deputado Federal Márcio Moreira Alves em 02 de setembro de1968, altamente ofensivo às Forças Armadas, não se tratava mais de uma das muitas provocações dos opositores do Regime, aliás como o Governo de PT tem insistentemente feito agora. Era a busca permanente da desmoralização das Forças Armadas e de sua incompatibilização com a opinião pública. E embora existissem dispositivos no Regimento Interno da Câmara para punir tal procedimento, a Câmara não tomou providências. Então as Forças Armadas solicitaram providências ao Presidente da República, que determinou ao seu Ministro da Justiça estudar o caso. E este concluiu por propor ao Governo que este solicitasse ao Supremo Tribunal Federal a abertura de processo contra o Deputado, o que foi feito e, concomitantemente, também solicitou a Câmara autorização para a abertura do referido processo. E, mesmo com o empenho do Presidente da República, que possuía ampla maioria do Governo na Câmara, no dia 12 de dezembro de 1968, ocorreu a votação para obtenção da autorização para abrir processo contra o Deputado e o Governo perdeu por 216 a 136 votos, com a contribuição portanto de 76 parlamentares da ARENA, partido do Governo. Após as comemorações pela vitória no Congresso, essas se estenderam ao Hotel Nacional, em clima triunfal pelas ruas de Brasília. Aos gritos, os manifestantes proclamavam o início da queda do Governo.

O inconformismo das Forças Armadas foi grande e o Presidente Costa e Silva que chegava de viagem, apenas recebeu o seu Ministro da Guerra para dizer-lhe que não decidiria nada antes do dia seguinte. E no dia posterior decidiu-se pela decretação do AI-5, orientado que fora, pela cúpula do Governo. Amanhã dia 12/03/2014 prosseguiremos um pouco mais conversando sobre o muito que se fala sobre “ditadura militar”, “anos de chumbo”, etc. Minha intenção é de que continuemos juntos tratando de assunto para que possam melhor avaliar o que vem ocorrendo em nossa Pátria.