Por Plácido Fernandes Vieira
Correio Braziliense - 21/11/205
É assustador ler pseudoesquerdistas defendendo o Estado Islâmico depois de, com lágrimas de crocodilo, chorarem a morte de cada um dos inocentes covardemente assassinados por terroristas na França. Sinto náuseas diante dos argumentos tortuosos para justificar o injustificável. Como defender fanáticos que pregam o extermínio do outro apenas porque o outro é homossexual, católico ou, simplesmente, não aceita ser subjugado?
Por trás da lógica insana desses intelectuais de butique está o suposto ódio ao capitalismo. Digo suposto e de butique porque a maior parte dos que conheço adora consumir o suprassumo de tudo o que condena: as megaproduções de Hollywood, seriados americanos, tecnologia de ponta, roupas de grife, carrões, bons vinhos, queijos... Mas, da boca pra fora, essa gente TORTURA o bom senso, a lógica e, sem querer querendo, sempre dá um jeito de insinuar que as vítimas da barbárie jihadista são as verdadeiras culpadas de terem sido mortas.

Sim, é verdade: a história mostra que o Ocidente perpetrou atrocidades contra os colonizados. A Igreja Católica, idem. Vejam o que fizemos contra os negros. Devemos reparações históricas muito além das cotas que facilitam o ingresso em universidades e no serviço público. Cadê o ensino oficial de qualidade capaz de colocá-los em pé de igualdade com a elite endinheirada? Os donos do poder no Brasil de hoje não querem saber de educação decente. Nem para negros nem para ninguém. Afinal, o conhecimento emancipa, liberta, faz pensar. A ignorância, não. E eles preferem manter o país no atraso. Na política do vote em mim que eu te dou isso e aquilo. O populismo mais rastaquera.

Apesar de tudo, a Europa evoluiu. O Brasil evoluiu. Todos, eu acreditava até havia pouco, evoluímos. Afinal, até a China, com seu socialismo de mercado, deu passos adiante. Mas o Estado Islâmico nos joga de volta às trevas medievais. Daqui a pouco, haverá cretinos defendendo o direito de mulheres queimarem padres em fogueiras, negros escravizarem e chicotearem brancos, índios expulsarem os caras-pálidas do Brasil...

Afinal, se não foi você que sujou a água dos fanáticos do EI, deve ter sido seu pai, seu avô, seu tataravô e ponto. Bum! É o raciocínio tosco de quem não leu ou leu e não entendeu a fábula "O lobo e o cordeiro", de Esopo. É isso. Fico estupefato quando vejo na internet mulheres e até amigos curtindo o que esses cretinos postam em defesa dos terroristas. Em defesa dos terroristas, diga-se, e contra a humanidade. Como diria Nelson Rodrigues, o mundo anda para trás nesses dias tenebrosos. Os cretinos fundamentais, pelo menos por enquanto, venceram.

Comentários  

0 #1 Alexandre SC Almeida 23-11-2015 16:49
São Paulo, 23 de novembro de 2.015

O autor fala em reparação histórica devido a escravidão. Esquece que quem negociava com os "brancos malvados" eram negros que massacravam outros negros na África! Eu não devo nada a ninguém! Que tal as pessoas começarem a pensar seriamente sobre isso? Outra coisa, o autor culpa a Igreja Católica de atrocidades. Ora vejam só! De fato, reprimir esses bárbaros islâmicos, catequizar índios, criar a Universidade e espalhar o conhecimento durante a Idade Média foi uma coisa terrível, deplorável! A "maldita" moral Judaico-Cristã, alicerce da sociedade ocidental é responsável por tudo! Esquerdopatia é uma doença mental incurável!

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar