Arnaldo Jabor – O Globo - 21/10/14
O duro passado de militância fez os olhos de Dilma fuzilarem certezas sobre como converter a pátria amada
Dilma Rousseff: seu duro passado de militância e luta lhe deixou um viés de rancor e vingança, justificáveis. Ela foi uma típica “tarefeira” da VAR-Palmares e hoje, como tarefeira do PT, ela quer realizar o sonho de sua juventude. Por isso, quer estatizar o que puder na economia, restos de sua formação... (eu ia dizer “leninista”, mas é “brizolista”).
Seus olhos fuzilam certezas sobre como converter (ou subverter) a pátria amada. Petistas e brizolistas acham que democracia é “papo para enrolar as massas”, como já declarou um professor emérito da USP; ela idealiza o antigo “proletariado” e despreza a classe média “fascista”, como acha outra emérita professora.
Ela desconfia dos capitalistas e empresários, ela quer se manter no poder e virar o PT num PRI mexicano; ela finge ignorar a queda do muro de Berlim, o fim da Guerra Fria, ela ama o Lula, seu operário mágico que encarnou o populismo “revolucionário”.
Conheci muitas “Dilmas” na minha juventude. As Dilmas eram voluntariosas, com uma coragem irresponsável diante da muralha da ditadura. Professavam uma liberdade mais grave do que os hippies da época; era uma liberdade dolorosa, perigosa, sacrificial, suicida, sem prazer, liberdade e luta. Até respeitável.
Mas, para as “Dilmas” e os “Dirceus” do passado, a democracia era uma instituição “burguesa”. Ela se considerava e se acha ainda “membro” (ou “membra”?) de uma minoria que está “por dentro” da verdade, da chamada “linha justa” que planejava um outro tipo de “liberdade” (Lênin: “É verdade que a liberdade é preciosa; tão preciosa que precisa ser racionada cuidadosamente” ).
Ela se julgava e se julga superior — como outros e outras que conheci (inclusive eu mesmo — oh, delícia de ser melhor que todos; oh... que dor eu senti ao perder essa certeza...). Nós éramos os fiéis de uma “fé cientifica”, uma espécie de religião da razão que salvaria o mundo pelo puro desejo politico — éramos o “sal da terra”, os “sujeitos da História”. Toda a luta progressista de hoje se trava entre a esquerda que amadureceu e ficou social-democrata e a esquerda que continua na ilusão de 63. A velha esquerda brasileira existe como nostalgia de uma esquerda que desapareceu.
Dilma foi executiva da comissão de frente que organizou a aliança de Lula com a liderança sindicalista-pelega e com a direita mais vergonhosa do país, liderada por Sarney et caterva. Como ela era “trabalhadeira”, Lula se impressionava com ela (ele que odeia o batente) e transformou-a em um “poste” que se revelou persistente no erro, com a típica burrice dos teimosos.
E aí ela começou a governar com um medidas e táticas pretensamente “socialistas” em um país capitalista. Dá em bolivarianismo, esse terror contra o povo da Venezuela.
A “clique” sindicalista que subiu ao poder nunca desistiu de seus planos; suas mentes são programadas para repetir as mesmos táticas. A esquerda velha continua fixada na ideia de “unidade”, de “centro”, de Estado-pai, ignorando a intrincada sociedade com bilhões de desejos e contradições.
Muitos riquinhos e mauricinhos hoje dizem que votam na Dilma porque ela seria “contra a pobreza”. Não sabem de nada, tinham 10 anos quando FHC fez o Plano Real contra a vontade do PT e seus aliados. Hoje, esses mauricinhos se dão ao luxo de se sentirem de “esquerda” antes de irem para a balada.
São absolutamente ignorantes sobre política e acham que o PT é um partido de “esquerda”, quando é claramente de “direita”.
(“É a economia, estúpidos!” — James Carville, assessor do Clinton contra Bush). O povão do Bolsa Família não pode entender isso, mas esses babacas que estudaram deviam ser menos primitivos. Os petistas dão graças a Deus que muitos de seus eleitores não sabem ler. Por exemplo, eles não têm ideia do que seja o escândalo da Petrobras e do aparelhamento do Estado cleptomaníaco que foi montado. Não entenderam nem o mensalão, pois, como disse o Lula, “povo pensa que dossiê é doce de batata”. Votarão no escuro de suas vidas. Como se explica isso?
Resposta: o país tem um movimento “regressista” vocacional. O verdadeiro Brasil é boçal, salvacionista, para gáudio dos seus exploradores. E o PT aproveita.
A crescente complexidade da situação mundial na economia e na política os faz desejar um simplismo voluntarista que rima bem com o fundamentalismo islâmico ou com a boçalidade totalitária dos fascistas: “complexidade é frescura, o negócio é radicalizar e unificar, controlar, furar a barreira do complexo com o milagre simplista” (Lênin: “Qualquer cozinheiro devia ser capaz de governar um país”).
O Plano Real, e uma série de medidas de modernização que abriram caminho para a economia mundial favorecer-nos, é tratado como se fosse uma política do governo atual, que só fez aumentar despesas públicas e inventar delírios desenvolvimentistas virtuais. Não houve um lampejo de reconhecimento pelo país que FHC deixou pronto para decolar e que foi desfeito (Stalin: “A gratidão é um sentimento de cachorros...”).
Nesta eleição, não se trata apenas de substituir um nome por outro. Não. O grave é que tramam uma mudança radical na estrutura do governo, uma mutação dentro do Estado democrático. Querem fazer um capitalismo de Estado, melhor dizendo, um “patrimonialismo de Estado”. Para isso, topam tudo: calúnias, números mentirosos, alianças com a direita mais maléfica.
Não esqueçamos que o PT não assinou a Constituição de 88, combateu a Lei de Responsabilidade Fiscal, foi contra o Plano Real para depois roubá-lo como se fosse obra do Lula. Alardeiam coisas novas que “vão” fazer, se eleitos de novo mas, pergunta-se: por que não fizeram nada durante 12 anos?
É isso aí, bichos... Se Dilma for eleita, teremos o início de um bolivarianismo “cordial”.

 

 

Comentários  

#4 cecilia 23-10-2014 21:32
Barbaro.

Fora Dilma!!! Fora PT. Já chega o que fizeram com o país até agora. Chegaaa!!!! Acorda Brasilllllllll! !!!!!!!!!!!
#3 Luis von 23-10-2014 10:29
Muito bem dito e articulado, mas vc tb ajudou a criar isso tudo que está aí. Como explicar que alguém como vc que nunca foi burro e nem ignorante tenha sido de esquerda? Seu crime não está pescrito e qual é a sua defesa?
#2 Roberto Albernaz 22-10-2014 19:12
Se Dilma for eleita,o Brasil estará afundado na economia,miserá vel na educação e atolado na desgraça social.Tudo o que eles precisam para consolidar seus negócios bolivarianos na américa do sul.Isntituiçõe s ainda sérias neste país,preparem-s e para o pior!!
#1 Carlos de Carvalho 22-10-2014 15:48
Essa mulher é ÓDIO PURO. Odeia os militares que, como subservientes ainda lhe rendem obediência em função do seu cargo. ÓDIO, RANCOR. Suas vistas estão voltadas para o COMUNISMO. O Decreto 8243 está esquecido pelo desfeito Congresso Nacional, dominado. O PETROLÃO salta aos olhos e nada acontece; ela só diz que sabia, num não sabia. Os CORREIOS são utilizados como "garotos propagandas" distribuindo " santinhos " mais para " diabinhos ". Invoca falta d'água em SP mas, não fez o milagre de fazer chover no NORDESTE. Diz que o AÉCIO bate me mulheres, só se foi nos debates em que quase foi, num princípio de enfarte... MENTE, como seu ASPONE. Querem ganhar a qualquer custo. O ASPONE está com medo de ser pego pela POLÍCIA FEDERAL e pela RECEITA FEDERAL a fim de que, junto com o filho, expliquem a FABULOSA FORTUNA acumulada em 08 anos... Enfim, mesmo assim, contou com o apoio de MINAS GERAIS e BAHIA para que continuasse, junto com seus ASPONE, mergulhada na CORRUPÇÃO ...

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar