Battisti ganhou asilo por motivações político-partidárias'
Para o futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, não cabe ao Brasil interferir na condenação de Cesare Battisti
Luisa Marini e Larissa Lima, especiais para Estado - 17/12/2018
O futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou nesta segunda-feira, 17, que não cabe ao Brasil interferir na condenação de Cesare Battisti e que o asilo concedido ao italiano anos atrás teve motivações "político-partidárias".

Sérgio Moro, durante entrevista coletiva para anunciar que a subprocuradora-Geral da República Maria Hilda Marsiaj Pinto vai chefiar a Secretaria Nacional de Justiça (SNJ), no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)
Sérgio Moro, durante entrevista coletiva para anunciar que a subprocuradora-Geral da República Maria Hilda Marsiaj Pinto vai chefiar a Secretaria Nacional de Justiça (SNJ), no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)
"A Itália é um país que tem o Judiciário forte, independente e não cabe ao Brasil ficar avaliando o mérito ou não da condenação", disse Moro a jornalistas no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede do governo de transição. "Na minha avaliação, o asilo que foi concedido a ele (Battisti) anos atrás foi um asilo com motivações político-partidárias e em boa hora isso foi revisto."


O italiano foi condenado em seu país à prisão perpétua por quatro assassinatos nos anos 1970. Na última quinta-feira, 13, o ministro do Supremo Luiz Fux revogou uma liminar que concedia habeas corpus a Battisti, determinou sua prisão cautelar e abriu caminho para sua extradição.

Battisti ainda não foi encontrado pela Polícia Federal. Ele é oficialmente considerado foragido. Neste domingo, 16, a PF divulgou 20 imagens de Battisti com disfarces que ele pode estar usando para driblar os investigadores que o procuram.

Moro disse que os países têm que cooperar contra a criminalidade e que a cooperação jurídica internacional não pode ser movida por critérios políticos partidários.

"Ele (Battisti) retornando à Itália, esperando que ele seja encontrado, cabe a ele levar as reclamações quanto eventual injustiça da condenação para os órgãos de justiça italianos que têm plenas condições de decidir qualquer problema que tenha havido eventualmente na condenação", declarou o ex-juiz da Lava Jato.


Moro destacou ainda que considera as Cortes de justiças italianas "notórias pela sua independência

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar