MENSAGEM
Brasília, DF, 6 de julho de 2018.
Integrantes da Reserva pró-Ativa!
No dia 5 de julho, participei da cerimônia em homenagem ao Soldado Mário Kozel Filho no Comando Militar do Sudeste. Foi um momento de grande emoção para mim e para todos os convidados presentes ao evento. O Exército Brasileiro prestou sua mais garbosa continência a esse militar que faleceu, aos 18 anos, em um ato terrorista contra o Quartel-General do então II Exército. Nesta semana, gostaria de registrar, para os integrantes da nossa Reserva pró-Ativa, a mensagem dedicada ao nosso herói:“Este é um encontro de soldados. Um encontro para reverenciar uma vida interrompida, em circunstância brutal, na fase mais rica da sua juventude.

A morte do Soldado Mário Kozel Filho, em 1968, foi consequência do ambiente da guerra fria que se refletia no mundo e penetrava no Brasil. Um período de entusiasmos artificializados, de intolerâncias incitadas e de paixões extremadas que faziam os brasileiros míopes para a realidade civilizada. Foi um tempo que nos dividiu, que fragmentou a sociedade e nos tornou conflitivos.

A fratura da sociedade é uma experiência para ser lembrada. Nos deixou ensinamentos que não podem ser esquecidos ou negligenciados.

Aquele incidente com o Soldado Kozel, vítima inocente do terrorismo, nos obriga a exercitar o maior ativo humano - a capacidade de aprender.

Agora é um momento que nos aconselha, aos brasileiros e às instituições, a prudência nos ânimos, que pede sabedoria para iluminar o futuro e, principalmente, exige a união dos esforços para construí-lo.

O período que atravessamos clama pela interrupção dos fracionamentos induzidos pelas políticas identitárias trazidas no bojo das ideologias contemporâneas, faz necessário que as instituições cumpram os papéis que lhes são destinados e impõe a submissão das querelas pessoais e institucionais aos interesses da nação, de forma a colocar o Brasil acima de tudo.

Este é o legado do soldado Kozel.”

Nossa obrigação, como Instituição permanente, é cultuar os heróis e os fatos que marcam nossa história. São valores e tradições que devem ser repassados e lembrados por todas as gerações de militares.

Obrigado, Soldado!!! Orgulhemo-nos de pertencer a um Exército que nunca para!!!

Gen Ex Villas Bôas
Comandante do Exército

observação: da Reserva Ativa

Os terroristas autores estão livres e atuantes na política. Para eles e elas, matar covardemente um ou mais não faz diferença. Por que a badalada cOmissão da Verdade não registrou essa verdade histórica? Porque o verdadeiro objetivo era reeditar a história.
 Porque o verdadeiro objetivo era reeditar a história a maneira deles.

Comentários  

0 #2 Ricardo Pereira de M 22-07-2018 17:39
Deveriam ser realizadas solenidades idênticas
nos demais estados homenagiando as vítimas
de atos terroristas ocorridos nos seus estados

Ricardo Pereira de Miranda
+1 #1 Donizetti 12-07-2018 11:58
Guerra fria? Que guerra fria General? Os terroristas, todos comunistas, queriam era implantar uma ditadura comunista, do proletariado. E, com pesar digo isso, os militares não fizeram o serviço corretamente, permitindo que os terroristas, assassinos e criminosos ficassem vivos, possibilitando nova tentativa de implantação do comunismo, e estão quase conseguindo o seu nefasto intento. Ação caro General é o que a sociedade de bem solicita angustiadamente .

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar