Um outro marinheiro Inglês... mesma idade... mesmos sonhos...David A. Cuthberg

05/02/1972

Em 1972, para comemorar os 150 anos da Independência do Brasil, vários eventos foram programados. Um desses era a visita de uma Força Tarefa da Marinha Inglesa, composta por cinco navios, que chegou ao porto do Rio de Janeiro em 5 de fevereiro.

Estavam previstas várias solenidades, entre elas a colocação de uma coroa de flores junto à estátua do Marquês de Tamandaré, em Botafogo. O equipamento dos navios seria apresentado a convidados especiais. Os navios seriam abertos à visitação pública.

Ansiosos para conhecer o Rio de Janeiro, os marinheiros, no mesmo dia, saíram para aproveitar a noite carioca. Não imaginavam que, no País, terroristas estavam agindo, como sempre, traiçoeiramente...

Texto completo


 

HMS Triumph seguindo para o Rio de Janeiro Após o serviço no navio HMS Triumph, um jovem marinheiro, de 19 anos, David Cutthberg, e seu colega Paul Stoud tomaram um táxi e partiram para o que imaginaram ser uma noite de muito samba e alegria.HMS Triumph estacionado no pier da praça Mauá

Nove terroristas, no entanto, estavam em dois carros, à espreita, prontos para novo “justiçamento”. O “Tribunal Revolucionário” escolheu a vítima aleatoriamente. Não interessava a Foto tirada de dentro do HMS Triumph, se despedindo prematuramente da cidade do Rio após a morte do seu marinheiro identidade do morto, apenas o impacto na opinião pública, além do destaque, no exterior, que seria dado às organizações terroristas.

No táxi, conduzido por Antônio Melo, os dois jovens seguiam, ansiando por divertimento. Logo em seguida, na esquina da Avenida Rio Branco, em frente ao Hotel São Francisco, viram um carro emparelhar com o táxi.

Pela janela desse carro uma metralhadora cuspia fogo. Foi a última visão que o marinheiro David Cuthberg teve do Rio de Janeiro. Nem chegou a ver Copacabana, que tanto desejava conhecer. Nem ouviu o som do samba, mas sim o metralhar seco dos tiros. Não teve tempo para perceber o que estava acontecendo. Morreu na hora. Seu colega Paul Stoud e o taxista, atônitos, salvaram-se por milagre.Lígia Maria Salgado da Nóbrega

 Lígia Maria Salgado da Nóbrega jogou, dentro do táxi, sobre o cadáver, os panfletos com o veredicto do famigerado tribunal. David, como sempre, fora condenado, sem direito à defesa, por representar “um país imperialista”.

O “Comando da Frente”, composto pela ALN, VAR-Palmares e PCBR, justificou o ato insano como sendo solidariedade à luta do IRA contra os ingleses.

A programação da Armada Inglesa, no Brasil, foi suspensa.O jornal O Globo, do dia 8 de janeiro de 1972, assim se referiu ao assassinato:

“... Com esse crime repulsivo, o terror quis apenas alcançar repercussão fora de nossas fronteiras para suas atividades, procurando dar-lhe significação de atentado político contra o regime brasileiro. A transação desejada nos oferece a dimensão moral dos terroristas: a morte de um jovem inocente em troca da publicação da notícia num jornal inglês. O terrorismo cumpre, no Brasil, com crimes como esse, o destino inevitável dos movimentos a que faltam motivação real e consentimento de qualquer parcela da opinião pública: o de não ultrapassar os limites do simples banditismo, com que se exprime o alto grau de degeneração dessas reduzidas maltas de assassinos gratuitos.”

“... É um ato de covardia que bem caracteriza a frieza e ausência de sentimentos desses desajustados que os incompatibilizam com a natureza de nosso povo.”

A imprensa, vivendo o clima de violência da época, rotulava os militantes das organizações subversivas de terroristas e maltas de assassinos. Hoje, a mesma imprensa os posiciona como “heróis que lutaram contra a ditadura militar”, e o governo paga indenizações cada vez mais milionárias aos vivos - perseguidos políticos - e às famílias dos mortos. Vejam o exemplo abaixo (todos participantes desse “justiçamento”):

Flávio Augusto Neves Leão Salles (Rogério), da ALN;

Antônio Carlos Nogueira Cabral (Chico), da ALN *;

Aurora Maria do Nascimento Furtado (Márcia), da ALN *;

Adair Gonçalves Reis (Sorriso), da ALN;

Lígia Salgado da Nóbrega (Ceguinha), da VAR-Palmares *;

Hélcio da Silva (Anastácio), da VAR-Palmares;

Carlos Alberto Salles (Soldado), da VAR-Palmares;

James Allen Luz, da VAR-Palmares; e

Getúlio de Oliveira Cabral (Gogó), do PCBR *.

As famílias dos assinalados com asterisco foram contempladas com indenizações, de acordo com a Lei 9.140/95, pagas pelo Estado contra o qual pegaram em armas.

Gostaríamos que o marinheiro inglês David Cutherg não fosse esquecido e que o sacrifício de sua vida não tenha sido em vão. Justiça seria feita se, no mínimo, a família de David recebesse as mesmas indenizações que os defensores dos direitos humanos no Brasil dispensaram aos seus assassinos.

 Leia mais sobre "justiçamentos" no Livro A verdade sufocada - A história que a esquerda não quer que o Brasil conheça - 2ª edição - Revista e Ampliada

Fotos dos navios no Rio: http://www.hmsminerva.info/photos10.htm 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar