Reinaldo de Azevedo
Ao justificar a pensão de R$ 4 mil reais e a indenização de mais de R$ 1 milhão que obteve da tal comissão do Ministério da Justiça que distribui essas honras da nobiliarquia de esquerda, Ziraldo mandou ver: “O Brasil me deve isso”. Eu não devo nada a Ziraldo. Nem vocês. Já lhes contei aqui, lembram-se?, que Marx, o Karl, o dos furúnculos, vivia evocando “a humanidade” para justificar o seu trabalho. Vá lá. Ele, ao menos, comia a grana de Engels. O humorista mineiro vai comer a nossa. Parafraseando Millôr, que também foi do Pasquim e decidiu trabalhar para viver, o que faz desde os 13 anos (e ele trabalha há 70!!!), Ziraldo pensava resistir à ditadura, mas estava mesmo fazendo previdência privada — tão privada, que o dinheiro é nosso.

Texto completo  

Alguns reclamaram, indagando se eu não acho que o estado deve reparar este ou aquele... Procurem no arquivo. Já escrevi dezenas de vezes a respeito. Faço-o desde Primeira Leitura. Com muito boa vontade, incluindo os que morreram de arma na mão, tentando matar também, a ditadura militar brasileira fez 424 vítimas fatais. Ora, quem, sob a guarda do estado, morreu ou foi torturado merece, sim, indenização — se morto, a família pode e deve obter o benefício. Mas quantos são estes? Os 13 mil já agraciados? Lula? Ziraldo? Carlos Heitor Cony? Jaguar? Tenham paciência. Acreditem: há mais 30 mil solicitantes na fila. O espeto, que hoje já passa de R$ 3 bilhões — além de mais de R$ 28 milhões mensais — vai crescer. Basta, como sabemos, que o sujeito alegue algum pedigree esquerdista e que tenha sido demitido do emprego, ainda que por incompetência, e lá vai o estado reparar o agravo.


“Ah, não é bem assim”. Claro! É pior. Que prejuízo sofreram os que citei acima? Pegue-se o caso de Carlos Heitor Cony, que deve receber a maior pensão mensal vigente — mais de R$ 20 mil —, além de ter levado uma indenização superior a R$ 1,5 milhão. Teria sido demitido do Correio da Manhã, onde era editorialista, por causa da ditadura. Recebeu uma pensão como quem estivesse destinado a ser diretor de redação. E para quem ele foi trabalhar depois, tornando-se seu ghost writer? Para Adolfo Bloch, dono da Manchete, um entusiasta do regime militar, para o qual Cony ajudava a derramar elogios. Aliás, o Correio, que havia defendido a posse de João Goulart depois da renúncia de Janio Quadros, liderou a pregação em favor do golpe de 1964. Dois editoriais se tornaram célebres: o “Basta!” (31 de março) e o “Fora!” (1º de abril).

Referindo-se ao editorial “Basta!”, escreve Elio Gaspari no livro A Ditadura Envergonhada: “Em julho de 1999, o jornalista Carlos Heitor Cony, contou-me que a base do editorial, na sua primeira versão, foi manuscrita por [Otto Maria] Carpeaux. Submetida a [Edmundo] Moniz, começou um processo de redação conjunta, da qual participaram ele, Cony, Carpeaux e Moniz. Cony informa que o tom do texto pode ser atribuído a ele e a Carpeaux. ‘Na boa técnica da produção dos editoriais, esse foi resultado de um trabalho coletivo. Entraram idéias de diversas pessoas. Um bom editorial, em termos de autoria, é coletivo como uma catedral gótica". O que vai aí é trecho da nota nº 73 do livro, que está na página 65.

Vejam que engraçado. Sabem como o pessoal do Pasquim se referia a Cony? Como “Carlos Heitor Conyvente”. Passados alguns anos, eis que todos são agraciados com o título nobiliárquico de “perseguidos pela ditadura”. Cony só voltou a ser admitido no círculo dos “progressistas” com a derrocada da Manchete, de onde ele foi um dos últimos a sair. Vítima da ditadura? Não mesmo! Tentem achar em algum sebo ou na biblioteca um livrinho interessante chamado Os Idos de Março. Algumas notáveis reputações “progressistas” demonstram inequívoca simpatia pelo golpe. Entre eles, estão Alberto Dines e Antonio Callado, que depois organizaria com Chico Buarque a Caravana a Cuba...

Não! Não estou sendo dedo-duro de ninguém. Estou lembrando a história como ela é. Estou lhes dizendo que aqueles rapazes — Cony, Callado, Dines — faziam bem em desconfiar das intenções de um protoditador como João Goulart. Mas foram certamente ingênuos em achar que golpes de estado restauram a democracia — e, em 1968, o AI-5 deixaria isso claro. A história é um pouco mais nuançada do que essa pantomima de reparações que se tenta viver hoje. Já escrevi aqui e reitero: o livro Os Idos de Março merece reedição. É bom. Jango caiu por excelentes motivos. E uma ditadura foi instalada por péssimos motivos. Política se faz entre homens, não entre santos; existe até entre as putas, mas não entre as imaculadas. Assim, não venham reivindicar pureza pregressa para bater a carteira dos brasileiros.

Ah, sim. Nota na coluna de Elio Gaspari de hoje: “Para o banco de dados do Planalto: em 1952, a Alemanha negociou um acordo com o governo de Israel e se comprometeu a pagar 3 bilhões de marcos (US$ 5,8 bilhões em dinheiro de hoje) como reparação pelo que o nazismo fez aos judeus.O Bolsa Ditadura já custou à Viúva US$ 1,5 bilhão.”

Não existe humor a favor
Volto a Ziraldo. É claro que seu humor entrou em decadência com a abertura política e a redemocratização. E a razão é a mais banal do mundo: não existe humor a favor. Só contra. A comédia tem um lema: “Castigat ridendo mores”: “Rindo, castiga os costumes”. O riso serve à crítica, não os encômios, nem que seja a um partido político de oposição. Ziraldo foi diretor da Funarte no governo Sarney. Não foi além de um nacionalismo bocó. Henfil, já a “nova geração” do Pasquim, era militante do PT e começou a pegar no pé das turmas, então separadas, que faziam O Planeta Diário (alguns saídos do Pasquim) e a Casseta Popular — o Casseta & Planeta de hoje. Segredo da graça desse pessoal: esquerda ou direita, todo mundo apanha.

Inexiste humor que exalte a “moral & os bons costumes” ou a “moral militante”. Henfil, que morreu em 1988, era um dos que acusavam esses então “novos” de fazer um humor preconceituoso: contra mulher, negros, gays, esquerdistas etc. Sem respeitar ninguém. Queria um humor construtivo — contra os de sempre. Em 1989, já unidos, Casseta & Planeta lança um LP (sim, ainda vinil) chamado Preto com Um Buraco no Meio. Foi um Deus nos acuda. Dois anos antes, o Planeta Diário tinha feito coisa considerada pior do que chutar a santa. Naquele ano, havia um musiquinha infame que fazia um sucesso danado. O refrão: “Julieta-ta-ta tá me chamando/ Julieta-ta-ta tá me chamando”. Pois bem. No dia 5 de agosto de 1987, Maria Julieta Drummond de Andrade, filha única de Carlos Drummond, morreu, para grande consternação do poeta. Ele se foi no dia 17, menos de duas semanas depois. O que fez o Planeta? Estampou a foto de Drummond com o refrão: “Julieta-ta-ta tá me chamando”... Os conservadores ficaram furiosos com o vilipêndio ao vulto nacional. Os esquerdistas começaram a dizer o óbvio: “Essa gente não respeita ninguém e precisa ter limites”.

O Brasil saltou de uma certa caipirice aborrecida, um conservadorismo triste, para a estupidez militante, esta que temos aí. Em qualquer dos casos, estamos diante de uma incapacidade, que luta para parecer congênita, de exercer a crítica com vigor. A própria imprensa, acreditem, já foi mais divertida, mais ousada, menos assustada, menos patrulhada pelo bom-mocismo batedor de carteira (e de estatais), menos disposta a provar que, afinal de contas, ela quer colaborar para o bem do Brasil — como se fosse possível supor que alguém admitira como pauta, sei lá, destruir o país.

Aqueles identificados como “direitistas”, vocês sabem, apanham de montão. Mas não se diz um “a” quando os tradicionais “amigos do povo” obtêm um privilégio que afronta qualquer noção comezinha de bom senso. Há uma certa incapacidade de considerar, por exemplo, que lutar ou não lutar — por uma ideologia ou mesmo contra uma ditadura — é, antes de tudo, uma questão de escolha. E temos de arcar com o peso de nossas escolhas.


Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar