Imprimir
Categoria: Notícias
Acessos: 1798

Augusto Nunes perde a paciência e bate de frente com o pequeno ditador :“Vai ter festa, sim!” 

LER NA ÁREA DO ASSINANTE

O assunto está virando polêmica em razão da pandemia e das regras de isolamento social impostas por diversos governadores. Em São Paulo, o governador João Doria disse diz que aumentará a fiscalização para coibir as festas de fim de ano. Já no Rio Grande do Sul, o governador Eduardo Leite adotou medidas restritivas, e impôs um limite máximo de participantes nas comemorações.

A população, já cansada após vários meses de isolamento e restrições que oscilam a rotina de todos, não tem aceitado de bom grado as imposições que visam controlar uma festa tão tradicional quanto o réveillon.

Augusto Nunes acabou por dar voz à revolta da maioria e diz que “vai ter festa, sim”.

“Agora voltamos ao autoritarismo. Eu quero me declarar aqui, e não é brincadeira, não, em desobediência civil. Eu vou festejar o réveillon em casa. Eu vou, depois se quiser eu passo o endereço para os órgãos competentes”, disse ele, verbalizando o que muitos estão pensando.

E prosseguiu, lembrando que a propriedade privada é garantida pela Constituição Federal, e a menos que em caso de flagrante delito, inviolável.

“Eu só quero um mandado, uma autorização, para invadir a propriedade. Eu quero que provem que eu represento algum perigo à saúde da sociedade. Eu quero que provem que eu estou ameaçando alguém, porque eu não vou deixar de festejar o réveillon por causa de uma ordem que não se sustenta em nenhuma lei”.