Imprimir
Categoria: Política interna
Acessos: 679

Jornal da Cidade – da Redação -  23/06/2019Apesar da tentativa de alguns veículos de mídia para fabricar uma crise com a demissão de Joaquim Levy da presidência do BNDES, a decisão de Jair Bolsonaro vem se mostrando acertada.Globo News tenta alardear crise com saída de Levy e é frustrada por analista financeiroes, fazendo o trabalho que deveria ter sido feito por Levy.
Os empréstimos para financiar obras de ditadores - amigos de Lula e Dilma - em Cuba, Venezuela, Moçambique, entre outros países, eram feitos a juros subsidiados e avalizados pelo Tesouro. Ou seja, se os empréstimos não fossem honrados, o prejuízo seria bancado pelos pagadores de impostos, inclusive os mais pobres - que o PT tanto alega defender.

Ao que tudo indica, membros do primeiro escalão das administrações de Lula e Dilma pressionavam os órgãos responsáveis pela avaliação dos empréstimos. Depois de aprovados, o dinheiro acabava nas mãos das empreiteiras, que tratavam de distribuir as propinas a políticos e países aliados do PT. 

Assim, a CPI vem desvendando aquilo que Levy não ousou desvendar. Por que motivo, exatamente, é difícil entender. O presidente da Comissão, Vanderlei Macris (PSDB-SP), vê certa blindagem do BNDES, pois mesmo os delatores da Lava Jato parecem tentar manter o banco intacto, talvez visando negócios futuros. 

O fato é que, cedo ou tarde o esquema será esclarecido e os responsáveis nem precisarão ir para a prisão porque, aparentemente, lá já estão.