Expectativa melhora. De novo
 Carlos Alberto Sardenberg - O Globo - 25/07/2019 - pag 3
É inegável que as expectativas melhoraram. E não constituem falso otimismo. Há coisas importantes acontecendo na economia real.
Os juros estão caindo. A taxa básica, a Selic calibrada pelo Banco Central, deve chegar ao final do ano na casa dos 5%, que será a mais baixa da era do Real.
Mais do que isso, marcará um momento em que os juros brasileiros começam a se normalizar e entrar em sintonia com o mundo. Parece que ficam para trás os tempos em que o Brasil era cronicamente  o campeão dos juros altos. 
A inflação persistentemente baixa há anos e a previsão de que continuará assim sustentam essa perspectiva . além da enorme capacidade ociosa da lerdeza da recuperação , há outro fator que praticamente obriga o BC a derrubar  a Selic :o andamento da reformas.

Coloquei no plural - reformas - porque  a aprovação da previdenciária , robusta e com sólida votação , sugere que outras podem caminhar no Congresso , especialmente a tributária 

A reforma Previdenciária encaminha o equilíbrio das contas públicas . A simplificação dos impostos  elimina um dos maiores entraves à atividade empresarial. Junto com o cenário de juros baixos, tudo isso sugere boa perspectiva de aceleração da retomada da economia..

E ainda tem a ajuda das privatizações que avançam em ritmo até surpreendente num país com cultura tão estatizante .
Ocorre que desta vez a equipe econômica é genuinamente privatizante. Isso faz a diferença . Nos processos de privatização do  passado , a maioria era feita por necessidade. Não havia mais como sustentar certas estatais ou tocar obras públicas , de modo que privatizar aparecia como um mal necessário.

Resultava, como  especialmente nos governos Lula e Dilma , em privatizações de má vontade. Algo assim : você leva a estrada, mas não pode ter lucro com ela ou leva a empresa, mas o governo está de olho.

Diferente do que faz a equipe econômica atual, que não tem dúvidas sobre a superioridade do setor privado sobre o público nas atividade de produção  e distribuição de mercadorias e serviços. 
Há quanto tempo se debate sobre privatização da Petrobras e subsidiárias? Pois o governo conseguiu desestatizar a BR Distribuidora  em seis meses. 
Em cima disso, entra para o consumo o dinheiro liberado do FGTS.

É por isso que o risco Brasil está em queda( medido pelo CDS, Credit Default Swap) espécie de seguro  contra calotes . O investidor internacional está exigindo menos juros para comprar papéis do governo brasileiro .
Equivale a mais confiança no pagamento...

Leia a matéria completa  mais no Globo de 25/07/2019- pag 3  

Adicionar comentário