Brilhante Ustra, Herói ou Vilão?

28/05/2018 - revista Veja
Eduardo bolsonaro / Ustra

Basta uma pequena menção a qualquer militar que tenha participado do governo no período de 64 a 85 que a mídia cai de pau em cima.

Na última semana o deputado federal Eduardo Bolsonaro postou em sua rede social uma foto vestido com uma camiseta com a frase: "Ustra vive".
Rapidamente os seus opositores caíram em cima do deputado afirmando que seria uma "homenagem a tortura".

Revista Veja chega a chamá-lo de "notório criminoso da ditadura"

MAS VOCÊ SABE QUEM FOI Carlos Alberto Brilhante Ustra?

Um Coronel Premiado com a Mais Alta Honraria Militar de PACIFICADOR PELA PALMA

A Medalha do Pacificador com Palma é concedida aos militares e aos civis brasileiros que, em tempo de paz, no exercício de sua função ou no cumprimento de missões de caráter militar, tenham se distinguido por atos pessoais de abnegação, coragem e bravura, com risco de vida.

Lider e Comandante do o DOI-CODI 
Morreu aos 83 anos, em 15 outubro de 2015, em razão de uma pneumonia, vítima de falência múltipla de órgãos após algumas semanas de internação hospitalar.

Para começarmos, Analisaremos o Que o Coronel Ustra disse no pronunciamento de sua defesa na "Comissão da Verdade":
 
— Lutamos contra o terrorismo. Eles atacavam quartéis, roubavam armas, incendiavam rádio patrulhas e explodiram dezenas de bombas — disse Ustra. — Enfrentei várias organizações de esquerda, entre elas quatro nas quais a atual presidente da República atuou — disse.

Ustra disse também que foi um militar exemplar, que nunca assassinou ninguém ou torturou e que cumpriu ordens.

— Estávamos cientes que lutávamos para preservar a democracia e lutando contra o comunismo. Do contrário, Íamos virar um Cubão. Se não fosse nossa luta não estaria aqui hoje. Teria ido para o paredón. Não existiria democracia hoje em nosso país. Estaríamos num regime de Fidel Castro. Mas estou aqui porque nós vencemos. E nossos inimigos terroristas foram eleitos pelo voto e pela democracia que nós preservamos.

O militar lembrou que recebeu a mais alta condecoração do Exército, a Medalha do Pacificador.

— Nunca fui punido, repreendido. Recebi os melhores elogios na minha vida militar e a mais alta condecoração do Exército, a Medalha do Pacificador. Com muito orgulho digo que cumpri a minha missão. Quem deve estar aqui não é o Ustra, mas o Exército brasileiro. Não sou eu não senhor. O Exército assumiu por ordem do presidente da República o combate ao terrorismo. E cumpri todas as ordens. Ordens legais— disse. — Nunca, como se diz, ocultei cadáver, cometi assassinato. Vou em frente nem que morra assim. Lutei, lutei e lutei. E tenho dito.

Brilhante Ustra

 

USTRA E A CALÚNIA


Em 2008, Ustra tornou-se o primeiro militar a ser acusado, pela Justiça, como torturador durante o período militar. Embora reformado, continuou politicamente ativo nos clubes militares, na defesa do regime militar e nas críticas anticomunistas.
Nos pilares da acusação estava Elizabeth Mendes, que também era atriz.
Ustra foi acusado, mas NUNCA CONDENADO

A esquerda derrotada em 1964 precisava de uma nova estratégia para enfraquecer as FORÇAS ARMADAS do BRASIL , então Usaram a Tática da Calúnia, aliás, que usam até hoje.
Durante o depoimento de Bete Mendes ela até mesmo chorou.
Os crimes da esquerda comunista cometidos por Luis Prestes, Lamarca, Marighella e outros passaram então a ser ensinados como ATOS DE BRAVURA, enquanto os verdadeiros heróis são hoje encarados como Torturadores, Assassinos e não praticantes da Democracia.
Porém a VERDADE AINDA VIVE na história e, vem cada vez mais ficando evidente os verdadeiros acontecimentos desde de 1964

Em seu Livro, Ustra descreve detalhadamente aquele período.

Em um trecho ele explica como Bete Mendes e Dilma Roussef que já atuavam na Política, planejaram usar a Comissão da Verdade para acusar Ustra de tortura.

"É notório o aumento do número de “torturados”, de perseguidos políticos e de vítimas dos chamados ”anos de chumbo” após o ano de 2002, quando foi promulgada a Lei das Indenizações.

Além da indenização para seus filhos, já que os pais e a tia foram indenizados, os autores desse processo buscam um motivo para colocar aqueles que os combateram no banco dos réus.

Assim aconteceu na Argentina, no Chile, no Uruguai.

Enquanto assaltantes, seqüestradores, terroristas e assassinos permanecem livres, indenizados, glorificados como heróis, sob a justificativa de que “lutavam pela causa”, a implantação de um regime comunista, nós que cumprindo ordens de nossos superiores hierárquicos, lutamos e preservamos a democracia, agora estamos ameaçados de ir para a prisão por aqueles que combatemos e vencemos." -Trecho do Livro "A verdade Sufocada"

"A História Sempre foi contada do lado esquerdo do Brasil.

Chegou a Nossa Vez de Contar a verdade.

Não apoiamos a Tortura, porém não há provas de que elas foram executadas por Ustra ou com Ordens dele. A tortura era prática da esquerda, normalmente terminando em justiçamento, pincipalmente de ex-membros dos grupos.

O Coronel Brilhante Ustra merece todo o nosso respeito por seu corajoso ato de enfrentar o comunismo e defender o Brasil dos atentados que ocorriam arriscando a sua própria vida.

Por sua Coragem de enfrentar o comunismo em 64 e em 2008 na tal "comissão da verdade" ele pode Ser Classificado como mais um Herói de Direita."


Fontes:
A verdade Sufocada
Heróis de Direita

Comentários  

0 #1 Athis Julião 07-06-2018 23:44
Só poderia ser a Veja para fazer essa pergunta. Eu não tenho dúvidas em responder. O Coronel Ustra foi um "HERÓI", dedicou sua vida a defesa de nossa Pátria Querida, para que ela não caísse nas garras do comunismo. Nunca houve Ditadura no Brasil. Isso é mentira. Vivi minha infância e adolescência naquela época(sou de 1964) e foram os melhores anos de minha vida, graças as nossas FFAA. Em 1985 começou o pesadelo que vivemos.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar