Empurrando com a barrigaLula deixa com FAB decisão sobre punição

Da Folha de S.Paulo:
"Em reunião com os comandantes da Aeronáutica, do Exército e da Marinha, ontem, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que "reavaliou" a decisão de não punir os controladores de vôo que se amotinaram na sexta-feira.
Com isso, a FAB aceitou retomar hoje o controle do tráfego aéreo, com a volta dos oficiais aos postos de chefia abandonados desde o sábado em reação ao acordo assinado pelo ministro Paulo Bernardo (Planejamento) com os amotinados.

Texto completo



Assim, às vésperas do feriado da Páscoa, o governo rasgou o item 1 do acordo com os amotinados, que dava "garantias" de que não haveria punição aos amotinados, e o comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, voltou a ter poder de decisão para tratar da questão -inclusive para definir como e quantas serão as eventuais punições.

Por outro lado, segundo disse a interlocutores, Lula poderá estudar uma anistia aos controladores caso eles venham a ser punidos judicialmente. Mas isso dependeria de um acordo posterior com a cúpula da FAB e da normalização da crise no setor aéreo."

"Até o final da próxima semana, o procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, deverá enviar ao STF (Supremo Tribunal Federal) parecer a favor da instalação da CPI do Apagão Aéreo.
O relator do mandado de segurança dos líderes da oposição, ministro Celso de Mello, aguarda esse parecer para preparar seu voto e submetê-lo ao plenário do STF. O julgamento deve ocorrer no final de abril.

Souza não antecipou qual será sua manifestação, mas disse que levará em conta a opinião de seu antecessor, Claudio Fonteles, para instalar a CPI dos Bingos, em 2005. Em junho daquele ano, o STF ordenou que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), nomeasse os senadores que iriam compor a comissão, sepultando, assim, a manobra governista que impedia a instalação da CPI desde 2004."

Do Jornal do Brasil, hoje:
"Pelo segundo dia consecutivo, os quatro Centros Integrados de Defesa e Controle do Tráfego do país, os Cindactas, ficaram sem comando ontem. Em Brasília, os coronéis se recusaram a atender a ordem do brigadeiro Carlos Vuyk Aquino, comandante do Cindacta 1, para assumir o sistema. Recusas semelhantes ocorreram em Curitiba, Recife e em Manaus." Leia mais
--

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar