"Esta mensagem, no geral, coincide com o nosso pensamento sobre a "verdade sufocada".
Não deixem de ler. É uma análise contextual, de cunho bastante realista."
Sherman
 
.........................................................................................................................................................................

Em 20 de março de 2014 10:30, Jorge Alberto Forrer Garcia <Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.> escreveu:
 
Prezados companheiros de luta, minhas cordiais saudações.
 
No que se refere ao 31 de Março de 1964 rola sobre nós uma verdadeira avalanche midiática de artigos em jornais e revistas e outra iniciativas comunicacionais que, quando não mentem, deturpam idéias e noticiam meias verdades, levando às pessoas despreparadas o que a intelligentsia nacional quer que essa massa ouça, ou seja, mentiras convenientes.

Seria um bom tema para pesquisas acadêmicas saber de onde vem patrocínio para tanto. Demonizam os militares e negam as obras destes, reconstruindo a memória histórica do povo brasileiro, de modo a já se poder dizer existir – hoje - uma Novistória do Brasil.

Nessa avalanche, agregam-se, calculo, apenas uns 10% (se tanto) de formadores de opinião que, encarando as patrulhas ideológicas, mostram-se simpáticos àquele movimento e seus realizadores. De resto, só açoites. E vamos resistindo, pois enquanto o chicote sobe e desce nós nos refazemos.

Concomitantemente, agora que a Marcha com Deus e pela Família começou a ter visibilidade, destacaram-se outros intelectuais orgânicos para atacar a iniciativa. Com toda a vênia, leiam e formem suas opiniões. Não importam as circunstâncias da marcha programada. Não me pediram apoio nenhum que não fosse a minha presença e estarei lá. Depois, analisarei.

De hoje, estamos a dez dias do 31 de Março de 2014, ano do cinquentenário da Contrarrevolução de 1964. Quero que esse meu texto seja de reconhecimento a todos que, nesses anos que se passaram e nos dias de hoje até o 31 de março próximo continuarão nessa luta difícil porque desigual. E, afinal, não somos uma empresa de eventos. Imagine que para mandar rezar uma missa comemorativa na catedral da minha cidade pediram-me mil reais. Isto sem que eu dissesse o motivo, pois, quando eu o dissesse ela ou não poderia ser realizada ou o preço subiria tanto que tornaria, de todo modo inviável, a realização da missa.

Mas, companheiros que se manifestam, precisaremos de todos os senhores nos anos que estão por vir. Certamente que não veremos o Centenário da Contrarrevolução de 1964, mas importa que esse evento futuro aconteça. Para isso, se faz necessário que sempre haja gente como os senhores, que não se dobram a estes historiadores de meia-pataca cegos por ideologia.

Não esperemos nada da Instituição Exército. Dela não veio e nem virá nada no futuro. A luta é nossa: dos militares inativos, respaldados na lei que permite que tornemos públicas nossas opiniões.

Corajosos, indelicados, impertinentes, “grossos”, intelectuais, instigadores, inquisidores...mas sempre presentes. Nessa luta só não há lugares para os “políticamente corretos”, os muito tolerantes e os que pensam que isto não vai dar em nada.  Nosso lema poderia ser algo como “nunca deixar provocação sem resposta”, ainda que tais provocações sejam tantas que impeçam uma resposta adequada e em tempo. Mas, dentre nós, sempre alguém o fará.
Aos meus superiores, minha admiração por sua perseverança na luta.

Aos meus pares, a disposição de minha ajuda na luta, sempre que precisarem.

Aos que seriam meus subordinados, minha certeza de que sua participação na luta é tão importante quanto a dos demais e seu olhar inquisitivo muito me motivou a lutar ainda mais aguerridamente.

Vamos à marcha e, dia 31, ao foguetório.
Jorge Alberto Forrer Garcia
Curitiba/PR
 
..............................................................................................................................................................................................................................................

 


 

Comments powered by CComment