Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 2671
 Por Adalto Luiz Lupi Barreiros  
Pois é. Sinal dos tempos e da "revolução de costumes" socialista ou seja lá que tipo seja. Nem no Zimbabue se imaginaria um Presidente da República distribuindo camisinha num evento popular. É preciso não ter noção nenhuma da liturgia da instituição Presidência República, para se prestar a um papel desses. É avacalhar tudo para criar das cinzas da destruição das instituições nacionais os novos mitos e as novas instituições. Isto está perfeitamente expresso com clareza e precisão no comentário da imagem.  Com humor é certo, mas é o que está implícito.
 
Texto completo
 
Coisas do passado (como nossas instituições) parecem que não interferem em nossas vidas e delas muito pouco ouvimos falar e, portanto, sem conhecer a história do país, na verdade não conhecemos o seu presente e muito pouco saberemos sobre como legar o futuro aos nossos filhos. Quando as versões da história são ainda mais obscurantistas e visam, sob o enfoque ideológico, mudar a própria história, então estamos diante de um desastre que as gerações futuras de brasileiros, por certo, irão viver penosamente. É assim que se desconstrói uma nacionalidade para criar outra sobre as cinzas...
 
Eis ai um relato (é o que essa imagem retrata) que visa colocar "luz" na história. A imagem é um relato histórico. Como a do tal Almirante Negro (tão ao feitio do politicamente correto e a serviço da ideologia que andamos a viver). Como esta imagem não é baseada nos relatos históricos da Marinha, sem viés ideológico, em documentos originais que tratam, no Centro de Documentação, da realidade concreta da história, ficam a imagem e a versão de uma "Marinha da chibata". História que aos poucos está sendo reescrita, como agora, pelo racismo negro que se implanta paulatinamente, num país onde essas manifestações racistas eram mais restritas aos indivíduos e nunca foram política de estado ou mesmo traço social do brasileiro. Se existiam, bastariam as Leis antiracistas que temos e são muito boas para puní-las. Isto se a Justiça operasse a Lei de forma eficiente.Uma estátua do tal " Negro almirante" e esta imagem presidencial tem algo de sério em comum. Desculpe incomodar com um pouco de história que não interfere muito em nossas vidas e pouco tem a ver com ela, insisto.
 
É apenas como informação comparativa com essa imagem grotesca de um Presidente que a ignorância política e social do povo colocou no palanque para isso - distribuir camisinhas no Carnaval! De palanque em palanque vamos nos degradando. e quem for contra será um retrógrado conservador direitista e antipopular. Para que outra coisa serviu esse cidadão e essa imagem?  E para que ninguém diga que não conhece a história do seu povo, compare-se a imagem com outras tantas que por ai perambulam, na inércia e no desvalor ético e moral que nos assola.
 
Pelo menos que se tenha como identificar as versões e as imagens e compará-las. E, identificar onde estão à serviço da mudança de nosso sistema social, político e econômico de vida. Pois é esse o objetivo dessa imagem carnavalesca, como a estátua do negro "almirante" que frauda a história real. Mas, ela ai está. Como está a do Carlos Marighela (um dos mais sanguinários matadores que o terrorismo brasileiro produziu - uma cópia subdesenvolvida, mal acabada e tupiniquim do Che Guevara - e que foi morto porque um Frei (Tito) pederasta o delatou e depois se matou, porque não foi capaz de viver com a delação e com a publicidade de sua opção sexual. Mas, que é divulgado num transe fotografado numa cruz (ah! a imagem), como se fora um "novo" Jesus em sofrimento extremo e cristão, numa heresia sem precedente onde a figura de Cristo, o Filho do Criador de todas a s coisas, é invocado em vão para produzir a realidade ideológica que seu confrade - o outro Frei (o Beto)  - produziu e quer para que os incautos e os subversivos pudessem ver e divulgar. Uma heresia parecida com essa imagem presidencial.
 
E me recomendam, incisivamente, para que não se fale mal de nossa gente. Como? Diante disso tudo, o que há para se elogiar num povo que chegou a isso! Só se eu tivesse a cara das partes preferidas das belas mulheres nuas nas alegorias que assistiram passivamente essa imagem na avenida. Entre as alegorias do Carnaval esta é mais uma!