Por RAPHAEL GOMIDE DA SUCURSAL DO RIO
Em meio à polêmica de rediscussão da Lei da Anistia para permitir punição a acusados de tortura, o Comando Militar do Leste -cujas tropas abrangem os Estados do Rio, Minas Gerais e Espírito Santo- divulgou mensagem de solidariedade aos militares que se opuseram a "agitadores e terroristas de armas na mão".

 

Texto completo

O CML colocou em destaque na sua página oficial na internet -sob o brasão do Exército Brasileiro- texto datado de 1983 e atribuído ao general-de-Exército Walter Pires de Carvalho e Albuquerque, ministro do Exército no governo João Figueiredo (1979-1985, período em que foi feita a Lei da Anistia). "Estaremos sempre solidários com aqueles que, na hora da agressão e da adversidade, cumpriram o duro dever de se oporem a agitadores e terroristas de armas na mão, para que a nação não fosse levada à anarquia", diz a frase destacada.

O CML é comandado pelo general-de-Exército Luiz Cesário Silveira Filho, integrante do Alto Comando da Força.

Trata-se da primeira resposta do oficialato da ativa à proposta do ministro da Justiça, Tarso Genro, que defende a revisão da Lei de Anistia (1979) para quem praticou tortura no Regime Militar (1964-1985).

Ontem, Cesário e o diretor de Ensino do Exército, Paulo César de Castro (também do Alto Comando), foram à sessão de palestras no Clube Militar, em que militares da reserva atacaram a revisão da Lei da Anistia e o governo federal.

O evento ocorreu sob protesto de representantes do Grupo Tortura Nunca Mais de Goiás e da União Nacional dos Estudantes (UNE), em frente ao Clube Militar. Houve bate-boca entre manifestantes, militares, simpatizantes e até o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ). "O grande erro foi ter torturado e não matado", disse. Sob os gritos de "assassino" e "torturador", Bolsonaro dizia: "Fodam-se!"

Filho de coronel e aspirante de Cavalaria da turma de 1964, o comandante do CML já tinha sido porta-voz informal do Alto Comando em outra reunião no Clube Militar, após a concessão da patente de coronel ao guerrilheiro da Vanguarda Popular Revolucionária Carlos Lamarca, que desertou em 1969.

Estava presente o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, alvo de ação civil pública do Ministério Público Federal, sob a acusação de tortura, assassinatos e desaparecimentos.

Em palestra, o general da reserva Sérgio Coutinho primeiro afirmou que não citaria, "por fidelidade à Lei de Anistia", nomes dos "terroristas que ensangüentaram nosso país", mas acabou, ao fim, lendo as fichas dos arquivos do Exército atribuindo crimes aos ministros Tarso Genro e Paulo Vanucchi (Direitos Humanos).

Comentários   
#2 ALUIZIO BEZERRA 17-06-2013 10:28
:zzz O POVO DORMEAS, AS BATALHAS SÃO DIARIAMENTE TRAVADAS CONTRA OS DESTINOS
DO POVO BRASILEIRO. MELHOR SERIA ORGANI-
ZÁ-LOS E PREPARÁ-LOS PARA A LUTA.
G.AZUL
#1 ALUIZIO BEZERRA 17-06-2013 10:24
:zzz
A NAÇÃO DORME EM BERÇO EXPLENDIDO, ENQUAN
TO NOS BASTIDORES TRAVAM-SE BATALHAS QUE TRARÃO RESULTADOS DESCONHECIDOS. CONVEM QUE TODOS OS ÓRGÃOS DE DEFEZA DA POPULA-
ÇÃO CARENTE E DESASSISTIDA NO BRASIL.
Adicionar comentário