Decadência da ALN - Matéria produzida pela editoria do site www.averdadesufocada.com. Voltando à serie Vasculhando o Orvil , sobre a ALN , vamos  ver as consequências de algumas  prisões.
Com a "queda" de Guiomar Silva Lopes, Carlos Eugênio Sarmento Coelho da Paz ( Clemente)  passou a coordenar os GTAs - Grupos Táticos Armados - e José Edésio Brianezzi  assumiu a coordenação de um dos  GTAs. O outro grupo já  era liderado por José Milton Barbosa.No prosseguimento das operações de repressão às organizações subversivo-terroristas, os órgãos de segurança, no dia  2 de abril de 1970, seguiram uma pista até a rua Zumã de Sá Fernandes, em Presidente Altino, residência do militante Dorival Ferreira. Dorival era o responsável pela fabricação de bombas  da Coordenação Regional de São Paulo -CR/SP  e já estava atuando no  GTA, tendo participado  de vários assaltos. Ao receber voz de prisão, na tentativa de fuga Dorival feriu gravemente o soldado da Força Pública do Estado de São Paulo ( hoje Policia Militar) José Ruiz Gimenez. Na troca de tiros, Dorival foi morto pelos policiais. No “ aparelho” de Dorival foi encontrado material destinado à confecção  de sofisticadas bombas, além de armamentos e material explosivo.

Texto completo

 Em outra frente de ação, Brianezzi e Antônio dos Três Rios de Oliveira, este também do GTA,  planejavam montar um aparelho rural no Paraná, mas foram impedidos de realizar os planos  porque foram descobertos e morreram em confronto com a polícia . Brianesi em  13/04 /1970  e Três Rios em 17/05/1970, ambos em São Paulo.

Essas quedas de março/abril de 1970 imobilizaram o GTA por algum tempo.  As ações passaram a ser feitas pelo grupo de fogo da Frente de Massas, que em 29 de maio assaltou a agência do Banco do Brasil da Avenida Jabaquara e ainda nesse mês o supermercado  Peg-Pag da Avenida Higienópolis.

Após o assalto ao carro pagador do Banco de Minas Gerais , caiu a militante  do GTA Ana Burnsztyn e vários elementos da Frente de Massa, inclusive Rafael de Falco Neto , responsável pela tentativa  de reestruturar o setor de imprensa da CR/SP.

Ana Burnstyn foi presa por investigadores particulares do Mappin - loja de departamento famosa em São Paulo -, quando tentava roubar uma sacola da loja. No momento de sua prisão , Ana sacou um revólver .38 que trazia na bolsa e efetuou dois disparos, atingindo o segurança Isidoro Zamboldi, que veio a falecer , posteriormente, vítima dos ferimentos.

As "quedas" continuavam. No dia 15 de agosto foi o preso o militante do GTA – Reinaldo Morano Filho .

A ALN, bastante enfraquecida pela prisão de seus militantes mais atuantes, só voltaria a operar depois de receber reforço de militantes do II Exército da ALN,  dentre eles  Yuri Xavier Pereira e Márcio Leite Toledo, que voltavam de treinamento em Cuba. Nesse periodo , o grupo de fogo realizou os seguintes assaltos:

-ao Supermercado “Peg-Pag, no bairro Indianópolis;

- a um posto Telefônico, no bairro da Liberdade;

-a Drogasil, da Avenida Jabaquara;

-ao supermercado  “Ao Barateiro”, da av. Coronel Diogo;

- ao carro transportador de valores da Brink’s, na rua Estados Unidos. Nessa ação , que teve a participação de militantes da VPR,  foram feridos dois guardas de segurança.

Na segunda quinzena de setembro, houve uma reunião da Frente Militar Revolucionària - FMR -, juntamente com representante do MR-8, para tratar do seqüestro de três diplomatas. As ações ocorreriam consecutivamente em São Paulo, na Guanabara e no Nordeste . A intenção dos terroristas era libertar 200 miltantes de várias organizações..  A decisão fora tomada por Devanir José de Carvalho, do MRT, Toledo , da ALN, Lamarca da VPR e Carlos Alberto Vieira Muniz. Houve discussões envolvendo o número de militantes de cada organização a ser libertado. O planejamento  inicial , não foi adiante, por causa das “quedas” de militantes importantes.

Enquanto a ALN se via às voltas com discussões internas , fora, sob orientação  do Frei Oswaldo Augusto de Rezende Júnior (Cláudio ),foi montada uma estrutura para divulgação de notícias desabonadoras ao governo brasileiro e,  ao mesmo tempo,  angariar dinheiro no exterior.

O esquema visando  conseguir recursos para a atuação da ALN, .começava com Miguel Arraes, que tinha  ligações na Argélia,  passava por Roma, onde atuavam Frei Oswaldo, Carlos Henrique Knapp e Eliane Toscano Zamikhowski, por Paris, onde se encontrava  Aloísio Nunes Ferreira Filho e terminava na Itália, onde Frei Oswaldo mantinha contato  com o Partido Comunista Italiano.

Após as eleições de 15 de novembro de1970, foi realizada uma reunião da “frente”, onde Carlos Eugênio Sarmento Coelho da Paz ( Clemente) representou a ALN. Planejava-se um seqüestro urgente por solicitação da VPR. O MR-8 opinou que o seqüestro só deveria ser realizado sob excepcionais condições de segurança.

Contrariando a maioria, a VPR em 7/12/1970, realizaria o seqüestro do embaixador suíço.

Atividades da Coordenação Regional da Guanabara - CR/GB - ( Rio de Janeiro)

As prisões de militantes  no final de 1969, elevaram Carlos Eduardo Fayal de Lira e Paulo Henrique de Oliveira Lins à Coordenação Regional da Guanabara (CR/GB). O GTA  da CR/GB era formado por dois grupos coordenados por Paulo Henrique de Oliveira  Rocha Lins e Mario de Souza Prata.

No dia 9 de janeiro  foi "expropriada" a Agência  Lido do Banco do Estado de Minas e em 17 de fevereiro  a Agência Avenida Brasil  do Banco Nacional Brasileiro S.A.

Pretendendo aumentar a potência de fogo do grupo , foi realizado no dia 25 de janeiro de 1970 um assalto à Fábrica do Andaraí , do Exército. O alvo eram as metralhadoras das sentinelas. Dado o sinal, o grupo chefiado por Carlos Eduardo Fayal de Lira, agrediu a coronhadas o soldado George de Souza, ferindo-o na cabeça e roubando-lhe a metralhadora. O outro grupo chefiado  por Paulo Henrique Rocha Lins acovardou-se e não atacou  a outra  sentinela.

Já dentro do carro, na fuga, Mario de Souza Prata* , ao tentar desengatilhar a arma , provocou um disparo , atingindo  mortalmente o companheiro de organização  Luiz Afonso Miranda Costa Rodrigues, que se encontrava no banco dianteiro.Ao fugirem, abandonaram o carro  que foi encontrado, às 16 horas , na rua Teodoro da Silva , com o cadáver de Luiz Afonso no banco dianteiro . ( versão confirmada no livro “ A fuga  página 16-, de Reinaldo Guarany, participante da luta armada e membro da ALN).

No dia 11 de março de 1970, os militantes do GTA Mario de Souza Prata, Rômulo Noronha de Albuquerque  e Jorge Raimundo Júnior deslocavam-se num Corcel azul roubado  quando foram interceptados no bairro Laranjeiras (Rio de Janeiro), por uma patrulha da PM.  Suspeitando do motorista pois Jorge Raimundo não portava habilitação , os policiais ordenaram-lhe que entrasse no veículo policial , junto com Rômulo Noronha de Albuquerque , enquanto Mario de Souza Prata , acompanhado de um dos soldados , iria dirigindo o Corcel até a delegacia mais próxima. Aproveitando-se do descuido da polícia, que não revistara os detidos , Mario Prata, ao manobrar o veículo para colocá-lo à frente da viatura policial , sacou de uma arma e atirou, matando, com um tiro na testa , o soldado PMEG Newton de Oliveira Nascimento que o escoltava no carro roubado. O soldado deixou viúva e duas filhas órfãs de 4 e 2 anos. Mario de Souza Prata continuou  por mais  um ano sua vida de crimes.

Dia 13 de março, teve prosseguimento o festival de violência promovido pela ALN. Na Lagoa Rodrigo de Freitas  foi abordado  para uma verificação de rotina, um Volks vermelho conduzindo Carlos Eduardo Fayal de Lira, Paulo Henrique de Oliveira Rocha Lins e Ronaldo Dutra Machado. Agindo com rapidez os subversivos saltaram do carro , ocasião em que Fayal de Lira  sacando sua arma, atirou contra a barreira, ferindo gravemente um sargento  e o capitão Fredie Perdigão Pereira, ambos de Exército.. Na confusão reinante Ronaldo e Paulo Henrique fugiram a pé do local.  Fayal de Lira, encurralado, assaltou um carro que passava  e retirou a força do volante a senhora  Juanita de Souza que se fazia acompanhar de seu filho, o menor de 9 anos Paulo Alves de Souza. Não percebendo a presença da criança no veículo os agentes de segurança acabaram ferindo-a na axila ao prosseguirem na perseguição armada. Preocupado apenas com a sua segurança, Fayal também atingido no tiroteio, rompeu o cerco policial e abandonou a viatura na rua Siqueira Campos, com o menino ferido , completando a fuga a pé.

Fayal , sentindo-se perdido, procurou o amparo dos pais que o internaram numa casa de saúde e o entregaram às autoridades.  Ele seria banido em junho de 1970, trocado pelo embaixador alemão sequestrado na Guanabara.

A " queda" de Fayal de Lira ocasionou várias prisões e a desarticulação da Coordenação Geral/GB, que prosseguiu com a ida de Ronaldo Dutra Machado para Recife em companhia de Paulo Henrique de Oliveira Rocha Lins. Ronaldo seria preso em Recife, em 28 de março e Paulo Henrique em Natal no dia 13 de abril. Em seguida foram presos , na Guanabara, os militantes do GTA Nelson Luiz Lott de Moraes Costa e Epitácio Remígio de Araújo.

Com a desarticulação da Coordenação Regional foi constituída uma direção provisória com a participação de Aldo Sá Brito de Souza Neto, Hélcio Pereira Fortes e Antonio Sérgio de Matos.

 No dia 30/06/1970, Jessie Jane, militante da Frente de Massas da Coordenação Regional/SP, juntamente com  Colombo Vieira de Souza Júnior e os  irmãos Eiraldo e Fernando Palha Freire sequestraram um avião da Cruzeiro do Sul ( Rio - Buenos Aires). Obrigaram o piloto a voltar para o Galeão e exigiram a troca dos passageiros por 40 presos  que seriam transportados para Cuba. O sequestro foi frustrado pela pronta e eficiente ação de tropas especiais da Força Aérea Brasileira. A aeronave foi coberta com espuma . Os soldados invadiram o avião , resgatando os passageiros. Durante a ação, o sequestrador Eiraldo Palha Freire tentou o suicídio com um tiro no pescoço, vindo a falecer dias depois.

A partir de julho o GTA fez dois assaltos . Um ao posto policial da Favela Azul, quando foram roubados armamentos , inclusive metralhadoras e fardamentos e a uma agência do Banco Comércio e Indústria de Minas Gerais, no Leblon. Participaram da ação Reinaldo Guarany Simões, Sonia Maria Ferreira Lima , Viriato Xavier de Mello Filho e Benjamin de Oliveira Torres Neto, esses dois chegados de Cuba onde fizeram .curso de guerrilha

 Em 19 de agosto, durante uma tentativa de assalto ao Banco Nacional de Minas Gerais, em Ramos, mataram o vigilante Vagner Lucio Vitorino da Silva.

Participaram  da ação: Isis Dias de oliveira ( curso em Cuba) , Sonia Maria Ferreira Lima, Aldo Sá Brito de Souza Neto , Hélcio Pereira Fortes, Benjamin Torres de Oliveira Neto, Reinaldo Guarany Simões, Otoni Guimarães Fernandes Junior, Gilson Ribeiro da Silva ( curso em Cuba)  e mais os militantes do PCBR Getúlio de Oliveira Cabral e Francisco Roberval Mendes.

 Dias depois dessa ação , Otoni Guimarães Fernandes Junior, que dela participara, foi preso, constituindo-se em mais um desfalque para o GTA

 Desfalcada com as "quedas" que afetavam a ação do GTA, a ALN passou a agir na Guanabara  "em frente" com outras organizações pois alguns elementos da ALN passaram a atuar em outros estados, inviabilizando a  atuação armada unicamente com os militantes da organização. 

* Mário de Souza Prata foi um dos assassinos do Major José Júlio Toja Martinez  no dia 04/04/1971 e foi morto em confronto com os homens que acompanhavam o major na campana a  que faziam a um aparelho no  subúrbio carioca de Campo Grande.

Fonte: Projeto Orvil

Comentários  
#1 dario santaiago paz 03-07-2014 17:15
quem foi o médico que operou carlos fayal atarrés da amisade com charley fayal,,pai de carlos fayal.
Adicionar comentário