Boulos é o verdadeiro culpado pela tragédia do prédio em São Paulo
 Tribuna da Internet - Carlos Newton
Boulos é a prova da podridão dos movimentos sociais
Uma das circunstâncias que mais causaram revolta, no caso do prédio público que pegou fogo e desabou no Centro de São Paulo, foi o fato de os pobres moradores serem obrigados a pagar aluguel de até R$ 400 aos implacáveis coordenadores do Movimento de Luta Social por Moradia (MLSM). Foi a ponta do iceberg de um escândalo muito maior, que é a existência deste tipo de máfia social, encoberto sob o manto de um movimento supostamente político. E não é um fenômeno apenas de São Paulo, porque a manipulação dos sem teto ocorre em âmbito nacional.

De acordo com os moradores, as regras no local eram bastante rígidas. Ele relembram que o fornecimento de água só ficava liberado de madrugada e que a maioria dos portões recebida cadeados à noite, após as 19 horas.

NÃO HÁ GOVERNO – É claro que estas distorções só ocorrem porque não há governo nem existe proteção ao patrimônio público. Reportagem recente da revista IstoÉ mostra que somente o INSS possui mais de 3,5 mil imóveis, e grande número deles já está sob invasão.

Em 1995, aqui no Rio de Janeiro, eu trabalhava no Sindicato dos Músicos e fui incumbido de procurar um imóvel público desocupado que pudesse servir de sede para um abrigo destinado a acolher músicos idosos, nos moldes do famoso Retiro dos Artistas.

Consegui a listagem dos imóveis do governo estadual, eram milhares, e passei a procurar um prédio que se adaptasse à “Casa do Músico”, com que sonhavam Léo Ortiz e Helio Sena, dirigentes do Sindicato e meus amigos queridos.

USO POLÍTICO – Helio Sena, que era professor universitário, costumava ir comigo. Logo de cara, no Centro do Rio, encontramos prédios inteiros ocupados por invasores. Sem querer, eu estava fazendo uma reportagem investigativa que deveria ter publicado, mas acabei desistindo.

O mais impressionante era o uso político. À época, a organização dos sem teto estava sendo feita pelo PCdoB, que comandava invasões e ocupações. A diferença é que não havia cobrança de aluguel aos ocupantes, como ocorria agora no prédio que desabou em São Paulo.

Anos depois surgiria o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que rivalizou com o PCdoB e foi implantado em âmbito nacional por Guilherme Boulos, um jovem paulista da classe média alta, formado em Filosofia, com especialização em Psicanálise. Boulos é uma versão urbana de João Pedro Stédile, o economista que há décadas lidera os camponeses brasileiros.

STÉDILE E BOULOS – Trata-se de dois líderes altamente suspeitos. Stédile jamais empunhou uma enxada, instrumento que ele deve até confundir com a picareta, e Boulos nunca dormiu ao relento. Por isso, a existência do suposto Movimento de Luta Social por Moradia (MLSM), que seria um braço do MTST e cobra “aluguel” dos sem teto, é algo insuportável, intolerável e inaceitável.

O fato demonstra que, neste país, não somente os três Poderes da República apodreceram, mas até mesmo os movimentos sociais de base estão putrefatos, pestilentos e nauseabundos.

###
P. S. 1 – Boulos é o grande líder dos 150 movimentos de sem teto em São Paulo. Se existe cobrança de aluguéis é porque ele permite e não adianta alegar o MTST não incentiva a repugnante prática.

P.S. 2 – E o PSOL, que se diz de esquerda, não tem vergonha de lançar para a Presidência da República um candidato como Boulos, que em última análise é o principal responsável pela tragédia do Edifício Wilton Paes de Almeida? Como dizia Tom Jobim, é a lama, é a lama. (C.N.)

Comentários  

+1 #1 Dalton Catunda Rocha 07-05-2018 11:34
Como engenheiro agrônomo (desempregado) que sou, eu devo dizer, que desde 1985, quando o lulista José Sarney tomou posse, o país que gastou mais no mundo, com reforma agrária, foi o Brasil. De 1985 até hoje Sarney, FHCannabis, Lula e Dilma deram, muitas centenas de bilhões de reais ao MST. O combate ao MST deve começar por combater Sarney, FHCannabis, Lula e Dilma, não pelo MST ou líderes daquela organização marxista tais como: Guilherme Boulos, José Rainha e João Pedro Stédile, que são meros atores secundários. Paus mandados, que cumprem ordens de Lula e de Dilma.
Em resumo. Antes de apenas criticar o MST, combata os políticos que deram centenas de bilhões de reais a ele.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar