Após interferência do STF, Bolsonaro cancela nomeação de Ramagem, mas diz que não desiste de seu nome para a PF
André Mendonça é o novo ministro da Justiça e Segurança Pública
ANDRÉ MENDONÇA
Jornal da Cidade - 28/04/2020
André Mendonça é o novo ministro da Justiça e Segurança Pública


Ramagem tem o respeito da Federação Nacional dos Policiais Federais (leia a Nota Oficial)
28/04/2020 às 18:15
Assim que foi anunciado o nome de Alexandre Ramagem, como o novo diretor-geral da Polícia Federal (PF), para ocupar a vaga deixada por Maurício Valeixo, a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) emitiu um nota oficial informando que Ramagem tem o total respeito da categoria.

Segundo a nota, a PF vê com “tranquilidade” tanto a nomeação do novo diretor-geral, quanto do novo ministro da Justiça, André Mendonça, que a partir de agora ocupará a vaga deixada por Sérgio Moro.

“O nome de Ramagem estava entre os mais cotados para o cargo. Ele integrou chefiou a escolta pessoal do presidente Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018. A entidade considera que Alexandre Ramagem é um policial perfeitamente qualificado para o cargo e tem o respeito da categoria”, afirma o texto.
A Fenapef ainda ressaltou que é importante que a PF mantenha-se distante “de qualquer interferência política e acredita que seguirá com autonomia e independência nas suas investigações”.

“Os mais de 14 mil policiais federais representados pela Federação seguirão vigilantes e reiteram que não vão abrir mão da independência e autonomia investigativa da Polícia Federal”.
Confira a Nota Oficial da Fenapef:

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) recebe com tranquilidade a designação do Advogado Geral da União, André Mendonça, para o Ministério da Justiça, e de Alexandre Ramagem para o comando da Polícia Federal.

O nome de Ramagem estava entre os mais cotados para o cargo. Ele integrou a escolta pessoal do presidente Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018. Consideramos que Alexandre Ramagem é um policial perfeitamente qualificado para o cargo e tem o respeito da categoria.

A Fenapef reforça a importância de a Polícia Federal se manter distante de qualquer interferência política e acredita que seguirá com autonomia e independência nas suas investigações. Os mais de 14 mil policiais federais representados pela Federação seguirão vigilantes e reiteram que não vão abrir mão da independência e autonomia investigativa da Polícia Federal.

Até o momento, não se tem notícia de qualquer interferência nas investigações em andamento, até porque a Polícia Federal detém autonomia investigativa e técnico-científica asseguradas em lei.

A Federação Nacional dos Policiais Federais não se furtará à defesa intransigente de todos os policiais federais e da melhoria e independência das investigações no nosso país. A entidade acredita na modernização da Polícia Federal, com porta única de entrada, ciclo completo de polícia e manutenção da autonomia investigativa, sem interferência política na atuação dos policiais federais.
Brasília, 28 de abril de 2020