Imprimir
Categoria: Revanchismo
Acessos: 225

QUANTO PIOR, MELHOR. QUE SE DANE A NAÇÃO!
“Contribuir para a defesa da Democracia e da liberdade, traduzindo um País com projeção de poder e soberano, deve ser o nosso NORTE!
Gen Marco Antonio Felicio da Silva - OTempo - 25/06/2019
A ida do Ministro Moro ao Senado e suas firmes respostas às indagações quanto às suas decisões na Lava Jato, supostamente, caracterizadas como parciais por meio de documentos, criminosamente vazados, contendo conversas entre Ele e o Procurador Deltan Dallagnol, o tornaram mais forte diante da orquestração pela oposição, comandada pelo PT, no sentido de desmoralizá-lo bem como a Lava Jato e o governo Bolsonaro.
Entretanto, quem saiu desmoralizada foi a oposição.


Mostrou-se, Moro, inocente de qualquer acusação. Enfatizou o criminoso vazamento e, também, a necessidade de se provar a autenticidade dos documentos publicados e a ausência, nesses, de alterações do conteúdo. Afirmou que os vazamentos já conhecidos, embora fora de um contexto maior, buscando sensacionalismo, não apontam qualquer irregularidade de sua parte e do Procurador Deltan Dallagnol ou de outros.

Com pá de cal, enterrou a acusação de ter sido Juiz parcial, ao mostrar, com números efetivos, o resultado do seu trabalho à frente da Lava Jato: Das 90 denúncias apresentadas pelo Ministério Público Federal (MPF), no decorrer da operação Lava Jato, 45 delas foram sentenciadas. O MPF recorreu em 44. “Falou-se muito em conluio, mas aqui há indicativo de que este não ocorreu de fato". Expôs, também, estatísticas das prisões cautelares. Foram 298 requerimentos, seja para prisão preventiva ou temporária, com 207 deferimentos e 91 indeferimentos, o que demonstra que não existiu qualquer conlúio entre MPF e juízo necessariamente."

Dos 40 senadores presentes, obteve o apoio de 28 deles. Os demais, do PT e oposição, sem argumentação plausível, agressivos e sem ética, sem sucesso. Alguns foram repelidos pela pessoa do Ministro. Visavam, a todo custo, cegos da realidade, diante de milhões de brasileiros, a condenação de Moro e a libertação do bandido Lula.

Um deles, a própria ignorância em pessoa, afirmou que a Lava Jato destruiu o Estado Social que Lula e o PT criaram, levando o País à falência. Outro, idiotizado, tentou acusar a Sra. Moro de participação em escritório de advocacia para vantagens pessoais, algo jamais existente. Um terceiro propugnou pela condenação de Moro, libertação de Lula e anulação de processos. Somente faltou defender a devolução do dinheiro roubado e indenização para o tempo de prisão dos corruptos.

Tendo em vista o acima, surge uma série de indícios conexos, entre eles a participação direta, no ocorido em tela, de envolvidos, internacionalmente, em hackeamentos e vazamentos de documentos confidenciais do governo estaduniense USA), como o jornalista e militante Glen Greenwald, criador do site Intercept Brazil, que vem publicando os documentos ilegais.

É casado com o militante LGBT David Miranda, este já tendo sido preso na Inglaterra conduzindo milhares de documentos hackeados e vazados do governo USA, deputado federal em vaga, supostamente comprada, de Jean Wyllys, ex deputado pelo PSOL-RJ e, agora, vivendo na Inglaterra. Todos com larga convivência com os líderes do PT e favoráveis à libertação de Lula.
Há que acrescer que o PT tem larga experiência na manipulação ilegal dos meios virtuais, sob diversas formas, desde 2008, tendo criado organização para tal desiderato a partir de 2011.
Inacreditavelmente, a cada dia, o MAV conversa com a população, realizando lavagem cerebral e impregnando psicologicamente centenas de mentes. Utiliza-se de grande número de hackers e de fanáticos ideologizados, pagos ou não. Os coordenadores/MAV exigem que os militantes tenham perfis, em diversos locais, de acordo com o perfil e discurso do alvo representado.

Diversas ações, incluso hackeamento, são realizadas pelos militantes virtuais no twitter, facebook, Orkut, emails, instagran, sites e blogs.
O objetivo é manter ampla gama de perfis que apoiem um ator, ou vários outros, em diferentes comunidades tornando-os atraentes à população.

Desde que chegou ao poder, o PT tentou censurar, para melhor controlar, a Imprensa, facilitando a ação do MAV. Propôs a criação do Conselho Federal de Jornalismo e a de mecanismos de restrição à liberdade de pensamento no III Plano Nacional de Direitos Humanos.

Na Internet, no jornalismo impresso e também na TV e rádio, o PT cooptou ex-jornalistas, pagos regiamente para agredir a oposição e a própria Imprensa contrária. Tentam desacreditá-la para dar, então, relevo às “verdades” do partido.
Será que o ataque a Moro, à Justiça e ao governo como um todo não terá a participação do MAV ? Até quando sujeitaremos a Nação à tal oposição imoral do “Quanto pior melhor. Que se dane a Nação!”