Quem parte deixa a saudade de alguém que fica chorando de dor.... lá lá lá

Declaração de Chávez sobre líder cubano aumenta rumores de sua morte - O Globo
MIAMI.
A declaração do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, no domingo fez a comunidade cubana de Miami disparar o alerta para uma possível piora ou até mesmo a morte do ex-líder cubano Fidel Castro. A desconfiança também aumentou por conta do sumiço do ex-presidente, que não publica mais artigos desde dezembro e nem recebeu, na semana passada, o presidente do Equador, Rafael Correa.
- Já sabemos que aquele Fidel que percorria as ruas e povoados com sua imagem de guerreiro, com seu uniforme, e abraçando o povo não voltará mais. Ficará na lembrança. Porque Fidel vai viver, como está vivo, e viverá sempre, muito além da vida física. E deve viver, ele sabe, por anos. Ainda precisamos dele - disse Chávez durante um encontro com empresários argentinos na Venezuela.

Texto completo

Comandante não estaria reconhecendo os amigos

A declaração de Chávez gerou indagações imediatas, especialmente entre os opositores em Miami.

- Se seu porta-voz oficial (Hugo Chávez) deu essas declarações, é porque ele deve estar muito mal. Ou não está mais vivo, como pensam muitos por aqui. Muitos acreditam que a morte seja mantida em sigilo. Mas os 50 anos da revolução já foram comemorados, não há mais motivos para guardar segredo - especulou o opositor Juan Vicente.

Miami, o grande centro da diáspora cubana, caminha a duras penas entre a crise econômica mundial e uma divisão cada vez maior dos cubanos sobre o governo de Havana. Após a explosão de alegria, logo frustrada, que ocorreu em 2006 ao se conhecer a doença de Fidel, as reações a qualquer notícia ou rumor sobre a saúde do comandante são interpretadas geralmente com cautela. Desta vez, no entanto, há muitos indícios.

Analistas esperavam ao menos uma visita do presidente do Equador, Rafael Correa, a Fidel, e pelo menos uma foto. Mas isso não aconteceu. Também não há provas de que o presidente panamenho, Martín Torrijos, tenha tido um encontro com ele.

Além de não publicar suas reflexões na imprensa cubana desde dezembro, Fidel enviou uma mensagem para lembrar o 50º aniversário da revolução com apenas 14 palavras: "Ao cumprir-se em poucas horas o 50º aniversário do triunfo, felicito nosso povo heróico."

- É muito estranho que o prolífico comandante tenha escrito só isso. Algo de errado está acontecendo - suspeita Mario, outro opositor de Miami.

O tema tomou conta das rádios, TVs e jornais de Miami. Na madrugada de sexta-feira, algumas emissoras citaram fontes que afirmavam que os comentários nas Forças Armadas cubanas eram de que Fidel teria tido uma parada cardíaca.

- Fontes bem informadas disseram que Fidel teve uma recaída em dezembro e não reconhece mais os amigos. A série de visitas de chefes de Estado da América Latina a Raúl nas próximas semanas parece ser uma movimentação para legitimar seu governo diante do definitivo desaparecimento de seu irmão - afirmou uma fonte ao jornal "Miami Herald".

Num outro fato que aumenta as suspeitas sobre o agravamento do estado de saúde de Fidel, o jornal oficial "Granma" começou no início do mês a republicar seus principais discursos. Na quarta-feira, republicou um texto de janeiro de 1959, quando Fidel advertiu para o risco de uma invasão americana ao país. O jornal, no entanto, diz tratar-se de uma homenagem ao aniversário da revolução.

 

 

Adicionar comentário