Imprimir
Categoria: Política Externa
Acessos: 227

No Irã, manifestantes pedem saída de líderes que mentiram sobre queda de avião
Para companhia aérea da Ucrânia, não fechar o espaço aéreo na quarta-feira (8), pouco depois do ataque às bases americanas no Iraque, foi absolutamente irresponsável.
Por G1 - Globo - 11/01/2020 
Um grupo de manifestantes iranianos demandou neste sábado (11) a saída do líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei, depois que autoridades do Irã admitiram que um míssil de seu próprio exército derrubou um avião com 176 pessoas na quarta-feira (8).
Irã admite que derrubou avião ucraniano por engano; presidente diz que tragédia é 'imperdoável'
Em vídeos postados em redes sociais, a aglomeração aconteceu na frente da universidade de Amir Kabir, em Teerã.

Fo
Imagem de redes sociais do dia mostra iranianos em ato contra líderes do país por terem mentido sobre queda de avião, em 11 de janeiro de 2020 
 
De acordo com o “The New York Times”, os atos foram organizados em redes sociais, originalmente, para lamentar a perda de vidas da queda do avião da empresa aérea Ukraine International Airlines, mas eles se tornaram protestos contra as ações do governo.

Entre os gritos dos manifestantes, há pedidos de “morte aos mentirosos” e “morte ao ditador”, de acordo com o jornal americano.

A agência de notícias Fars, que é semi-oficial, publicou um texto em que descreve que participantes do ato rasgaram fotografias de Qassam Soleimani, o general iraniano morto pelos americanos no dia 3 de janeiro.

A agência publicou um texto com a rubrica da Revista Fars Plus em que diz que um erro não pode levar a outros erros, em uma referência à tentativa inicial de negar o fato de que o avião foi derrubado por militares iranianos.

Irã admite ter derrubado avião ucraniano por erro
“Essa notícia (a da admissão que foram os próprios iranianos os responsáveis pela tragédia) tornou a morte de dezenas de compatriotas ainda mais difícil”, se lê no texto, que pede para que sejam divulgadas informações mais precisas.
Espaço aéreo deveria ter sido fechado, diz companhia aérea
A decisão de não fechar o espaço aéreo na quarta-feira (8), pouco depois do ataque às bases americanas no Iraque, foi absolutamente irresponsável, disse o vice-presidente da companhia aérea ucraniana neste sábado (8).

“Quando se age em uma guerra, se age da forma como se bem entende, mas deve se proteger as pessoas comuns; se ele estão atirando de algum lugar para o outro, têm a obrigação de fechar o aeroporto”, disse Ihor Sosnovskiy, executivo da Ukraine International Airlinesem uma entrevista coletiva.

Yevhen Dykhne, o president da empresa, disse que os iranianos não forneceram informações sobre possíveis riscos antes da decolagem.

Especialistas franceses vão ajudar na decodificação da caixa preta
Especialistas franceses vão ajudar a decodificar as caixas pretas do avião ucraniano que caiu em Teerã, de acordo com declarações dadas no sábado (11) pelos presidentes dos dois países.

Emmanuel Macron, da França, afirmou ao seu homólogo ucraniano, em uma conversa por telefone, que os franceses iniciaram um procedimento formal para que se inicie uma investigação internacional.

Miliitares informaram que o avião voava perto de um local sensível e foi derrubado devido a um erro humano. O comunicado lido na TV estatal diz que as partes ​​responsáveis serão punidas.

Operador tomou 'má decisão'
Amir Ali Hajizadeh, o comandante das forças aeroespaciais, afirmou que a Guarda Revolucionária aceita a responsabilidade plena pelo incidente.

A Guarda Revolucionaria explicou que o operador do sistema de defesa confundiu o avião com um míssil de cruzeiro.

Hajizadeh afirmou em uma declaração televisionada que o operador teve 10 segundo para decidir se iria disparar ou não, mas que ele tentou contatar seus superiores para obter a aprovação para efetuar o disparo, mas que o sistema de comunicação falhou e ele tomou "uma má decisão".

O avião foi derrubado por um míssil de curto alcance, segundo ele. O comandante revelou neste sábado (11) que já sabia que o avião ucraniano foi derrubado por um míssil desde o dia em que o incidente aconteceu, 8 de janeiro.