EDITORIAL
CORREIO BRAZILIENSE - 16/12/2014
Indignadas com a sucessão de escândalos de corrupção na Petrobras, descobertos pela Polícia Federal na Operação Lava-Jato, as pessoas de bem correm o risco de não perceberem a gravidade de uma armação que atenta contra uma das maiores carências do cidadão brasileiro: a segurança pública.
Trata-se de um movimento patrocinado por parlamentares ligados ao atual comando do país e por ativistas de ideologias antidemocráticas que não medem consequências para implantar seus projetos de poder. Querem acabar com as polícias militares.

Especialistas em desconstruir reputações, essas pessoas desenvolveram um discurso sedutor, de aparência politicamente correta, para desmoralizar as PMs, supervalorizando deslizes localizados que, infelizmente, ocorrem em qualquer atividade humana.

E quando não ocorrem, é fácil produzi-los. Basta provocar o confronto, reagindo às ações destinadas a expulsar marginais de áreas habitadas por cidadãos honestos, cumprir decisão judicial de desocupação de propriedades públicas ou privadas e controlar manifestações que se tornam violentas.

A estratégia é passar para a população a ideia de que o policial militar é o bandido - não o traficante, o estuprador, o latrocida ou os políticos curruptos.

Mas ao cidadão atento não escapa a evidência de que se trata de uma tentativa sórdida de remover uma barreira incômoda aos que pretendem aumentar a concentração de poder em Brasília, atropelar as leis, desmoralizar a Justiça e, assim, quebrar a ordem institucional.

Tradição no Brasil desde os tempos coloniais, as forças policiais militares tiveram a sua missão, assim como a das polícias civis, confirmada pela Constituição "Cidadã" de 1988. As PMs são treinadas e armadas para fazer o policiamento ostensivo e executar ações que exigem o braço forte do Estado em defesa do cidadão.

As polícias civis cumprem indispensável papel de investigação e levantamento de provas e evidências que vão fundamentar as denúncias do Ministério Público à Justiça. Devem, portanto, dispor de aparato técnico e científico que aumente a eficiência de suas ações de inteligência.

Essa origem constitucional tem blindado as PMs dos ataques, às vezes sorrateiros, dos interessados em extingui-las, ou desarmá-las (o que daria no mesmo). Mas eles não desistem. Sempre que surge uma oportunidade, retomam o discurso e os projetos no Congresso. As manifestações de rua de 2013, por exemplo, foram amplamente usadas por esse lobby contra as PMs, como se os black blocs fossem os mocinhos e os policiais os bandidos.

Se forem desarmadas, é de se imaginar os militares da Rotam do Distrito Federal, em operações contra o tráfico (que já movimenta anualmente R$ 700 milhões, ou 0,5% do PIB local) nos arredores mais violentos de Brasília, oferecendo rosas em troca de armas e drogas ilegais. Ou o pessoal da PM mineira dialogando com os marginais que infernizam as famílias de quase todos os 853 municípios do estado, para que façam a gentileza de deixar o rendoso negócio do crack.

Com nossas fronteiras abertas ao contrabando de armas sofisticadas, descontinuar ou desarmar as PMs será deixar o cidadão vulnerável aos bandidos e as cidades entregues aos vândalos.

Comentários  

-1 #10 pAULO CEZAR |lACERDA 17-12-2014 19:03
O efetivo das PM em todo o Brasil, representa hoje pelo menos 500.000 homens, o qual, se aliado aos efetivos de outras forças: Aeronáutica, Exército, Marinha, Polícias Civis, Polícia Federal e Polícia Rod. Federal, Guardas civis dos municípios, etc., somam pelo menos 1.500.000 homens acredito até que seja muito mais, pois não tenho esses números. Todo esse contingente armado e treinado, oferecerá resistência a todos os bandidos e comunistas do Brasil.
O medo da esquerda comunista é ter que enfrentar toda essa gente. O povo tem que acreditar na sua defesa regular, ir às ruas e tirar esses bandidos do poder.
-1 #9 Leonardo Neves 17-12-2014 14:03
Senhores e senhoras,
Vejo com preocupação essa medida que a prima face se sustenta em relatórios de ONG's e opiniões de policiólogos que estão a serviço dos comunas bolivarianos. Se nós raciocinarmos bem a desmilitarizaçã o das PM's desvincula definitivamente as instituições estaduais de preservação de ordem pública, das forças armadas, diminuindo consideravelmen te o poder de reação destas últimas em face de grave ameaça a paz social, ao estado democrático de direito e da supremacia da Constituição Federal de 1988. Trata-se de um projeto demoníaco que visa aos poucos desmantelar as forças opositoras do projeto idealizado no foro de São Paulo.
Pátria!
-1 #8 Francisco 17-12-2014 12:39
E as PM´s e as FFAA, vão mesmo permitir esta loucura ideológica? Basta de silêncio e omissão, este país está se tornando inabitável !
-1 #7 Carlos Azambuja 17-12-2014 09:32
Eusou a favor de acabar com os parlamentares que não produzem nada, a não ser fofocas e ontem aumentaram seus próprio salários para mais de 30 mil. Uma vergoha!
-1 #6 BARBARA 17-12-2014 05:09
Hoje no programa do Jô, a "Comissão da Vergonha" foi elogiada pelo apresentador e por três das suas meninas. Além dos elogios, o apresentador falou da culpabilidade dos Presidentes Militares e demais chefes militares. Tudo foi tratado como uma grande mudança no Brasil e comemorado. As lágrimas na entrega do relatório também foram exaltadas e aplaudidas por Jô. Assistam ao vídeo!
Além disso o Bolsonaro foi muito criticado, sendo omitido o fato de ser chamado de estuprador e o caso foi tratado como um fato novo, não como uma citação do passado. Exatamente como OGLOBO também fez.
Seria muito esperar dos ministros militares a DEFESA DAS FFAA? Foi muito triste ver o Jô comemorando e enaltecendo a "COMISSÃO DA VERGONHA".
Assistam ao vídeo!
-1 #5 Cético 16-12-2014 22:51
Num pais que foi "descoberto", o povo é "pacífico" sequer conhece as conquistas do pais, um povo de apátridas rastejantes e uma força militar de funcionários públicos, é bem capaz da polícia militar acabar mesmo. Gostaria de crer que por trás disso há um grande plano dos EUA para comunistizar o continente e depois intervir, seria a melhor coisa, como eles mesmo dizem com toda a razão: acabem com essas nações decadentes, frouxas e inferiores, tragam o patriotismo, a democracia e a seriedade para a pocilga latinocomunista .
-1 #4 OficialrefoSIPbemAN 16-12-2014 19:47
!!!! O luto continua !!! Mataram a Democracia - só falta sepultá-la !!!!!!!!!!!!!
+1 #3 francisco 16-12-2014 17:36
Esse ódio não seria porque a Polícia Militar de Minas combateu a guerrilha do Caparaó, com sucesso? Depois não se pode esquecer que as polícias militares são resrvas das forças armadas...
+2 #2 Roberto Albernaz 16-12-2014 17:31
Acredito que a grande sociedade trabalhadora e honesta saber diferenciar um bandido de um policial.O que não podemos permitir é ter um bandido político.Mas como infelizmente muitos votos foram forjados,somos obrigados a ver tais pronunciamentos desta ordem,acabar com a militarização das polícias por esses políticos marginais.Isso é o que o marginal,delinq uente mais deseja.Já temos vários políticos bandidos,até uma presidenta terrorista,mas acabar com a polícia? JAMAIS. Acorrdaaaaaaaaa aa Brasil.Chega de tanta impunidade.
+1 #1 Carlos de Carvalho 16-12-2014 17:20
Historicamente, tudo começa com o desarmamento das populações, como acontece no BRASIL depois a extinção das PMs estaduais para a criação de uma FORÇA DE SEGURNÇA, dita NACIONAL, pelos COMUNISTAS que, enfraquecendo os estados, dominarão a população com seus "BOINAS VERMELHAS", tão ao sabor do lulladrão, dilma, comunistas ! Já que NÃO CONTARÃO COM AS FORÇAS ARMADAS. Agora, referendado, de forma infeliz, pelo encarregado da COMISSÃO NACIONAL DA VERGONHA - PEDRO BOHOMELETZ DE ABREU DALLARI... que destilou todo seu ódio e vingança contra os militares.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar