CORREIO BRAZILIENSE
Lugo apóia equatorianos

Depois de dar um calote de US$ 61 milhões na dívida externa de seu país e questionar um passivo de US$ 243 milhões com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o presidente do Equador, Rafael Correa, recebeu a solidariedade do colega paraguaio, Fernando Lugo. “Todos os países têm direito de investigar a legitimidade da dívida”, disse Lugo, após desembarcar na Costa do Sauípe (BA).

Texto completo

Por sua vez, Correa propôs a criação de um fundo da América do Sul, composto pelas reservas internacionais das nações da região — no caso do Brasil, uma parcela ou os US$ 207 bilhões acumulados pelo país. O chefe de Estado equatoriano falou abertamente na reunião do Mercosul, mas não suavizou o clima pesado entre Brasília e Quito, provocado pela expulsão da Odebrecht e de Furnas.


Pouco antes do início da reunião, na manhã de ontem, um assessor de Correa aproximou-se de Lula e disparou: “Presidente, devolva-nos nosso embaixador”. O equatoriano referia-se à atitude do governo Lula de chamar o embaixador do Brasil em Quito, Antonino Porto e Santos, de volta a Brasília. Lula fechou a cara e não respondeu. Os dois líderes devem se reunir em caráter reservado ainda hoje.


Lugo teve ontem um encontro privado com as presidentas argentina, Cristina Fernández, e chilena, Michelle Bachelet. Durante a reunião, Buenos Aires fez uma proposta de venda de energia ao Chile. Questionado por uma jornalista do Clarin de onde viria essa energia, o líder paraguaio respondeu: “Do Paraguai”. Ele não deixou claro se viria de Itaipu, cujo tratado só permite a venda de excedentes ao Brasil, ou se viria da binacional que possui com a Argentina, Yaciretá. O Acordo de Yaciretá também não permite venda de energia a terceiros países.

Adicionar comentário