Revista Veja - A ex-terrorista Ana Corbisier participou de dois assaltos e um homicídio. Agora, posa de vítima para receber indenização de 70 milhões de reais. Ela abandonou o emprego para tentar instaurar uma ditadura comunista no Brasil

No fim dos anos 60, a então assistente de produção na Fundação Padre Anchieta Ana de Cerqueira César Corbisier decidiu juntar-se à Ação Libertadora Nacional (ALN), organização clandestina liderada por Carlos Marighella que aderiu à luta armada como forma de combater o regime militar e instaurar uma ditadura comunista no Brasil. Ela participou de dois assaltos a banco em São Paulo, num dos quais um policial foi morto a tiros. Indiciada em inquérito, decidiu mudar-se para Cuba, onde fez curso de guerrilha, e, mais tarde, para a França, onde viveu até retornar ao Brasil com a Lei da Anistia, em 1979. Em 2001, Ana bateu à porta da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça e, desde 2007, recebe da União uma pensão mensal vitalícia de 2 744 reais, além de indenização parcelada de 361 500 reais.

Texto completo

Ana é um dos 30 967 brasileiros beneficiados com os 2,6 bilhões de reais concedidos a vítimas do regime militar. Já é absurdo chamar de "vítima" alguém que entrou voluntariamente para uma organização terrorista e atuou num assalto que resultou em homicídio (não se tem notícia de que ela tenha sido presa ou torturada). Ocorre que, além da pensão vitalícia e da indenização conquistadas, Ana pleiteia também uma milionária compensação trabalhista: quer receber os salários que deixou de ganhar na Fundação Padre Anchieta por ter abandonado o emprego para pegar em armas. Caso ganhe a ação, ela poderá embolsar nada menos que 70 milhões de reais, segundo os cálculos da Fundação Padre Anchieta, responsável pela rádio e TV Cultura. O valor é quase um terço do orçamento anual da entidade, bancada em boa parte pelo governo paulista. O dado irônico é que, em 1987, uma das testemunhas arroladas por Ana no processo foi seu amigo Aloysio Nunes Ferreira, hoje secretário da Casa Civil do governo José Serra, que poderá ter de arcar com o prejuízo. No processo, Ana alega que teve de deixar o país por temor de ser presa pelos militares. E o que é que a fundação tem a ver com isso? Nada, como admitiu sua advogada, Rita de Cássia Vivas, durante sessão do Tribunal Superior do Trabalho. "Mas o que não pode ser desprezado é que ela efetivamente foi perseguida politicamente", completou. É o caso de fazer a pergunta que fez Millôr Fernandes: "A luta armada não deu certo e eles agora pedem indenização?". E de chegar à mesma conclusão que chegou o escritor: "Então, eles não estavam fazendo uma rebelião, mas um investimento". É o Bolsa Guerrilha.

Especial

 

Comentário do site www.averdadesufocada.com :

Leia a reportagem completa na Revista Veja de 14/10/2009 , inclusive um documento da Presidência da República - Secretaria Geral , acusando o recebimento do requerimento de Ana de Cerqueira Cesar Corbisier. Nesse documento é relatado a situação da requerente em um Relatório do Inquérito, datado de 31 de março de 1970, onde é acusada, entre outras, das seguintes ações :

- Ser integrante do setor armado  da Ação Libertadora Nacional - ALN:

- 25/04/69 - tentiva de assalto contra a agência da Barra Funda  do Banco Itaú América,  onde foi ferido a tiros o policial miltar  Alvaro Vilanova Filho;

- 07/05/69 - assalto a União de Bancos Brasileiros , em Suzano, sendo roubada a importância de NCr$ 5000,00 . Na ocasião foi morto a tiros o agente policial José de Carvalho;

- 04/06/69 - utilização do carro de sua propriedade no roubo de uma metralhadora "INA" de um policial militar - Boaventura Rodrigues da Silva - que na ocasião foi morto a tiros .

 

Observação: Aloysio Nunes Ferreira foi ministro da Justiça, no governo  Fernando Henrique. Ele  não é apenas amigo de Ana Corbisier, como cita a reportagem da Veja, e, sim companheiro de luta armada, ambos tendo atuado na mesma organização terrorista - ALN. . Aloysio ( Beto ou Mateus)   participou do assalto ao trem pagador da Santos-Jundiaí e, em outubro  desse mesmo ano, do assalto ao carro pagador da Massey-Ferguson.  Foi motorista de Marighela, conhecido pela violência de seus atos e pelo incentivo à luta armada e ao terrorismo.

Aloysio Nunes Ferreira  hoje é Secretário da Casa Civil do Governo José Serra, também à época, militante de uma organização terrorista, a Ação Popular - AP .

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar