Percival Puggina - Página inicial | Facebook
Por Percival Puggina
Última atualização 12 de agosto de 2020 
Pensando, cá com os meus botões:Se o STF não deixou fazer, se governadores e prefeitos não fizeram, e se a grande imprensa desqualificou o que Bolsonaro queria ter feito, responsabilizá-lo por 100 mil mortes é denunciação caluniosa para fugir da própria culpa.No Brasil, em quase tudo, a diversidade de intuitos políticos perturba a difusão da informação. Há profissionais trabalhando para que os fatos sejam conhecidos, outros para que passem despercebidos, outros para que sejam permanentemente lembrados e outros, ainda, para que sejam registrados como lhes convenha. Vejam, por exemplo, o caso da Covid-19 ao tempo do ministro Luiz Henrique Mandetta. No começo da crise, ele era pressionado em sucessivas entrevistas coletivas para se contrapor ao presidente que cobrava por políticas que conduzissem a uma redução bem mais branda das atividades econômicas. Ele sorria e resistia àquela evidente pressão.


Em longas tardes de quarentena, a nação recebia comprimidos diários de terror com os números que chegavam da Europa. Rodadas de informação e orientação iam sendo entregues aos fidelizados consumidores brasileiros desse conteúdo . Aos poucos, como se sabe, o ministro entrou em rota de colisão com o presidente da República. Bastou isso, com o vírus desembarcando em São Paulo, para o ministro se tornar o novo “queridinho” do jornalismo militante do país.
Em pouco tempo surgiram pesquisas para afirmar que, cotejado com Bolsonaro, o ministro agradava a muito mais gente. Acompanhado por um séquito de técnicos, durante longas horas diárias, ele teve franqueada plateia em todos os grandes canais de News. Era o ministro da “ciência, disciplina, planejamento e foco”. Falava em cadeia nacional. Deixou o ministério no dia 16 de abril aplaudido pela grande imprensa e entrou imediatamente na lista dos presidenciáveis de 2022.Nos grandes veículos, ninguém fala na desinformação semeada naqueles dias, nem nos danos causados. Densas nuvens de esquecimento caem sobre a recomendação para que fossem adiadas cirurgias eletivas e consultas, levando as pessoas a um “distanciamento horizontal” dos hospitais, clínicas, laboratórios, postos de saúde e consultórios médicos (1).


Hospitais ficaram vazios e os profissionais desocupados. As pessoas se esconderam em casa, mas a integralidade de sua saúde ficou ao desabrigo.
Ninguém fala da orientação para enfermos com sintomas de covid-19 só buscarem a rede de hospitais quando tivessem febre de 38 graus ou mais e sentissem falta de ar, sabidamente estágio em que a doença já adquiriu gravidade (2).

Ninguém fala na desatenção ao tratamento precoce, este sim, de reconhecidos bons resultados e ainda hoje relegado por disputas ideológicas em torno dos medicamentos para essa finalidade. Ninguém fala, por fim, do imenso dano social e econômico causado pelo achatamento de uma tal de curva durante as muitas semanas em ela foi apenas uma reta horizontal. Ninguém queria ouvir a divergência…

A covid-19 é uma doença, mas seu desenvolvimento no Brasil é, também, sintoma de enfermidades inerentes à desonestidade intelectual que caracteriza o modo como se faz política por estas bandas.

Referências:
(1) https://brasil.elpais.com/brasil/2020-03-27/cancelamento-em-massa-de-exames-e-de-cirurgias-ate-para-cancer-abre-debate-sobre-medida-contra-coronavirus.html

(2) https://brasil.elpais.com/brasil/2020-02-27/quando-procurar-ajuda-medica-por-sintomas-do-coronavirus.html

Percival Puggina (75), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões e A Tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+.

http://www.puggina.org

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar