Imprimir
Categoria: Forças Armadas
Acessos: 204


Vice-presidente Mourão. Foto: José Cruz/Agência Brasil _
do NH Presença ilustre do encontro - www.diariodocentrodomundo.com.br
Presença ilustre no encontro de ex-combatentes do 16° Grupo de Artilharia de Campanha Autopropulsado (16º GAC AP), realizado neste domingo, o vice-presidente Hamilton Mourão posou para fotos e discursou para os militares no final da manhã deste domingo (30).
Em sua fala, ele lembrou da sua história com o quartel leopoldense, que começou na década de 1950, quando seu pai, o general de divisão Antonio Hamilton Mourão, foi comandante do grupo. “A minha história com esse quartel é longa. Vem da década de 50, no século passado, quando meu pai era comandante aqui e eu dava meus primeiros passos nesse pátio, nesse campo de futebol lá embaixo, nessas alamedas. Foi assim que iniciei meu contato com o 16º GAC. A unidade progrediu, e com transformação do exército nos anos 70 mudou o calibre de 105 para 155”, discursou.


Mourão disse, ainda, que foi comandante de linha de fogo da primeira bateria no ano de 1978, e também lembrou seu convívio com o ex-comandante do grupo, o coronel reformado Carlos Brilhante Ustra, que morreu em 2015, aos 83 anos. “Aqui eu vim como primeiro tenente recém promovido e tive a oportunidade de conviver com um extraordinário grupo de homens, comandados por um dos maiores líderes que o nosso exército já teve, o então tenente coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra. Tive oportunidade de comandar o pelotão de operações especiais dessa unidade, e não perdemos para infantaria nem para cavalaria. Era, como sempre foi, um bando de irmãos”, falou, para os gritos de apoio dos presentes.

 Em sua fala, ele lembrou da sua história com o quartel leopoldense, que começou na década de 1950, quando seu pai, o general de divisão Antonio Hamilton Mourão, foi comandante do grupo. “A minha história com esse quartel é longa. Vem da década de 50, no século passado, quando meu pai era comandante aqui e eu dava meus primeiros passos nesse pátio, nesse campo de futebol lá embaixo, nessas alamedas. Foi assim que iniciei meu contato com o 16º GAC. A unidade progrediu, e com transformação do exército nos anos 70 mudou o calibre de 105 para 155”, discursou.

Mourão disse, ainda, que foi comandante de linha de fogo da primeira bateria no ano de 1978, e também lembrou seu convívio com o ex-comandante do grupo, o coronel reformado Carlos Brilhante Ustra, que morreu em 2015, aos 83 anos. “Aqui eu vim como primeiro tenente recém promovido e tive a oportunidade de conviver com um extraordinário grupo de homens, comandados por um dos maiores líderes que o nosso exército já teve, o então tenente coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra. Tive oportunidade de comandar o pelotão de operações especiais dessa unidade, e não perdemos para infantaria nem para cavalaria. Era, como sempre foi, um bando de irmãos”, falou, para os gritos de apoio dos presentes.