Resultado de imagem para foto de ernesto araujo
Ministro diz que Brasil não reconhece resultado da eleição 
Globo -  G1O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou neste domingo, dia 5, em uma rede social que o Brasil não reconhecerá o resultado para a Assembleia Nacional da Venezuela.

{jcomments on}Segundo o governo de Nicolás Maduro, o deputado Luis Parra, pró-governo, saiu vitorioso. Com isso, se tornou o novo chefe do Poder Legislativo no país. Principal líder oposicionista e autoproclamado presidente da Venezuela desde 2019, Juan Guaidó disse ter sido impedido de votar, e a oposição passou a dizer que houve um “golpe” na eleição.

“AFRONTA À DEMOCRACIA” – “Em Caracas hoje, Maduro tenta impedir, à força, votação legítima na Assembleia Nacional e reeleição de Juan Guaidó para a presidência da AN [Assembleia Nacional] e do governo interino, crucial para a redemocratização do país. Brasil não reconhecerá qualquer resultado dessa violência e afronta à democracia”, publicou Ernesto Araújo neste domingo.

Ernesto Araújo

@ernestofaraujo
Em Caracas hoje, Maduro tenta impedir, à força, votação legítima na Assembleia Nacional e reeleição de Juan Guaidó para a presidência da AN e do gov interino, crucial p/ a redemocratização do país. Brasil não reconhecerá qualquer resultado dessa violência e afronta à democracia.

A maioria da Assembleia Nacional é formada pela oposição a Maduro. O estatuto do órgão previa que fosse realizada votação para a presidência neste domingo.

O governo brasileiro reconhece Juan Guaidó como presidente da Venezuela desde janeiro do ano passado. Em fevereiro de 2019, o presidente Jair Bolsonaro o recebeu no Palácio do Planalto, em Brasília.

PERSEGUIÇÃO – A Venezuela enfrenta uma crise política, econômica e social. Adversários políticos acusam o governo Maduro de perseguição; a inflação no país estava em 815.194% no ano passado; e milhares de cidadãos têm fugido para outros países, entre os quais o Brasil. Reeleito presidente, Maduro afirma que há uma tentativa de golpe no país articulada pelos Estados Unidos.

Comments powered by CComment