diz Lula sobre mensalão do DEM - Por Lúcia Jardim  - Direto de Estoril - Portal Terra
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se recusou a comentar nesta terça-feira, em Portugal, a denúncia sobre o mensalão do DEM, suposto esquema de pagamento de propina durante a campanha eleitoral de 2006 do atual governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM). Segundo Lula, as imagens obtidas durante investigações da Polícia Federal (PF) que mostram Arruda recebendo dinheiro não falam por si.

"A imagem NÃO fala por si. O que fala por si é todo o processo de apuração e de investigação. Quando tiver toda a apuração e toda a investigação terminadas, a Polícia Federal vai ter que apresentar um resultado final do processo", afirmou Lula antes de partir de Estoril (Portugal) rumo a Kiev (Ucrânia).

Texto completo

O presidente disse ainda não estar a par de todas as denúncias envolvendo Arruda e seu governo. "Eu não estou acompanhando porque está na esfera da Polícia Federal. Se está na esfera da Polícia Federal, o presidente da República não dá palpite, espera a apuração para depois falar alguma coisa. Vamos aguardar", disse o presidente.

Mais cedo, o petista afirmou que só vai se pronunciar sobre o mensalão do DEM depois que a PF apresentar as suas conclusões sobre o caso de pagamento de caixa dois no governo do Distrito Federal. "Aí anuncia e você pode fazer juízo de valores. Mesmo assim, quem vai fazer juízo de valores final é a Justiça. O presidente da República não pode ficar dando palpites se é bom ou se é ruim", disse Lula, lembrando que já enviou duas propostas de reforma política para votação do Congresso Nacional, uma delas incluindo o financiamento público das campanhas eleitorais.

"Eu espero que o Congresso Nacional tenha maturidade para compreender que grande parte dos problemas que acontecem com dinheiro é a questão da estruturação partidária no Brasil", afirmou o presidente, para quem a reforma política "é condição fundamental para que a gente tente evitar que problemas como este continuem ocorrendo no Brasil".

Adicionar comentário