“Contribuir para a defesa da Democracia e da liberdade, traduzindo um País com projeção de poder e soberano, deve ser o nosso NORTE!
Gen Marco Antonio Felício da Silva
Paulatinamente, na medida em que o atual governo tenta reverter o caos que inunda todo o País, em todos os campos do Poder, com raras exceções, enfrenta tenaz resistência de quem contribuiu definitivamente para tal caos.
É de revoltar o comportamento sujo, imoral e criminoso do PT e de seus representantes no Congresso, bem como nos meios de comunicação e nas universidades. A quadrilha se apossou do governo, chefiada por Lula e cometendo toda sorte de crimes, incluso o desvio bilionário de recursos do Tesouro Nacional.
As políticas populistas e assistencialistas, colocadas em prática, criaram vasto curral eleitoral e uma massa carente fiel ao PT e a Lula.

Após as últimas eleições, parte importante da herança material dessa quadrilha petista e alliados, apesar da prisão de Lula, está viva e resistente.

É integrada, fundamente, pelo Foro de São Paulo (FSP), pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e pelo pouco conhecido e falado Foro Mundial Social. Este último, também, criado e dirigido, internacionalmente, pelo PT.

Assim, a quadrilha, devidamente coordenada pelo partido, tem a capacidade de organizar, enquadrar, conscientizar e impregnar, psicologicamente, uma grande massa, que abarca todas as idades, base de sua resistência, nas diversas formas em que se apresenta.

Ao final da década de 90, após a ruína do comunismo, influenciado por Fidel Castro, Lula e outros aliados fizeram ressurgir, na América Latina, por meio do FSP, o que chamam de uma alternativa ao neoliberalismo: o “socialismo radical”, agora acoplado ao populismo e ao bolivarianismo.

O FSP apresentou resultados surpreendentes. Ascenderam ao poder, em diferentes paises, vários candidatos bolivarianos e marxistas, integrantes e seguidores do FSP.

A partir do segundo encontro DO FSP, no México, em 1991, este passou a ter caráter consultivo e deliberativo, subordinando seus integrantes às decisões acordadas nos encontros do FSP e, consequentemente, às ações a serem desenvolvidas internacionamentel e, internamente, nos respectivos países partícipes do Foro.

Tais deliberações têm como objetivo a implantação do comunismo no continente, fato que transfere para um segundo plano os interesses nacionais e fere os princípios da soberania e autodeterminação dos países-membros.

No Brasil, também, contraria a Lei Orgânica dos Partidos Políticos (LOPP), que define: “a ação do partido tem caráter nacional e é exercida de acordo com o seu estatuto e programa, sem subordinação a entidade ou governo estrangeiros” (art. 5).
Essa lei, no conceito do FSP, se torna letra morta.Assim, cometem grave crime todos os representantes brasileiros que ao FSP se subordinam.

O FSP foi presidido por Lula até sua eleição, em 2002, adotando política de favorecimento aos países partícipes.

Eleito Presidente do.Brasil, no exercício do governo, desenvolveu diplomacia presidencial “ditada” pelo foro, traduzindo política externa de cunho ideológico, intensamente prejudicial aos interesses brasileiros e, por diversas vezes, ferindo a Soberania Nacional.

Como exemplos, sem consulta ao Congresso, concedeu o perdão para dívidas externas de vários países e deu solução a conflitos de interesse com o Paraguai, o Equador, a Bolívia e a Argentina com prejuízos de monta para o Brasil.

Também, é exemplo a defesa da ditadura bolivariana de Hugo Chávez e o apoio a Evo Morales, da Bolívia, mesmo quando este contrariou interesses brasileiros e agrediu a soberania nacional.

O estabelecimento de relações especiais com Cuba, por meio de milionários investimentos e a vinda de 12 mil médicos, a peso de ouro, para o Brasil, faz parte do alinhamento e de ilegais acordos secretos de Lula e do PT concretizados dentro do FSP.

A recusa de Lula em taxar as Farc como narcotraficante e terrorista foi outra imposição do FSP. O Itamaraty as tratou como forças beligerantes, mesmo após a prisão do traficante Fernandinho Beira-Mar pelo Exército colombiano.
Há, ainda, que enfatizar a manutenção do Mercosul em nome de uma integração econômica latino-americana danosa para o Brasil.

No âmbito da Política Interna, entre outros, é exemplo a inaceitável aprovação por Lula do III Plano Nacional de Direitos Humanos, tendo em vista o preconizado pelo FSP em relação aos DH, considerado assunto prioritário para os países integrantes do Foro desde seu primeiro encontro.

A comprovar o dito acima, a mensagem enviada por Lula ao XVI Foro, na Argentina, em 2010, na qual elogia as decisões tomadas no âmbito do Foro e que possibilitaram “as grandes transformações pelas quais passaram a América Latina e o Caribe”.

Também, o ex-assessor especial de Lula para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, falecido, fez questão de lembrar : “A União das Nações Sul-Americanas (Unasul), a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), a TeleSUR, a Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alba), todas essas iniciativas foram gestadas no ventre do Foro de São Paulo”. Objetivo? O controle total do subcontinente americano por uma associação de Estados comunistas.

Hoje, sabemos que Lula, criminosamente, renunciou aos interesses nacionais junto a tais países, os beneficiando bem como a respectivos indivíduos, grupos e partidos. Tomou decisões de governo, sem conhecimento do Congresso brasileiro, definidas, em reuniões do FSP, com a participação do PT, criador e integrante do Foro, ferindo claramente o que impõe a Constituição brasileira.

Quando tornaremos ilegal a participação do PT na vida política brasileira com sua cínica e criminosa oposição

Adicionar comentário