Caro leitor,
Uma deputada de primeiro mandato, ainda desconhecida do grande público, está dando o que falar em Brasília.
O nome dela é Beatriz Kicis Torrents de Sordi, eleita em outubro de 2018 com 86.415 votos, na esteira da onda de renovação que tomou conta do Congresso.
Bia Kicis, como é conhecida, ganhou notoriedade, principalmente, por ser hoje a deputada mais próxima do presidente da República.
Sim, isso mesmo: a parlamentar do PSL virou amiga pessoal de Jair Bolsonaro e uma das “pontas de lança” do governo na Câmara dos Deputados

.

Em uma entrevista exclusiva ao repórter Caio Junqueira, da revista Crusoé, Bia Kicis fala sobre a relação com o presidente e demonstra confiança no sucesso do seu governo.

Segundo a “escudeira” de Bolsonaro, o problema na relação entre Executivo e Legislativo não está na articulação política — mas “no que as pessoas pensam que seja articulação política”.

As velhas práticas precisam mudar, diz Bia Kicis.

Leia este trecho da entrevista:

“Nós temos parlamentares que já estavam aqui e que foram reeleitos e estavam acostumados a jogar de um jeito. Eles estão tendo que aprender a jogar de uma forma nova. E temos parlamentares novos de primeiro mandato, muitos como eu, que temos que aprender o jogo. Só que a gente tem que aprender o jogo novo. Queremos fazer política aqui dentro, não safadeza.”

Bia Kicis também se diz aliviada todos os dias pela vitória de Bolsonaro sobre o PT no segundo turno das eleições.

Perguntada sobre qual o balanço faz dos 100 primeiros dias de governo, veja o que ela disse:

“Todo dia ao acordar o primeiro pensamento meu é agradecer a Deus porque o presidente é Bolsonaro. Se não fosse ele, nós teríamos (Fernando) Haddad na Presidência. Imagine hoje a gente com Haddad na Presidência, o Lula possivelmente solto e o governo brasileiro apoiando um genocida como (o ditador venezuelano) Nicolás Maduro. Então eu fico muito feliz.”

Leia a entrevista completa na Crusoé.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar