Primeiro de três navios partiu ontem do porto de Rio Grande levando 19,4 mil toneladas de arroz para Cuba

Partiu ontem do porto gaúcho de Rio Grande um navio carregando 19,4 mil toneladas de arroz – o equivalente a 718 caminhões – destinadas a Cuba. De acordo com o diplomata Luis Fernando de Carvalho, assessor de imprensa do Itamaraty, é o início da maior operação de ajuda humanitária já realizada pelo Brasil, que beneficiará países do Caribe e da América Central atingidos por três furacões em 2008 – além de Cuba, Honduras e Haiti.

Texto completo

O primeiro carregamento deve chegar à capital cubana, Havana, em cerca de duas semanas. No domingo, parte um segundo navio (veja quadro). No total, o governo brasileiro doará 44,4 mil toneladas de arroz. Além disso, serão enviadas aos três países, em um terceiro carregamento ainda sem data prevista, 1.105 toneladas de leite em pó e 4,5 toneladas de sementes de frutas, verduras e legumes, produzidos pela agricultura familiar. Tudo pelo porto de Rio Grande.

O total da doação é de R$ 80 milhões. Essa quantia representa o valor dos alimentos, que vêm de estoques públicos, por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Segundo o Itamaraty, o Brasil segue o princípio da não-intervenção – por isso, só faz doações quando há uma solicitação de países atingidos por desastres naturais, o que foi o caso. A assistência humanitária foi um pedido dos governos de países caribenhos devastados pelos furacões Ike, Gustav e Hannah.

Só no Haiti, as tempestades deixaram pelo menos 800 mortos e 800 mil desabrigados. Em Cuba, foram sete mortes e perdas calculadas em US$ 10 bilhões, com meio milhão de casas danificadas ou destruídas e centenas de milhares de hectares de plantações arrasados. O ex-líder cubano Fidel Castro chegou a comparar as imagens de destruição na ilha às que testemunhou na cidade japonesa de Hiroshima após a detonação da bomba nuclear.

Não é a primeira vez que o Brasil ajuda nações caribenhas – no fim dos anos 90, por exemplo, uma série de grandes doações foi feita após furacões devastadores na região. Ainda assim, nada perto da operação atual: à época, foram enviadas 600 toneladas de alimentos, informou o assessor do Itamaraty. Frequentemente, também, o governo brasileiro doa alimentos e remédios a países atingidos por catástrofes naturais, mas em quantidade menor. Conforme levantamento das últimas doações, geralmente não passa de 10 toneladas.

Desta vez, a ajuda foi regulamentada por uma medida provisória (MP) assinada em outubro passado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que virou lei no fim de dezembro. De acordo com o Itamaraty, ela inaugura uma nova fase de assistência humanitária no país, ao regulamentar como deve ser feito o processo em termos jurídicos e administrativos.

Os navios que levarão os produtos foram cedidos pelo governo espanhol, que assumirá os custos relativos ao transporte. A parceria foi firmada em um acordo de novembro de 2008.

Adicionar comentário