Ontem  

 Hoje 

    

  A Vanguarda Popular Revolucionária ( VPR), do Rio Grande do Sul, desejava realizar uma ação que lhe destacasse perante o Comando Nacional da Organização . Era necessário, para isso uma ação de impacto nacional e internacional. Nada melhor que o sequestro de um diplomata. A experiência com o embaixador americano servia como exemplo.Esperavam que um consul fosse um alvo mais fácil que um embaixador e deduziram que a ação seria menos arriscada. O alvo escolhido foi o cônsul dos Estados Unidos em Porto Alegre, Curtis Carly Cutter(...)

Texto completo


No dia 4 de abril de 1970, partiram para o seqüestro do cônsul. No comando da ação, Félix Rosa Neto e, como motorista, Irgeu João Menegon. No mesmo carro iam Fernando Damatta Pimentel (Jorge) e Gregório Mendonça (Fumaça). No carro de cobertura estavam Antônio Carlos Araújo Chagas(Augusto), Luiz Carlos Dametto e, como motorista, Reinholdo Amadeo Klement. Todos com revólveres, além de duas metralhadoras INA e granadas.

Pela manhã, quando o cônsul saiu de sua residência, partiram para o ataque. O diplomata, seguido pelos sete terroristas, foi salvo pelo excesso de tráfego que impediu o emparelhamento com o seu veículo(...).

Não podiam desistir, ainda mais depois de terem comunicado ao CN e Juarez de Brito ter se empenhado na redação do comunicado. Era necessário insistir. A ação era importante. Portanto, à noite, estavam novamente a postos.Agora era vida ou morte.

A sorte estava com eles. Por volta das 20 horas, o alvo saiu com sua esposa para visitar amigos. Ficou na casa até as 22h30 e saiu acompanhado, além da esposa, por um amigo. Os seqüestradores estavam à espreita. Começaram a seguir o cônsul. O horário era o ideal; pouca gente na rua, pouco tráfego. Porque não pensaram logo em fazer a ação à noite?

Logo depois da Rua Ramiro Barcelos, Curtis, que ia em baixa velocidade, foi ultrapassado pelo Fusca de Irgeu, que imediatamente, o fechou ocorrendo uma pequena batida. Félix, Fernando e Gregório desceram cercando a caminhonete.O cônsul, forte e decidido, vendo as armas, não pensou duas vezes: acelerou sua possante Plymonth, atropelando o pequeno Volks e, de quebra, Fernando. Felix,  por trás, atirou com sua pistola .45, quebrando os vidros e ferindo Curtis que, em ziguezague, seguiu à toda velocidade, condeguindo escapar."

A Verdade Sufocada - 2ª edição - 20-08-2006.

Apesar da pouca idade, Fernando Damata Pimentel ( Jorge), 19 anos, já tinha experiência na guerrilha urbana. Um mês antes, comandara o assalto (ou melhor, "expropriação", como preferiam as organizações de esquerda que fizeram a luta armada) a um carro-forte do Banco do Brasil, para financiar a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).

Dessa vez, contudo, Fernando Damata Pimentel não se deu bem. Mais tarde, preso, amargou anos de cadeia  Libertado,  optou pelo caminho da política institucional. Hoje é prefeito de Belo Horizonte pelo PT. Aliás, se deu bem, como  quase todos os ex-subversivos, assaltantes de bancos, sequestradores, terroristas, etc. 

Leia mais detalhes em A Verdade Sufocada- A história que a esquerda não quer que o Brasil conheça

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar