Hungria: O Cerco se Fecha Contra George Soros | Crítica NacionalFHC - Fabiano com George Soros
Uma ativista de George Soros no Ministério da Justiça
Por Cristian Derosa -27/02/20195
Nomeada para suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, pelo ministro Sérgio Moro, a ativista Ilona Szabó é diretora executiva do Instituto Igarapé, financiado por entidades como a Open Society Foundations, do milionário George Soros. Ilona, que é diretora da Rede Pense Livre, cuja principal bandeira é a descriminalização das drogas.
Segundo o Portal da Cannabis, Ilona é uma guerreira. Em 2017, ela elogiou o ministro Barroso pela coragem de discutir o tema da descriminalização: “Barroso é corajoso ao propor regulação da cocaína”, disse

O presidente [da Colômbia, Juan Manuel] Santos foi quem primeiro colocou isso na mesa, no Encontro das Américas de 2012. Ele disse: “A gente precisa falar também da cocaína”. Aqui no Brasil, é a primeira vez que vejo alguém de peso falando sobre isso, dentro do establishment político. Foi uma fala muito feliz, a do ministro Barroso. Muito corajoso”, disse Ilona.

Ainda sobre a descriminalização e as possibilidades dentro de um governo, Ilona comenta: “O Judiciário avança dentro do que pode. Nem o Legislativo nem o Executivo têm coragem de desfazer distorções”

Ativista pelo desarmamento civil e favorável à descriminalização das drogas, Szabó foi coordenadora executiva do secretariado da Comissão Global de Políticas sobre Drogas, entre 2011 e 2016, entidade que já foi presidida por Fernando Henrique Cardoso. Ilona é funcionária número um do globalismo internacional e uma influente peça de destruição de nações por meio da qual a elite financeira mundial atua. Como todo ativista bem pago e influente, onde estiver Ilana está as mãos de Soros, símbolo das grandes fortunas interessadas em submeter legislações nacionais aos seus projetos supranacionais.

Inimiga declarada de todo o projeto que elegeu o governo Bolsonaro, Ilona Szabó contribui frequentemente com agências de notícias como Foreign Affairs, Huffington Post, New York Times e O Globo, além de ter sido convidada para o TED em 2014 e 2016, e Davos, também em 2016. Ilona foi co-roteirista do documentário Quebrando o Tabu (também financiado pela Open Society, de Soros) e dirigiu o curta Faces of Violence – A Non-Fiction Story, lançado na Assembleia Geral da ONU. É também autora dos livros Drogas: as histórias que não te contarame Segurança Pública para virar o jogo, (2017 e 2018, Zahar). É colunista da Folha de S. Paulo e foi comentarista do programa Estúdio i, da Globo News.

Segundo o site do Instituto Igarapé, a iniciativa da Comissão sobre Drogas produziu “documentários sobre as consequências devastadoras da guerra às drogas impressionaram e engajaram milhões de pessoas ao redor do mundo”. Ela ganhou fama ao participar como roteirista do documentário “Quebrando o tabu”, filme que trata da descriminalização das drogas, conduzido por Fernando Henrique e visto por mais de 20 mil pessoas, informa o Portal da Cannabis.

Um órgão de engenharia social ligado às Nações Unidas e globalistas de renome, como Richard Branson e o ex-Secretário Geral da ONU, Kofi Annan.

Em 2015, foi nomeada Jovem Líder Global do Fórum Econômico Mundial e Líder Responsável da Fundação BMW. Faz parte da Rede de Empreendedores Cívicos da RAPS e lançou diversas redes de experts, incluindo Pense Livre, a Rede de Transformação Pública e o Movimento Agora! Ilona serve e atua em diversos conselhos de ONGs e entidades globais, incluindo o conselho consultivo da organização Drug Policy Alliance, da Rede Young Global Leaders.

Com a sua nomeação para o Ministério da Justiça, não será a primeira vez que Ilana é colocada em posto estratégico em governos do Brasil. Ela já preside o Conselho de Segurança Pública da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN).

United States Agency for International Development (USAID) e Fundação McArthur
Ilona também atua junto a fundações internacionais e organizações multilaterais. Em 2016, foi jurada internacional para o Desafio Bloomberg para Prefeitos na América Latina e para a iniciativa 100&Change da Fundação MacArthur. Desde 2007, foi consultora para OECD-DAC, UNDP, UE e diversas ONGs internacionais, conduzindo avaliações pela América Latina e África. Seu instituto também é financiado pela USAID, um dos mais importantes órgãos internacionais de expansão do aborto e controle populacional, famoso pela publicação do polêmico Relatório Kissinger, na década de 1970.

Informações: Instituto Igarapé

Financiadores do Instituto Igarapé

Adicionar comentário