O DESMONTE DO BRASIL QUE A LAVA JATO TENTOU CONSTRUIR?
Caro leitor, - Crusoé
Não pense que o título deste texto é um arroubo que pretende apenas fisgar sua atenção.
Vamos provar que não é esse o caso.
O título deste texto pretende, sim, chamar sua atenção, mas para a situação delicadíssima enfrentada pela Lava Jato, em particular, e pela luta contra a corrupção, em geral.E tudo pode se precipitar nos próximos 30 dias.Vamos aos fatos.


Leia, por favor, o texto a seguir, retirado de uma reportagem publicada pela Folha de S. Paulo:
12/9/19

Não importa agora se você gosta ou não do jornal — vamos nos atentar ao fato relatado: o que ele significa?

Significa que a conduta do então juiz Sergio Moro provavelmente será considerada suspeita pelo STF.

Significa que provavelmente haverá votos suficientes para que o processo do triplex seja anulado e Lula seja colocado em liberdade.

O agravante é que as coisas não param por aí.

Lula é, sem dúvida, um personagem icônico da lama que se espalhou na vida pública brasileira.

Mas todas as evidências e fatos indicam que a onda anti-Lava Jato não vai se contentar em colocar apenas um corrupto e lavador de dinheiro na rua.

A onda anti-Lava Jato quer colocar o maior número possível de corruptos e lavadores de dinheiro na rua.

Veja trecho de outra reportagem, que trata da movimentação pelo fim da prisão para condenados em segunda instância — o dispositivo pelo qual foi possível encarcerar Lula e outros:

12/9/19
Em resumo, outubro pode ser um marco da história brasileira: a destruição dos avanços obtidos nos últimos cinco anos contra a corrupção e os corruptos.

É um assombro.

Podemos — e devemos — estar assombrados, mas não fomos surpreendidos.

Os jornalistas e o jornalismo da Crusoé antecipou cada movimento dessa ofensiva contra a Lava Jato, com apurações exclusivas.

As provas estão reunidas abaixo, com as chamadas das reportagens — todas disponíveis para leitura no Acervo da Crusoé.

Em março, os repórteres Felipe Coutinho e Mateus Coutinho mostraram que o Ministério Público Federal, motor das denúncias contra os corruptos, eram alvo da ofensiva anti-Lava Jato…

…e o que aconteceu depois disso?

Depois disso, Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa, virou alvo de processos internos no MPF.

Depois disso, Augusto Aras, um crítico da Lava Jato, foi indicado para o posto de Procurador-Geral da República: é ele quem poderá ditar o ritmos das investigações da operação no MPF.

Em junho, o repórter Fabio Serapião mostrou que o ataque hacker aos procuradores da Lava Jato pretendia ferir Sergio Moro e criar um ambiente desfavorável à Lava Jato…

…e o que aconteceu depois disso?

Desde então, as mensagens roubadas têm sido usadas para alimentar suspeitas contra Moro e para anular o processo que resultou na condenação de Lula.

No mesmo mês, o repórter Caio Junqueira revelou uma aliança não declarada entre os petistas e o ministro do STF Gilmar Mendes, que se apoiaram nas mensagens vazadas para tentar derrotar a Lava Jato…

…o que aconteceu depois está expresso na reportagem exibida no início deste texto — reproduzida abaixo novamente:

Em agosto, os repórteres Caio Junqueira e Fabio Serapião mostraram ainda que se esboçava um acordão entre os três Poderes.

O alvo não era apenas a Lava Jato, mas todos os órgãos que vinham municiando o combate à corrupção — como a PF, a Receita e o Coaf…

Por último, mas não menos importante, a Crusoé mostrou por que a Lava Jato deveria ir em frente…

A reportagem se apoiou em fatos, em números.

Leia um trecho, por favor:

Em cinco anos, a Lava Jato acumula números sem precedentes no combate à corrupção e a crimes do colarinho branco. Somados os dados das forças-tarefa montadas no Rio de Janeiro, em São Paulo, em Brasília e no Paraná, onde tudo começou, são mais de 24 bilhões de reais a serem devolvidos nos próximos anos para os cofres públicos, em decorrência de 219 acordos de colaboração com pessoas físicas e 13 acordos de leniência com empresas. Foram expedidos 351 mandados de prisão preventiva e 194 de prisão temporária, além de 1.700 ordens de busca e apreensão em todo o país, cujos resultados levaram mais de duas centenas de investigados ao banco dos réus. Somadas, as penas dos que restaram condenados, incluindo políticos poderosos e empresários bilionários nunca antes alcançados pela Justiça, chegam a 3.096 anos. A operação ainda conseguiu o feito de mostrar que, sim, é possível acabar com o ciclo de impunidade que vem desde a descoberta do Brasil pelos portugueses…

Todas essas reportagens estão disponíveis no Acervo da Crusoé.

Agora, olhando novamente para a frente: outubro será um mês decisivo para a Lava Jato, para o combate contra a corrupção, para o Brasil. Você pode esperar tudo acontecer e se informar depois, ou pode se antecipar aos fatos, saber em primeira mão o que se passa nos bastidores do poder e se preparar para o que virá.

Adicionar comentário