Da Redação do Correio Braziliense
Alunos de quatro escolas públicas do Varjão vão participar, pela primeira vez, do desfile de 7 de Setembro
Para os alunos de quatro escolas públicas do Varjão, perto do Lago Norte, a comemoração da independência do Brasil, em 7 de setembro, será especial neste ano. A maioria dos 200 estudantes das escolas escolhidas para participar do tradicional desfile na Esplanada dos Ministérios não sabia o que representa a data para o povo brasileiro, antes das aulas de civilidade e patriotismo aplicadas durante este mês. Às terças e quintas-feiras de agosto, eles se encontram das 7h às 10h, no centro da cidade, para aprender a marchar no ritmo certo, saber o significado de símbolos como as estrelas da bandeira brasileira e as insígnias do Exército.

Texto completo

Sentados em um semicírculo, na avenida principal, eles conheceram a Banda Marcial dos Fuzileiros Navais, na manhã de ontem. O maestro, o suboficial Cirino, bastante receptivo, apresentou os instrumentos e deixou uma fila de meninos e meninas reger os soldados durante alguns minutos. A atividade é um complemento das lições aprendidas no colégio. “O desfile é o primeiro passo para transformá-los em cidadãos. Falamos também sobre a importância do voto e da disciplina. Eles devem desenvolver amor pelo país onde vivem, para poder cuidar dele, no futuro”, explica a diretora da Escola Classe do Varjão, Cláudia Maria Inácio.

Desde que os ensaios começaram, os irmãos Crislane Silva de Jesus Ribeiro, 10 anos, e Cristiano, 12 anos, acordam às 4h30 e saem do barraco de madeira onde moram, na área rural do Varjão, às 5h, para chegar a tempo no centro da cidade. A motivação para vencer o cansaço das duas horas de viagem em um ônibus “velho e lotado” é o aprendizado.

“A gente não se diverte muito aqui. Essa é uma chance de ouvir música e conhecer melhor o país. O mais interessante são as canções. Não dá para explicar com palavras o que a música me faz sentir de bom”, conta Crislane. Depois disso, eles ainda vão para a aula convencional, na Escola Classe do Varjão, e chegam em casa por volta das 20h. “Mas vale a pena”, emenda Cristiano, um dos mais entusiasmados e que ficou fascinado com os hinos e instrumentos musicais.

 

Adicionar comentário