Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 3746


8 DE MAIO.
Dia de relembrar a vitória contra o nazi-fascismo, campanha militar de que participamos, pela primeira vez, além mar.  Com grande sacrifício, sim,  organizamos  e levamos para a Itália a nossa FEB e a Senta Pua da novel FAB, enquanto a gloriosa Marinha de Guerra patrulhava águas do Atlântico sul e defendia nosso litoral, juntamente com a FAB e o Exército. Nossa homenagem àqueles que tombaram no Velho Continente em defesa da nação ameaçada por doutrinas e ideologias que feriam - e ferem - a nossa maneira de viver ! O Brasil pode confiar que terá sempre em suas Forças Armadas o grande e decisivo baluarte na defesa de sua soberania, paz social e liberdade, independentemente de quem quizer violá-las!

Texto completo


AO SOLDADO DESCONHECIDO
"FEB"
  
(Canção do Expedicionário)
"... por mais terras que eu percorra/
não permita Deus que eu morra/
sem que volte para lá./
Sem que leve por divisa este V  que simboliza/
a vitória que virá./
Nossa vitória final/que a mira do meu fuzil/
a ração do meu bornal e a água do meu cantil/
as asas do meu ideal/
e a glória do meu Brasil!"

 
Ao soldado desconhecido
Para você, amigo soldado brasileiro, a minha oração e devotado preito de admiração.
Para você soldado desconhecido, meu irmão, meu camarada, que um dia, deixando para trás familiares, amigos e aquela casa pequenina lá no alto da colina, onde canta o sabiá, deixou também sua alma, sua vida para sempre, na terra tão querida, da Senhora do Céu Aparecida e do Senhor do Bonfim, para integrar a  gloriosa
FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA
OS AGRADECIMENTOS DA PÁTRIA.
 
À você que numa tarde sonolenta de setembro, quase noite, disse Adeus aos seus entes queridos, a bordo de gigantesco navio com destino à plagas desconhecidas.
 
E lá em terras inóspitas, o heroismo incendiava seu peito, ao defender a força sagrada do direito, contra o mais rude dos destinos.

Lá envolto em chama eloqüente, seu heroismo quente, feria como um punhal.

Lá você combateu valentemente o traiçoeiro inimigo.

Foi lá que você sucumbiu anonimamente.

E ao tombar nos Montes Apeninos, num gesto heróico e varonil sacundio o coração para o lado do Brasil.

À você, soldado desconhecido.

O RECONHECIMENTO DA PÁTRIA.
Naquela tarde, envolta em misterioso silêncio, a desolada mãe olhava o monstro de ferro que sumia no horizonte, levando no bojo seu filho amado. Uma dor ingente e desmedida. Um golpe crucial rijo e profundo feria-lhe o peito nesse momento, em que ele partia para o velho mundo.
E, paralisada de dor ali no cais, parecia ouvir uma voz que lhe dizia: "Mãe, teu filho que partiu, que na curva cinzenta sumiu, que pela última vez ali te viu, não voltará mais!"

Formatação e autoria do Rivaldo Rodrigues Cavalcante
Em homenagem aos Soldados Desconhecidos
de todos os tempos, de todas as guerras,
de todas as infâmias, de todas as barbáries,
de todas as bestialidades dos homens.