Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 3935
 Analogia ao histórico fato em iwo jima, quando americanos sustentaram a bandeira no combatePor Ruy Regis de Brito
Passados mais de 40 anos da contra-revolução de 31 de março de 1964, não se pode admitir que, em nome de uma conciliação nacional, buscada de forma unilateral, se continue a reescrever a História, impondo-se a versão dos perdedores, aqueles que lutaram de armas na mão para a implantação de uma ditadura comunista neste País, a mesma que assassinou milhões de seres humanos na União Soviética, China, Cuba, etc, hoje apresentados como paladinos da justiça, da democracia e dos direitos humanos.
Texto completo
Intensamente orquestrada, seguindo os ensinamentos do instrumental teórico marxista-leninista, atualizado por Gramsci, a deturpação toma o lugar do fato real, conquistando corações e mentes, sem contestação a altura. Muito pelo contrário, com o assentimento, fruto da apatia e da covardia moral, das lideranças civis democráticas e, principalmente, em razão do acuamento e miopia dos chefes militares, estes em verdadeiro processo de autofagia institucional, perdendo gradativamente a capacidade de influir nas grandes decisões nacionais.

É uma realidade o sucateamento material das Forças Armadas, a interferência do Judiciário, gerando o enfraquecimento dos seus pilares básicos, e os conseqüentes danos ao clã profissional, à sua imagem, tradições e à sua mística, segundo a qual sempre se apresentaram e atuaram, respondendo aos anseios e aspirações do povo brasileiro, em diversas ocasiões cruciais de nossa História, como também ocorreu em 1964, em 31 de março.

31 de Março significou, primeiramente, o alijamento de um presidente, João Goulart, incapaz, dúbio, manipulado pelos comunistas, que agravava, com sua ação e omissão deliberadas, o caos econômico e social reinante no País, a divisão, a indisciplina e a rebelião nas Forças Armadas. Como vice-presidente de Jânio Quadros, em visita à China comunista, afirmou sua intenção de estabelecer no Brasil uma república popular e que para tanto "seria necessário contar com as praças para esmagar o quadro de oficiais reacionários." Logo após a posse de Jango, campos de treinamento de guerrilheiros surgiram, bem como foi lançada por Brizola, aliado de Jango, a Frente de Libertação Nacional, primeiro passo para a criação do Exército Popular de Libertação, de inspiração marxista.

No dia 27 de novembro de 1962, dentro de um avião, que caíra em Lima, encontraram- se, entre os documentos do Presidente do Banco Nacional de Cuba, relatórios sobre a compra de armas para a luta armada no interior do Brasil. Segundo o próprio líder comunista Prestes, que trouxe a Jango o apoio da União Soviética à revolução a ser deflagrada, o presidente conduzia o País, já conturbado, para uma guerra civil, pois, estava em curso o fechamento do Congresso e a imposição das chamadas reformas de base, incentivadas e apoiadas pelos comunistas.

31 de Março significou depor Jango com o apoio, demonstrado nas ruas, de milhões de brasileiros, evitando o desastre social e libertando a nação do jugo comunista.

31 de março significou, com a posse do Gen Castelo Branco, início de período de 20 anos de crescimento e progresso, jamais visto na História do País, elevando-o à oitava economia do mundo. Inicialmente, medidas equilibradas de combate à inflação e de desenvolvimento proporcionaram a adoção de taxa de câmbio flexível e a oferta de crédito a baixo custo às empresas, facilitando o comércio exterior, afastando a recessão e dinamizando a economia. Restabeleceu- se a confiança exterior no País e com isso aumentou-se muito o fluxo de investimentos estrangeiros, possibilitando expressivo desenvolvimento econômico e grande aumento da oferta de empregos.

31 de Março significou visãoestratégica, projetodeNaçãoe planejamento racional, possibilitandoa criaçãodesólida infra-estrutura, particularmente na área de geração deenergia, induzindo ao domínio de tecnologia das mais avançadas, pela engenharia nacional, na construção debarragense hidroelétricas,estas indispensáveis ao crescimento do parque fabril, transportes, bem-estar e lazer do povo.

31 de Março significou Itaipu e Tucuruí, as duas maiores usinas do mundo, Ilha Solteira e Jupiá, Furnas, Estreito, Paulo Afonso, Sobradinho e Esperança, mega complexos, traduzindo aumento de mais de 700% da capacidade instalada ( 4,8 GW em 1963 para 35 GW em 1983), oferecendo energia a baixo custo e abundante. O acordo nuclear com a Alemanha, embora não tivesse atingido a todos os objetivos esperados ( oito usinas nucleares), contribuiu para o estabelecimento de sólida base industrial e de pesquisa, o que colaborou, decisivamente, para o domínio de tecnologia de ponta e avanços significativos, entre eles o do enriquecimento do urânio e do reprocessamento de combustível atômico.

31 de Março significou o fortalecimento da Petrobrás e o aumento da produção de petróleo em mais de 300% (98 mil barris dia para 340 mil barris dia), além do domínio de tecnologia única como a de perfuração e extração em águas profundas, construção de pólos petroquímicos, refino, etc....

31 de Março significou desenvolvimento na área de ciência e tecnologia com a criação e instalação da maior rede de laboratórios e instituições de pesquisas, sendo o Proálcool um dos seus inúmeros subprodutos.

31 de março significou a ampliação da malha rodoviária nacional de 19000km para 75000km, ressaltando- se a construção da Transamazônica.

31de Março significou a conclusão do Tronco Ferroviário Sul e a melhoria de toda a malha ferroviária nacional.

31 de Março significou a modernização de equipamentos, a construção de pátios para containers, rampas metálicas e a conseqüente melhoria da operacionalidade dos portos marítimos, fluviais e lacustres. Áreas acostáveis foram recuperadas e aumentadas, a rapidez de atendimento foi privilegiada, novas formas de transportes intermodais e modais foram desenvolvidas.

31 de Março significou Correios reorganizados, serviçospostais confiáveis e rápidos, considerados, na época, padrão de eficiência e qualidade em todo o mundo.

31 de março significou o estabelecimento de extraordinário e moderno sistema de telecomunicações, até então desconhecido na América Latina.

31 de Marco significou a integração de diferentes brasis num só Brasil, facilitando o escoamento de riquezas e trânsito.

31 de Março significou excelente trabalho no setor de mineração e siderurgia. A produção de aço atingiu a marca de 21 milhões de toneladas, contribuindo para o crescimento industrial. Volta Redonda foi modernizada e foram criadas a Mendes Junior e a Açominas.

31 de Março significou o crescimento de moderna e diversificada base industrial, possibilitando, ao País, até então exportador de produtos agrícolas, pauta de exportação de produtos com valor tecnológico agregado e altos saldos comerciais.

31 de Março significou a criação de bancos bem como de superintendências de desenvolvimento regionais, diminuindo desequilíbrios internos, integrando o País e melhorando as condições de vida da população com um todo.
31 de Março significou 750.000 casas populares, aquecendo a industria de construção civil, ofertando empregos e realizando o sonho de milhares de famílias pobres.

31 de Março significou a concretização da ponte Rio-Niterói, obra monumental da engenharia nacional.

31 de Março significou a instituição do salário educação, do 13ª salário, da legalização do direito de greve, da reforma agrária e do Estatuto da Terra, minimizando os conflitos fundiários.

31 de Março significou o acesso de milhares de brasileirosà Universidade, o que era, até então, uma impossibilidade.

31 de Março significou reformas e avanços no campo social.

31 de Março significou a derrota da guerrilha urbana e rural na década de 70, as quais, mais uma vez, lideradas por marxistas de diversas tendências, queriam impor, ao povo brasileiro, não a democracia como, hoje, falsamente, proclamam, pousando de mártires, mas tão somente uma ditadura policial comunista. Quanto a este período, são os militares acusados de torturas, de terem matado e prendido milhares de pessoas. São acusados também de terem produzido tempos de escuridão cultural com a vigência da censura.
A verdade é que os mortos, de ambos os lados, não chegaram a trezentos, número infinitamente pequeno para uma luta armada, iniciada pelas organizações comunistas, a qual não se faz com flores e sem excessos.
Se comparado com o que ocorreu durante a revolução conduzida em Cuba pelo ditador Fidel Castro, sumamente admirado pelos atuais e ex-integrantes do primeiro escalão do governo brasileiro, aqui nada aconteceu de relevante. Fidel torturou e matou milhares de pessoas, manteve e mantem presas outras milhares, induzindo milhares de fugas do País.

Quanto à censura, esta foi pequena e insuficiente, além de ineficiente. Como exemplo, em declaração ao Jornal do Brasil, o escritor de novelas para a TV Globo, Dias Gomes, comunista convicto, afirmou que seguia a orientação do PCB ( Partido Comunista Brasileiro ) ao explorar determinados temas em suas novelas de grande sucesso popular. Serviam elas como ferramenta da subversão. Ainda, embora a censura, período algum de nossa história cultural recente mostrou-se tão fecundo na música, no teatro e na literatura como a década de 70.
Esses são alguns dos significados da contra-revoluçã o de 31 de março de 1964. Porém, o significado maior é que sem ela não teríamos a liberdade de que desfrutamos, atualmente, como país democrático e livre, liberdade da qual se aproveitam os mesmos apátridas de ontem, hoje no poder, para denegrir os verdadeiros patriotas e heróis do passado e para delapidar o patrimônio nacional com o aparelhamento do Estado e a montagem de esquema de corrupção jamais visto no País.


Entretanto, restam algumas perguntas: Como está o Brasil de hoje em comparação com tudo aquilo que foi acima mencionado? Como foi o comportamento do nosso PIB nesses últimos anos? Qual a nossa posição atual entre as maiores economias do mundo? Quais os índices de crescimento econômico na última década? Qual o valor dos juros atuais? Como estão as universidades e a rede de pesquisa nacional? E a nossa infra-estrutura : estradas, portos, ferrovias, capacidade de geração de
energia, etc.? E o atendimento às necessidades básicas da população? E como anda o desemprego e a violência, etc.? Como anda a auto-estima dos brasileiros? Que projeto de Brasil potência temos?

Uma última indagação: E a corrupção no governo e em seu partido, o PT ?

Respondam os denegridores do 31 de Março, se forem capazes !

Ruy Regis de Brito