Ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo
22/04/2020
REUTERS/Ueslei Marcelino

Ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo 22/04/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

Oposição não deve esticar a corda, diz Ramos sobre golpe
O ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, ainda disse que o presidente Jair Bolsonaro "nunca pregou o golpe"
Redação, O Estado de S. Paulo - 12 JUN 2020 15h03atualizado às 15h21
Ministro da Secretaria de Governo, o general Luiz Eduardo Ramos declarou que o presidente da República, Jair Bolsonaro, nunca defendeu um golpe militar no País, mas alertou a oposição a "não esticar a corda". A afirmação foi feita em uma entrevista à revista Veja, publicada em sua versão online nesta sexta-feira, 12.



A declaração de Ramos foi resposta a um questionamento sobre a possibilidade de um golpe militar no Brasil. O ministro citou que foi instrutor da academia do Exército por vários anos e que formou boa parte dos comandantes da Força, mas que eles veem como ofensiva a narrativa de que as Forças Armadas vão romper com o regime democrático.

"O próprio presidente nunca pregou o golpe. Agora o outro lado tem de entender também o seguinte: não estica a corda", disse o ministro.

Na entrevista, o ministro também criticou o Poder Judiciário, citando o processo de impugnação da chapa Bolsonaro/Mourão que corre no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o qual disse ter viés político e classificou como um "julgamento casuístico" e a comparação feita pelo ministro Celso de Mello, que comparou o presidente a Hitler. "Vazou a mensagem de WhatsApp em que o ministro do Supremo comparou o presidente Bolsonaro ao Hitler e os seus seguidores a nazistas. Isso contribui para o clima de diálogo e para buscar uma harmonia entre os poderes? Acredito que não."

Já fez seu planejamento financeiro para 2020?

Em outro momento, o general afirma que se infiltrou na manifestação contra o presidente do último domingo, 7, em Brasília, disfarçado com gorro, máscara e óculos escuros. O ministro afirmou que a rua é pública, mas que as roupas pretas o passavam a ideia de "autoritarismo" e "black blocks". "Eles não usavam vermelho para não pegar mal. Mas me pareceu que eram petistas", disse à publicação.

Ao longo da entrevista, Ramos também comenta outros temas, como seu pedido para integrar a reserva das Forças Armadas, o cenário da pandemia e a articulações com o Centrão para melhorar a governabilidade. A entrevista completa vai às bancas na edição do dia 17 de junho de 2020.

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar