Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 4092

Caixa de PandoraAo longo das últimas décadas, as Instituições Militares, em especial o Exército Brasileiro, ficaram a mercê de ataques e foram massacradas, vilipendiadas e caluniadas sem quartel pelas organizações de esquerda. Envergonhadas, impotentes e passivas suportaram caladas, mesmo quando a sua dignidade e a sua grandeza impunham algum tipo de resposta. Inermes, permitiram o denegrimento de sua honra.

Texto completo


Eventualmente, alguns chefes militares demonstraram uma simpática conivência com antigos detratores e patrocinaram atos cercados de simbolismo, como a concessão de honras e reconhecimentos militares, normalmente gratuitos, que marcaram o alinhamento espúrio.

Se alguém ganhou com aqueles eventos, por certo não foram as Instituições Militares, subservientes e submissas ao momento conjuntural. Engrandecidos foram os agentes do comunismo, premiados, até a contra gosto, em especial, pelo Exército Brasileiro, ilibada entidade, auto alcunhada o farol moral da nação brasileira.

Que magnifico Exemplo !

Assistimos, ano após ano, seguindo uma agenda minuciosa, a Esquerda apontar suas armas e, por meio de uma parcela conivente da mídia, rememorar seus gloriosos momentos, os quais sempre conspurcaram a atuação das FA e seus integrantes no combate à subversão e ao terrorismo.

Seu calendário negro exalta criminosos, cultua forjados mártires, enaltece falsos heróis, distorce a verdade e crucifica as Forças Armadas. E tudo transcorre, às vistas de uma sociedade que, verdade seja dita, não moveu ou move uma palha para defender sua Instituição de maior credibilidade – o Exército Brasileiro.

As poucas vozes que se atreveram a contestar, foram caladas. Um punhado de intelectuais e cidadãos de diversos setores da sociedade amordaçados, manietados, e seu fraco clamor foi soterrado sob a avalanche do patrulhamento ideológico.

Na atualidade, convictos da tolerância das Instituições Militares, a Esquerda inaugura uma nova fase, que se insere no aviltamento pessoal e demonstra, que ninguém estará a salvo do longo braço da justiça comunista. Às favas a Lei da Anistia.

No poder, o PT sinaliza que sua sanha será dirigida ao vilipêndio pessoal e ao esmagamento do individuo.

O julgamento do Cel Ustra abre uma nova caixa de pandora, de onde serão extraídos apenas os fatos que exaltam o virtuosismo comunista, buscando empanar o caráter e a retidão do réu.

O EB, onde o Cel Ustra labutou com dedicação por décadas, foi incapaz de defender – se a altura quando vítima da perseguição canina do comunismo, certamente nada fará para amparar o novo alvo .

E o mais impressionante, é que existindo indícios incontestáveis da realização de delitos materiais, morais e éticos, alguns torpes crimes praticados pelos diversos agentes da subversão, figuras conhecidas, envolvidos direta ou indiretamente em assassinatos e de um rol de transgressões facilmente imputáveis da lei penal, muitos jactados, abertamente, como verdadeiros méritos, a Esquerda, sem qualquer prurido, convicta de sua impunidade, através de ONG de caráter e intenções duvidosas, busca aviltar, ainda mais, aqueles que ousaram lutar contra o seu desiderato.

Assistimos pasmos um novo período de massacre, que atinge, diretamente o individuo e, indiretamente, o Exército Brasileiro.

A esquerda possui hoje o Governo, mas não está longe de conquistar o poder, o que deverá concretizar nos próximos quatro anos, que ninguém duvide.

Quando relembramos os "10 Mandamentos da Ideologia Socialista", constatamos que todos estão sendo aplicados, com total êxito no Brasil e, que no propósito de alcançar seu objetivo maior, a destruição das instituições que possam oferecer resistência, o comunismo vai de vento em popa.

Infelizmente, não vemos qualquer luz , por tênue que seja, no final do túnel.

Eu, não vejo, nem o túnel.

Brasília/DF, 9 de novembro de 2006

Gen. Bda RI Valmir Fonseca Azevedo Pereira