Obstáculos criados pelo governo de Nicolás Maduro para a aquisição de papel ameaçam várias publicações independentes. SIP cobra ação de países e instituições
EDITORIAL
O Globo - 19/04/2015
A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, na sigla em espanhol) voltou a soar o alarme esta semana: vários jornais tradicionais da Venezuela correm o risco de fechar, devido aos obstáculos que o governo de Nicolás Maduro cria para a aquisição de papel, matéria-prima desses veículos. A entidade, que reúne empresas de comunicação e monitora as violações de liberdade de imprensa no continente, já havia aproveitado a VII Cúpula das Américas, realizada no Panamá, para cobrar uma posição de organismos multilaterais, como Unasul, OEA e Mercosul, e nações da região, acusados de um constrangedor “silêncio cúmplice” ante o cerco à imprensa independente no país bolivariano.

Líder regional, o Brasil se apequena na defesa das liberdades, mantendo-se em silêncio, como um sócio fiel ao regime inaugurado por Hugo Chávez, enquanto a Venezuela, em grave crise, formata uma ditadura cruel. A omissão brasileira se estende às ações truculentas do Palácio de Miraflores, como a violenta repressão nos protestos do ano passado, que resultou em dezenas de mortes, e a prisão de líderes da oposição legitimamente eleitos. Observando-se o papel ativo do Itamaraty no episódio de suspensão do Paraguai do Mercosul, devido ao impeachment de Fernando Lugo em 2012, não é exagero aplicar à política externa brasileira o adágio: “um peso, duas medidas”.

No alerta, divulgado na última quinta-feira, a SIP menciona “El Correo del Caroní”, “El Impulso”, “El Carabobeño”, “El Regional de Zulia” e “El Nacional” — este último associado ao Grupo de Diários América (GDA) —, entre os jornais ameaçados. De acordo com a entidade, representantes desses títulos informaram que, sem acesso a papel, terão que encerrar a circulação de suas publicações já nas próximas semanas

O presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da SIP, o uruguaio Claudio Paolillo, foi preciso ao afirmar que, com o fechamento dos veículos, “se esvaem as poucas esperanças de que os jornais permanecem como bastiões da democracia” no país. Já a Mesa da Unidade Democrática (MUD, uma coalização de partidos sociais-democratas e marxistas que fazem oposição ao regime bolivariano) reforçou o alerta da SIP, ao entregar na sexta-feira à OEA um documento denunciando a deterioração da liberdade de imprensa, decorrente de “uma política de Estado de perseguição à dissidência”.

O cerco à imprensa independente venezuelana remonta ao governo de Chávez, que acusava os jornais críticos de seu regime de traidores e golpistas — ecoando a desgastada retórica anti-imperialista tão conspícua na fala de alguns líderes da região, como Rafael Correa, do Equador; o nicaraguense Daniel Ortega; além do próprio Maduro. Não é à toa, que, no ano passado, Pablo López Hurtado, diretor do semanário “La Razón”, afirmou ao GLOBO que “fazer jornalismo independente na Venezuela é um milagre”

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/opiniao/brasil-silencia-diante-da-repressao-na-venezuela-15912501#ixzz3XlP3jHfa

ão.

Comentários  

0 #3 Valdeke Silva 07-06-2015 12:30
Como o Brasil iria se manifestar contra as arbitrariedades cometidas na Venezuela, se é exatamente isto que o PT e parte da sociedade quer que aconteça por aqui? Façam uma pesquisa sobre liberdade de expressão e democracia no Brasil. O resultado seria surpreendente.
0 #2 Jorge A. Escosteguy 19-04-2015 22:51
Prezados Editores:
25 anos de Foro se São Paulo e nem um pio da imprensa sul-americana.
Muito pelo contrário: ganharam muito $ com o silêncio.
Agora, que a conta está sendo apresentada, começa a choradeira,o ranger de dentes e a conversa fiada da liberdade de imprensa e defesa da democracia.
E este tempo todo, estava tudo bem?
Para o O Globo sempre esteve.
E parece que continua.
Um abraço.
0 #1 Dalton C. Rocha 19-04-2015 15:56
Cuba é o futuro da Venezuela.
A Venezuela é o futuro da Argentina.
E a Argentina é o futuro do Brasil.
Dilma é Lula. E Lula é Sarney.
Dei-me um país que tenha monopólio estatal do petróleo e, eu lhe darei um país pobre. O petróleo é dos árabes. E a Petrobrás é dos políticos e de seus funcionários.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar



Anti-spam: complete the taskJoomla CAPTCHA
You didn't specify KeyCAPTCHA plugin settings in your Joomla backend.