Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 1836

 Por Jânio de Freitas - Folha de S. Paulo

Foi o Brasil que o presidente comprometeu com o apoio explícito, e assinado, a Álvaro Colom, da Guatemala.
A RESPOSTA de Lula às críticas a seu apoio ao presidente da Guatemala, Álvaro Colom, apontado como mandante de assassinato, não se satisfaz em expressar sua grosseria presunçosa: é um ato irresponsável de comprometimento do nome do Brasil.

 

Texto completo

Álvaro Colom está sob investigação, e repudiado por grande parte do seu país, desde que conhecido o vídeo em que o advogado Rodrigo Rozenberg registrou haver um mandante -Álvaro Colom- de seu possível assassinato. Tal como estava advertido, Rodrigo Rozenberg foi assassinado, em seguimento às severas acusações de corrupção, e outras, com que deixou Colom sob forte clamor nacional por sua renúncia.
Lula definiu

como "muita tacanha" a visão que, ao criticar a visita e o acordo com que deu apoio a Álvaro Colom, por ignorância não sabe que "a relação internacional não é entre homens, é entre Estados. E as pessoas estão no governo porque foram eleitas".


Esse argumento não precisa de outro para atestar a irresponsabilidade do apoio de Lula a Colom. Que ele, em pessoa, desse apoio ao apontado como mandante de um crime de homicídio e político, seria só uma subida na escala que já o levou a tantos outros apoios pessoais inaceitáveis, entre o miúdo autor de extorsões Severino Cavalcanti e os favorecimentos aos seus amigos da Oi/ Telemar, por exemplo.


É o próprio Lula a afirmar, porém, que não foi à Guatemala como pessoa, foi em nome do Estado brasileiro. Logo, por seu argumento, foi ao país que ele comprometeu com o apoio explícito -assinado, fotografado, declarado- a um presidente envolto nas piores tradições da Guatemala. Cuja história é marcada por sucessivos genocídios, golpes de Estado, corrupção vulgar e venalidade estatal nas relações externas da sua face de "república bananera".


E estar no governo porque eleito não é um valor em si, como presume a filosofia política de Lula. Primeiro, porque depende dos caminhos utilizados para ver-se eleito, e nas "repúblicas bananeras" a história criou e deixou as vias mais desprezíveis. Além disso, porque o valor institucional da eleição não é dado pela urna, mas pelos modos e fins de uso do mandato. Em caso de dúvida persistente, é só Lula perguntar a seu atual aliado Fernando Collor.


Ainda que Álvaro Colom venha a ser isentado do crime, o que não seria surpreendente na Guatemala em que tantas vezes presidentes se igualaram ao poder de vida e de morte, o ato de Lula não encontrará justificativa. É um ato com qualificações mais apropriadas do que tacanho.