Carlos Chagas - Tribuna da Imprensa BRASÍLIA
Em poucos minutos o Brasil formal passou a Brasil real. Da escolha de José Sarney para a presidência do Senado e de Michel Temer para a presidência da Câmara, em Brasília, fomos transportados pelas telinhas para as favelas de Paraisópolis, em São Paulo, e de Colégio, no Rio, onde as comunidades dedicaram-se a saquear, assaltar, botar fogo em carros e ônibus, enfrentar a polícia e demonstrar viverem em outro mundo. Com a diferença de que eleições para a direção do Congresso acontecem de dois em dois anos e a explosão dos miseráveis, todos os dias.

Texto completo

Dirão os imediatistas que as badernas são pontuais, acontecendo toda vez que um chefe do tráfico ou um pacato trabalhador morrem por ação policial, despertando a ira de seus vizinhos. Ledo engano. As comunidades excluídas dos mínimos benefícios da civilização e da cultura aumentam em progressão geométrica, multiplicando-se naturalmente a sua revolta diante da marginalização. Qualquer motivo serve para fazer emergir o grande motivo, a falta de perspectivas de vida na sociedade que eles olham de longe, de cima dos morros ou por trás de vielas e de becos degradados.

Junte-se nova razão para essas manifestações: o desemprego. A maioria dos excluídos já vivia de biscates e de benesses oferecidas pelo crime organizado. Agora é a minoria dos bafejados com carteira assinada que são devolvidos à massa desesperançada. As demissões começam a atingir com muito mais intensidade os contingentes menos protegidos.

Virou rotina assistir a montes de jovens e de menos jovens em delírio, queimando, invadindo e depredando o que lhes aparece à frente, enfrentado os ditos agentes da lei, quando eles aparecem.

Quantos são? Centenas de milhares, milhões, até, em todas as grandes cidades e até nas pequenas, unidos pela desgraça e dispostos a mostrar que não fazem parte da sociedade pretensamente organizada. Repudiam sua organização. Valem-se deles os traficantes, mas, mesmo se não existissem, a reação seria igual. E crescendo sempre.

Será que José Sarney e Michel Temer preocupam-se com essa inevitável transformação sofrida pelo povo brasileiro?

Adicionar comentário