Ambientalista britânico ridiculariza a postura do presidente francês Macron
Pedro Meira - " Spiked - 02/09/2019 -
Saiu uma entrevista interessante e esclarecedora do escritor e ambientalista americano Michael Schellenberger na revista eletrônica britânica “Spiked”, sobre a tema da Amazônia, e as atitudes inaceitáveis dos presidentes Jair Bolsonaro e Emmanuel Macron. Na entrevista, Shellenberger comenta sobre os incêndios na Amazônia e o colonialismo por trás das mudanças climáticas., Fundador e presidente da Environmental Progress, e listado como um “herói do meio ambiente” pela revista Time, Michael Shellenberger diz que entendemos tudo errado. E a revista “Spiked” o alcançou para descobrir os motivos.
O QUE TODO MUNDO ERRA NA AMAZÔNIA

Os incêndios na Amazônia causaram protestos internacionais – de políticos, mídia, celebridades e grupos ambientais. A conversa é sobre níveis recordes de incêndios e desmatamento, de maldade humana destruindo o ambiente natural. Aparentemente, estamos até nos destruindo no processo – as florestas tropicais da Amazônia são os “pulmões da palavra”, nas quais confiamos para nosso suprimento de oxigênio, é frequentemente reivindicado.

O que todos erraram sobre a Amazônia?
Principalmente tudo. A primeira coisa que as pessoas precisam entender é que houve um grande declínio no desmatamento desde seu pico no início dos anos 2000. O desmatamento ainda é 75 a 80% menor do que neste pico. O desmatamento tem aumentado nos últimos anos, mas esse aumento não começou sob o atual governo brasileiro. Claramente, grande parte da resposta da mídia ocidental é uma reação a Bolsonaro – não é apenas o que está acontecendo no terreno. A outra grande questão é que a Amazônia não é “os pulmões do mundo”. Não produz 20% do oxigênio do mundo. A ideia de que precisamos para a produção de oxigênio é um mito. É apenas uma ciência básica das plantas: a Amazônia usa tanto oxigênio quanto produz, através de um processo chamado respiração, que puxa nutrientes do solo para as plantas. Esse processo acompanha a fotossíntese.

Isso não é importante?
Não precisamos dele para oxigênio, e aqueles de nós que se preocupam com o ambiente natural – que é basicamente a maioria das pessoas – têm muitas razões melhores para querer protegê-lo. Mas a partir das décadas de 1950 e 1960, os conservacionistas perceberam que poderiam obter muito mais atenção da mídia dizendo às pessoas que os problemas ambientais não eram apenas problemas com os quais as pessoas deveriam se preocupar porque amam o meio ambiente. Em vez disso, começaram a dizer que realmente eram problemas que ameaçavam um apocalipse ou o fim do mundo. Eles têm feito isso com basicamente todos os problemas ambientais. É manipulador. É um triste comentário sobre o cinismo de muitos ambientalistas e cientistas ambientais, que pensam que não podem levar as pessoas a se importarem com a natureza e que nós apenas nos importamos.

Por que é perigoso exagerar os riscos dos incêndios na Amazônia?
Bem, o grande está acontecendo agora. O presidente Bolsonaro, por necessidades de relações públicas, sentiu a necessidade de enviar os militares para a Amazônia. O problema disso é que ele descreve os problemas da Amazônia como atividade “ilegal”. A imagem que é apresentada é que esses incêndios estão sendo criados por criminosos e vândalos de fora das florestas. Trinta milhões de pessoas vivem na Amazônia. Mas sempre que a mídia e ambientalistas ocidentais apontam para as pessoas que vivem na Amazônia, elas apenas apontam para os povos indígenas. Mas os povos indígenas são apenas um milhão dos 30 milhões. Existem muitos brasileiros normais lá. Estes tendem a ser descendentes de escravos ou pessoas de raça mista que estão tentando ganhar a vida. Eles não são todos ‘bons’ ou todos ‘ruins’. São pessoas que desenvolvem a área da mesma maneira que europeus desenvolveram a Europa e americanos desenvolveram os Estados Unidos. E se quisermos proteger mais o meio ambiente natural, teremos que trabalhar com essas pessoas, não para difamar e demonizá-las.

O que está motivando o alarmismo no Ocidente?
É como uma cebola que você precisa descascar – há muitas razões para isso. A primeira é, obviamente, que você recebe mais atenção da mídia por meio do alarmismo, e a atenção da mídia é importante para sustentar e arrecadar dinheiro para as organizações. Minha própria organização, o Progresso Ambiental, teria mais dinheiro se eu fosse mais alarmista. Também é muito perceptível para mim que as pessoas que se envolvem em alarmismo ambiental tendem a ser seculares e à esquerda. Se você está na direita política, em grande parte do mundo ocidental, tende a ter uma religião tradicional, com seus próprios deuses e sua própria visão do apocalipse. Você não precisa de uma ideologia política para cumprir isso. Após a queda do comunismo e o fracasso do marxismo de maneira mais ampla, a esquerda precisou de uma nova religião apocalíptica e que se tornou ambientalismo.

O que está motivando aqueles que não são ativistas ambientais, como o presidente Macron?
Há algo mais acontecendo lá. Há um esforço para representar interesses econômicos europeus sobre interesses brasileiros. Acho que uma das coisas mais interessantes que descobri durante minha reportagem na Amazônia é que os próprios agricultores de Macron estão oferecendo muita resistência ao acordo comercial entre a UE e o Brasil, pois envolve a importação de muita comida brasileira. Isso faz sentido quando você pensa sobre isso. Então Macron parece estar fazendo algo que pode permitir que ele não se envolva nesse acordo de livre comércio com o Brasil. Eu acho que o comércio tem sido ótimo para o Brasil de várias maneiras, e obviamente também teve algumas consequências negativas. Mas – e é isso que costuma ser bom em apontar – a moralização de Macron está a serviço de uma agenda de interesse próprio. Isso é antiético. É uma estratégia para esconder o interesse próprio por trás do altruísmo.

Existem outras causas ambientais que são usadas dessa maneira?
Nas duas grandes questões ambientais de nosso tempo – mudança climática e desmatamento -, o mundo rico diz ao mundo em desenvolvimento: ‘Oh, você sabe como desenvolvemos através do desmatamento e do consumo de combustíveis fósseis? Você não será capaz de fazer nenhum deles. E acontece que temos a ciência para mostrar por que você precisa permanecer pobre. Quero dizer, é uma fraude, certo? Acho que somos semelhantes aos pós-marxistas, o que significa que ainda mantemos a hermenêutica da suspeita. Então, quando alguém está falando sobre como ‘tornar o mundo um lugar melhor’, vale a pena se perguntar se eles realmente estão defendendo um tipo de controle, se estão fazendo um movimento de poder ou se há uma agenda sendo disfarçada de altruísmo .

E as mudanças climáticas?
O verdadeiro embuste climático não é que as mudanças climáticas não estejam acontecendo. Isso é ridículo – é claro, há mudanças climáticas. A verdadeira farsa é como a mudança climática tem sido usada para avançar uma agenda das nações ricas para manter os países em desenvolvimento baixo, privá-los de recursos e impedir sua competitividade internacionalmente. Não é uma conspiração, apenas um resultado natural de países poderosos agindo por interesse próprio – mas eles podem falar de maneira educada sem parecer colonialistas opressivos.

Adicionar comentário