Depois de reunião de emergência, Bolsonaro incentiva apoio à deposição de Maduro
Folha -Talita Fernandes -
No centro de Caracas, um carro blindado atropelou manifestantes
O presidente Jair Bolsonaro convocou uma reunião de emergência nesta terça-feira (30) para discutir a situação da Venezuela. O encontro teve a presença do vice-presidente, general Hamilton Mourão, do presidente e dos ministros Augusto Heleno (GSI), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Fernando Azevedo (Defesa).
Após a reunião, o presidente divulgou uma nota na qual encoraja outros países a apoiarem o movimento para depor o ditador Nicolás Maduro.

SOLIDARIEDADE – Em uma rede social, Bolsonaro afirmou que o “Brasil se solidariza com o sofrido povo venezuelano escravizado por um ditador apoiado pelo PT, PSOL e alinhados ideológicos”. “Apoiamos a liberdade desta nação irmã para que finalmente vivam uma verdadeira democracia.” 

Líderes da oposição do país vizinho, Juan Guaidó e Leopoldo López foram no início da manhã desta terça até a base aérea de La Carlota, em Caracas, para anunciar o apoio de militares dissidentes na luta contra o regime do ditador Nicolás Maduro. 

“Hoje soldados que são valentes vieram até aqui porque nosso primeiro de maio começou hoje. Estamos chamando as Forças Armadas para acabar com a usurpação hoje.” Guaidó deu as declarações por meio de um vídeo publicado em suas redes sociais, no qual aparece cercado de militares que o apoiam, armados, e ao lado de López. 

APOIO DO BRASIL – Guaidó foi recebido por Bolsonaro no Palácio do Planalto no fim de fevereiro, pouco tempo depois de ter feito juramento na Assembleia Nacional como “presidente interino” da Venezuela. 

O governo brasileiro apoia a oposição venezuelana contra o regime de Maduro, mas militares e o próprio presidente têm negado qualquer iniciativa de intervenção no território do país vizinho, deixando que os próprios venezuelanos resolvam seus problemas internos.

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar